“Agora tudo está diferente e queremos subir de divisão. Não vou afirmar que vamos subir, mas queremos lutar por isso”.

BnR: Falando um pouco da época actual, estão em primeiro lugar do campeonato e ainda na luta pela Taça da AF Lisboa. Quais são as expectativas?

MS: Acho que temos uma equipa muito unida. Como disse há pouco, estamos todos do mesmo lado; a ligação entre os jogadores e os dirigentes, feita aqui pelo Rui, tem sido óptima e, em termos de equipa, os jogadores têm sido incansáveis. Há muita qualidade e acredito mesmo que temos muito bons jogadores.

BnR: E do lado menos bom?

MS: Temos tido alguns empates, também tivemos algumas lesões que estão – finalmente – a ficar sanadas, mas não há nada verdadeiramente negativo. Os empates e as derrotas fazem parte do Futebol; apenas tivemos um jogo frente ao Club Sintra Football onde não estivemos ao nosso nível [derrota por 3-1].

BnR: E acredita na conquista do campeonato e vitória na taça?

MS: O nosso objectivo não passava por troféus. Não era a nossa prioridade, sequer, subir de divisão; o nosso objectivo era fazer um bom campeonato e andar nos primeiros lugares. Agora tudo está diferente e queremos subir de divisão. Não vou afirmar que vamos subir, mas queremos lutar por isso. É um objectivo, agora é um objectivo.

A direcção do clube tem tentado criar o máximo de condições para os jogadores e equipa técnica
Fonte: Bola na Rede
BnR: E a taça?

MS: Também é um objectivo e vamos lutar por ela.

BnR: É uma competição histórica. O ano passado, o Atlético CP foi inclusivamente o vencedor…

RF: Foi à final, mas perdeu com ACDR Coutada.

MS: Este ano temos um jogo em atraso, não sabemos se vamos jogar com o GD Santo António de Lisboa ou com o SC Linda-a-Velha.

RF: Já saiu o sorteio todo, se ganharmos esse jogo, visitamos o ACDR Arneiros nos quartos de final. Mas, puxando um pouco a fita atrás, o ano passado tínhamos um plantel de quarenta jogadores; desses, ficaram apenas sete este ano. Quando tu sobes e uma equipa já é boa, é mais fácil manter a qualidade, acrescentando um ou outro jogador. Este ano, tivemos que mudar tudo e quisemos, para além de bons jogadores, ter um cuidado especial em ter pessoas com boas qualidades humanas e que vão de encontro aos valores do clube, e a prova disso é que muitos andam na faculdade ou já são formados. São pessoas que, acima de jogadores, são bem-educadas e sabem estar na vida – o que nos agrada – e que até trabalham na nossa formação. Sobre os objectivos, como o Presidente disse, passavam por realizar um bom campeonato, mas, no balneário, os jogadores gostam sempre de ganhar todos os domingos e têm feito um esforço entre eles para querer mais qualquer coisa. Tivemos uma fase menos boa, com quatro empates consecutivos, mas não largámos o topo e temos conseguido vitórias importantes. Daqui a duas jornadas, recebemos o segundo classificado, o AC Malveira, que pode ser um jogo importante. Vamos fazer tudo para conseguir a subida e a taça também é um objectivo. O Pêro Pinheiro quer vencer todas as competições em que entra e o nosso treinador reflecte essa vontade. Tem 32 anos, quer vencer e fomos buscar jogadores com a mesma mentalidade que o clube.

“Este ano tivemos que mudar tudo e quisemos, para além de bons jogadores, ter um cuidado especial em ter pessoas com boas qualidades humanas e que vão de encontro aos valores do clube”.

BnR: Ou seja, um treinador bastante novo, um plantel também com uma média de idades bastante baixa e muita vontade.

RF: Sim, o jogador mais velho é o Tiago [Santos] e veio em Dezembro, tem 33 anos. É o único nos trinta.

Entre os inúmeros troféus do clube, destaque especial para a conquista da Divisão de Honra em 2016 e Campeonato Pro-Nacional em 2017
Fonte: Bola na Rede
BnR: Há, portanto, muita matéria-prima para trabalhar e para crescer.

RF: Isso mesmo. Inclusivamente, integrámos seis juniores aos sete que transitaram do ano passado, e o resto fomos buscar. É um plantel quase construído de raiz, e às vezes criar dinâmicas demora tempo, mas com o trabalho da equipa técnica e direcção criámos um bom grupo de trabalho.

Comentários