O meu texto desta semana vem falar-vos de como um clube de futebol se tornou o mais popular da modalidade na cidade de Austin,no Estado do Texas, antes sequer de ter disputado o seu primeiro jogo oficial.  Bem-vindos a Austin, bem-vindos à MLS.

O que começou por ser um boato na internet, acabou na criação de um Franchise com um futuro promissor. Os seus responsáveis acreditam que num futuro próximo é possível colocar os verdes e negros no topo da liga norte americana de futebol.

No dia 17 de outubro de 2017, um editor da revista “Sports Illustrated” lançou o rumor no universo do “soccer” americano, com o Tweet, afirmando que o proprietário do clube Columbus Crew, Anthony Precourt, iria mudar a sua equipa para Austin, Texas, em 2018, caso o estádio não pudesse ser construído no centro da cidade de Columbus.

Estes rumores arrastaram-se durante meses, mas acabaram por ser desmentidos. No entanto, até pelas reações que criou, rapidamente ficou patente a ideia de que a cidade de Austin necessitava de uma equipa de futebol. Depois daquele tweet, nada foi igual.

Anúncio Publicitário

Em Columbus, Ohio, 2.000 fãs reuniram-se à porta da Câmara Municipal pedindo aos líderes locais que assumissem uma posição, acabando posteriormente por ser aprovada uma resolução para iniciar uma busca pelo local ideal para a construção de um estádio de futebol na cidade de Austin. Depois de uma série de ações judiciais e negociações, em janeiro de 2019, a Major League Soccer (MLS) anunciou sua decisão final: Columbus manteria a sua equipa, mas as aspirações de Precourt na cidade de Austin seriam igualmente correspondidas.

O anúncio da criação do Austin FC foi recebido em apoteose pelos cidadãos locais, área geográfica que é composta por mais de 2,2 milhões de pessoas, sendo a capital do Texas e facilmente a maior área geográfica sem um clube de futebol profissional. Estamos a falar de uma cidade que já tinha dado sinais claros do seu interesse pela modalidade, tendo sido a cidade americana com o quarto melhor share de visualizações durante o Mundial de 2018 e a cidade com mais audienças televisivas durante o Mundial feminino de 2019. Outros fatores foram determinantes como um setor de tecnologia em expansão, uma forte presença latino-americana e uma população cada vez mais jovem – tudo isto tornou Austin uma cidade promissora para o futebol.

Não houve, no entanto, tempo para comemorar, já que a temporada inaugural do Austin FC ficou marcada para abril de 2021, pelo que os responsáveis tinham pouco mais de dois anos para construir um Franchise desportivo do zero. Ao entusiasmo que já existia, juntou-se ainda o anuncio de algumas contratações importantes no mundo do futebol norte-americano, a começar pelo treinador Josh Wolff, que tinha sido treinador-adjunto da Seleção dos Estados Unidos e que aos 43 anos é considerado um dos treinadores mais promissores do “soccer”.

Há também Matthew McConaughey, que anunciou em agosto de 2019 que passaria a ser um doa acionista do clube. A presença do ator deu ao Austin FC um impulso inegável. No entanto, o grande trunfo do clube poderá ter estado na capacidade de trazer Claudio Reyna para a função de diretor esportivo. Trata-se de um dos jogadores mais condecorados da história do futebol americano, ex-capitão da Seleção americana e que participou em quatro mundiais. Além deste currículo, Reyna já tem experiência em construir uma equipa da MLS do zero – foi o primeiro funcionário do New York City FC. Reyna deixou bem claro: “esta equipa planeia vencer e vencer agora. Queremos uma equipa ofensiva. Os nossos cinco jogadores ofensivos precisam de ser perigosos, criar chances, marcar golos. Queremos ser pró-ativos em tudo o que fazemos em campo, jogar de uma forma emocionante e divertida. Estamos empenhados em estabelecer uma base sólida para os próximos cinco, dez, vinte cinco anos, e acreditamos que podemos chegar já aos playoffs.”

A aposta no mercado foi clara, com a contratação de nomes sonantes como Cecilio Domínguez, Tomás Pochettino, Alexander Ring, Nick Lima, Jon Gallagher, Ben Sweat ou Diego Fagúndez.

A FIGURA


Alexander Ring – Ring é um médio finlandês com muita experiência na Major League Soccer. É o primeiro capitão da história de Austin FC, depois de quatro anos ao serviço do New York FC, equipa que também capitaneou e onde era um verdadeiro ídolo. Ring é um elegante “8”, capaz de pautar e desenvolver bem todas as ações de jogo, sejam elas mais ofensivas ou no plano mais defensivo. Um líder nato, que pela qualidade e experiência será essencial no sucesso de Austin FC na época de estreia.

A PROMESSA


Nick Lima – Um dos melhores laterais do campeonato e atrevo-me a dizer que uma das principais promessas do futebol mundial naquela posição. Depois de “explodir” ao serviço dos SJ Earthquakes, o lateral direito, que muitas vezes também joga na esquerda, tem tudo para se fixar como o melhor lateral do campeonato e em breve dar o salto para o panorama europeu. Lima é disciplinado, um jogador muito determinado, forte, rápido com boa capacidade defensiva e ofensiva, um jogador que esta sempre envolvido no jogo da equipa. A seguir no futuro.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome