Outrora berço da civilização ocidental, a Grécia moderna será palco de inúmeras tragédias e comédias na época desportiva que se avizinha, protagonizadas por um império português capitaneado por quatro audazes comandantes: Abel Ferreira, Pedro Martins, Miguel Cardoso e Luís Castro.

O “vou embora” popularizado por uma página humorística abandonou as redes socias em direção à realidade e Abel Ferreira trocou Braga por Salónica, a segunda maior cidade do país, para assumir o comando do campeão PAOK FC. 34 anos após a conquista do último campeonato, o clube cuja origem se confunde com o da própria cidade por força da Guerra da Ásia Menor, parte para a Super League 19/20 com o intento de revalidar o título conquistado na última época. Rodrigo, lateral-direito que se destacou ao serviço do CD Aves na última edição da Liga NOS, juntou-se a Vieirinha nos comandados do treinador português para o ataque ao cume do Monte Olimpo.

Fonte: Olympiacos

No Pireu, Pedro Martins é o primeiro dos quatro treinadores lusos a iniciar a época. A contar para a 2.ª pré-eliminatória da Liga dos Campeões, o Olympiacos defronta o Viktoria Plzeň ainda este mês e conta com o precioso contributo de três portugueses dentro de campo: José Sá, Rúben Semedo e Daniel Podence. Clube mais titulado da Grécia com 44 campeonatos, os Thrylos tudo farão para recuperar a hegemonia perdida em 17/18, quando o AEK interrompeu uma série de sete campeonatos consecutivos a vencer. Para o conseguirem, contam com El Arabi, Valbuena e Soudani, que se juntaram esta época a um plantel que já contava com o jogador mais valioso do campeonato, Kostas Fortounis.

O AEK, de Miguel Cardoso, tem sido um dos emblemas mais ativos no mercado. Detentor da maior armada lusa, o clube de Atenas conta no seu elenco com os defesas Hélder Lopes e Paulinho e com o trio de médio composto por David Simão, André Simões e Francisco Geraldes, que já tinha trabalhado com o treinador português em Vila do Conde, onde deu nas vistas e levou o Sporting CP a repescá-lo.

Luís Castro encerra o lote de treinadores portugueses no campeonato grego. Contratado aos sub-23 do Vitória SC – que também perdeu o treinador homónimo da equipa principal para o FK Shaktar – é o único cujas aspirações não passam pela conquista do título nacional. 9.º classificado da última edição, o Panetolikos conta com o contributo dos portugueses Mimito Biai e Dálcio Gomes e estreia-se no campeonato frente ao PAOK de Abel Ferreira.

O Aris, de Hugo Sousa e Bruno Gama, procurará repetir a classificação da última temporada (5.º) e recuperar a glória passada; já Xanthi, do guarda-redes Vítor São Bento, e OFI, dos avançados Lisandro Semedo e Ricardo Vaz, esperam uma época mais tranquila, cujo objetivo passará pela manutenção no principal escalão do futebol grego.

Depois de Sócrates, Platão e Aristóteles, é a vez de Abel, Pedro, Miguel e Luís desafiarem o senso comum do futebol helénico e argumentarem a favor da corrente portuguesa.

Foto de Capa: PAOK FC

Comentários