Cabeçalho modalidadesFoi contra todas as expectativas e contra todo o optimismo que Marc Márquez conquistou o seu quinto título mundial e o terceiro na categoria de MotoGP, no circuito de Motegi. Para este título, o piloto da Honda Repsol precisava que os seus rivais directos tivessem uma corrida desastrosa… E não é que foi o que se passou em motegi? Ora vejamos:

Valentino Rossi foi a primeira peça do dominó a cair, logo no início da corrida e a luta pelo campeonato passou a ser entre Jorge Lorenzo e Marc Márquez, mas o piloto espanhol da Yamaha seguiu o destino do seu companheiro de equipa e acabou por cair quando faltavam apenas cinco voltas para o final da corrida. A placa “Lorenzo Out” foi mostrada pela equipa da Honda a Marc Márquez e o título de campeão mundial da temporada 2016 estava cada vez mais perto do piloto espanhol.

Este título tem um sabor ainda mais especial, já que foi a primeira vez que Marc Márquez alcançou a vitória no circuito de Motegi, casa da Honda, e foi esse triunfo que lhe deu o campeonato mundial… Já para não falar no facto de que o espanhol se tornou o piloto mais jovem a alcançar cinco títulos em sete temporadas no mundial de motociclismo. E com apenas 23 anos de idade, Marc Márquez conquistou também, no Grande Prémio do Japão, o seu terceiro título na categoria rainha.

Só que nem tudo foi fácil, já que Marc Márquez iniciou a temporada de 2016 com o fantasma da desastrosa época de 2015 – onde era dado como favorito à conquista do título mundial e não foi além de uma colecção de erros próprios fruto da sua imaturidade e que o afastaram da corrida ao título.

“give me 5” de Marc Márquez Fonte: MotoGP
“give me 5” de Marc Márquez
Fonte: MotoGP

Para 2016, o piloto espanhol tinha um árduo trabalho pela frente: afastar os fantasmas de 2015, dominar a sua imaturidade na condução e tornar a moto da Honda competitiva. E mais uma vez, o factor psicológico foi decisivo: Marc Márquez percebeu que as corridas não podiam ser encaradas como se fossem um jogo de vida ou de morte, e que 15 pontos eram melhores do que não conquistar qualquer ponto. E é neste campo que o piloto da Honda Repsol se destacou: foi conquistando pontos ao longo das 15 provas já realizadas, e fez da sua equipa a chave para tudo o que alcançou.

Valentino Rossi continua a ser o ídolo do mundial de motociclismo, mas Marc Márquez tem tudo para seguir as pisadas do italiano. Arrisco mesmo a dizer que a nova geração do Mundial está a dar os seus primeiros passos.

Foto de capa: Marc Márquez

Comentários