No passado fim de semana, o Celtic Park recebeu o Rangers FC, encabeçando assim o maior jogo da jornada. Um jogo caracteristicamente intenso, entre dois eternos rivais. Algo que não é desconhecido para nós, já que qualquer jogo grande, aqui em terras lusas, provoca uma atenção mediática bastante evidente.

É tido, então, como um dérbi bem “quentinho”. Um jogo em que o sangue quente predomina. Mas só isso não justifica o que se tem vindo a passar no seio dos azuis de Glasgow.

Alfredo Morelos, avançado colombiano, tem um registo disciplinar ao nível de defesas-centrais… Detém uma personalidade forte, tem queda para o conflito. Não é muito difícil, tendo em conta as evidências, mexer com o psicológico do atleta sul americano. Então num Old Firm, num ambiente frenético, ainda menos.

É costume ver Morelos em diálogo com os oficiais da partida
Fonte: Rangers.co.uk

É essa mesma personalidade, tida como forte, que o trai. Ou pelo menos que lhe retira a lucidez necessária para se manter calmo num desporto, como é o Futebol, onde a emoção e os nervos predominam em detrimento da razão.

Scott Brown, que, a par de Morelos, não é nenhum santo, aproveitou a deixa e levou o colombiano em “cantigas”. O capitão do Celtic FC explorou bastante bem essa lacuna individual, fazendo um jogo psicológico em campo que abonou a favor dos da casa. Ou o chateou demasiado, ou basta só um pouquinho de “pimenta” para tirar o número 20 dos light blues do sério. Foi à passagem da meia hora de jogo, sem bola por perto, que decorreu tal incidente. A leitura que faço é que Brown lhe foi dizendo algo “pouco próprio” enquanto passava junto dele.

Tudo leva a crer que, numa época que ainda não terminou, e tendo Morelos já 17 cartões amarelos e cinco vermelhos no “currículo” de 2018/19, o dito não foi propriamente culpado neste lance, mas obviamente também não está isento de culpas.

É um atleta profissional, e os responsáveis do Glasgow Rangers já falam em fim de linha para o dianteiro, apesar da qualidade e atributos que lhe são reconhecidos. Steven Gerrard, o próprio, assume que se trata de um jogador jovem (22 anos) com um rendimento fantástico (29 golos em todas as competições). Contudo, reconhece que não é fácil controlar o seu temperamento. Já deixou a sua equipa em maus lençóis (reduzida a dez elementos) em ocasiões pouco convidativas.

Trata-se de um contratempo incontornável no clube em que milita Daniel Candeias. Vários notáveis do histórico emblema escocês debatem acerca da sua continuidade, mesmo tendo em conta o seu potencial.

Foto de capa: Rangers.co.uk

Comentários