cab futebol de praia

Ao quarto dia de competição, é caso para dizer que não houve surpresas no Campeonato do Mundo de Futebol de Praia, disputado em Espinho. Para início de dia, a Espanha conseguiu uma vitória essencial para continuar a acalentar esperanças em seguir em frente na prova. Depois da inesperada derrota na primeira jornada frente ao Irão, os espanhóis foram mais eficazes nesta partida e sobretudo não permitiram veleidades ofensivas ao adversário.

As duas equipas, que arrancavam para a segunda jornada com zero pontos (o México tinha sido goleado por 5-1 frente ao Brasil), sabiam que este era um jogo decisivo e por isso optaram por uma postura mais cautelosa nos primeiros instantes da partida. Não foi por isso de estranhar que o primeiro golo tenha surgido apenas na sequência de uma grande penalidade. No duelo entre Maldonado e Dona, o jogador mexicano não falhou e colocou a sua equipa em vantagem. Apesar do revés inicial, nuestros hermanos não sentiram o golo sofrido e reagiram da melhor forma, tendo chegado ao empate ainda no primeiro tempo, por Llorenço.

No segundo período, viu-se uma Espanha mais atrevida em campo e sobretudo mais capaz de aproveitar a sua natural superioridade para com os mexicanos. Apesar de não ter sido um duelo pródigo em grandes oportunidades de golo, a verdade é que à medida que os minutos iam passando ia-se adivinhando o golo espanhol. Este acabou mesmo por acontecer, aos 16 minutos, na sequência de uma excelente jogada individual concluída por Nico. No derradeiro período do jogo, o México nunca conseguiu ter armas para inverter a desvantagem, perante uma Espanha que também não acelerou. Ainda assim, a equipa de Alonso conseguiu o terceiro golo já perto do final, na sequência de uma grande penalidade apontada por António.

11011104_1010980592266431_532992068346131297_n
Nico apontou o melhor golo espanhol
Fonte: Facebook Beach Soccer Fan Page

O segundo encontro da partida trouxe mais uma vitória natural da bicampeã mundial Rússia, neste caso por 2-4 frente à frágil seleção de Madagáscar. Ainda assim, os comandados de Mikhai Likhachev voltaram a sentir dificuldades no encontro, tal como havia acontecido na difícil vitória por 7-5 frente ao Paraguai. Apesar de terem feito um primeiro período autoritário, com Romanov novamente em destaque (bisou na partida), os russos acabaram por sentir mais problemas do que se esperava. Ainda assim, os primeiros doze minutos mostraram uma Rússia a um bom nível, chegando até ao 3-0 com relativa facilidade, fruto do bis de Romanov e do golo do capitão Leonov. Tudo parecia simples e encaminhado para uma goleada, mas a verdade é que o segundo período trouxe uma seleção de Madagáscar empenhada em provocar uma verdadeira surpresa na Praia da Baía, em Espinho.

No segundo tempo, a equipa estreante em mundiais conseguiu mesmo fazer dois golos, em virtude dos golos de Bernardin e Toky. A Rússia acusou claramente o toque e não mais se voltou a ver a equipa autoritária e dominadora que se havia mostrado no primeiro tempo. Com a desvantagem mínima, o natural empolgamento dos africanos fez com que o resultado final tenha ficado em aberto até bem perto do final. Tal como havia acontecido com os paraguaios, a verdade é que os russos voltaram a pôr-se a jeito de uma surpresa. Essa acabou por não acontecer, muito por consequência do golo caricato que os russos marcaram por Krash aos 34 minutos, num lance em que o guarda-redes de Madagáscar rematou contra si.

11702718_1011010725596751_997079570196509121_n
Rússia conseguiu o apuramento para os quartos de final
Fonte: Facebook Beach Soccer Fan Page

De seguida assistiu-se ao jogo mais entretido deste domingo. Apesar de ter sido o jogo com menor cartaz, Taiti e Paraguai proporcionaram um belo espetáculo de futebol de praia, com o resultado final a sorrir ao Taiti, que garantiu assim o apuramento para os quartos.

Depois de uma vitória na jornada inaugural frente a Madagáscar, a equipa comandada por Tehina Rota fez um primeiro período esmagador, chegando ao final dos primeiros doze minutos com uma vantagem de 4-1 no marcador. Nos primeiros dois minutos, um golo para cada equipa foi o mote para um jogo bastante competitivo: Tavanae foi o primeiro a marcar para os asiáticos, sendo que Pedro Morán, claramente o melhor jogador paraguaio, empatou de imediato para os sul americanos. Ainda assim, e apesar de ter sofrido o empate, facilmente se percebia que a superioridade do Taiti era evidente. Por isso, não foi de estranhar os três golos apontados em cinco minutos, por Labaste (excelente golo de pontapé de bicicleta), Zaveroni e Angel. O segundo período começou novamente com o Taiti por cima, tendo mesmo chegado ao 5-1 por intermédio de Tepa. O Paraguai foi conseguindo responder, tentando encurtar a desvantagem, e acabou mesmo por consegui-lo com mais dois golos de Morán.

Ainda assim, a reação paraguaia não foi suficiente para desarmar os asiáticos, que sempre que sofriam acabam por marcar quase de seguida. Com os golos de Taiarui e Labaste (a maior figura até ao momento desta seleção), a equipa liderada por Rota conseguiu fazer um xeque-mate na partida com o 7-3. Até ao final do encontro, o Paraguai ainda fez mais dois golos, por Lopez e Barreto, mas foi insuficiente para mudar o destino da partida. Com este desaire, os paraguaios estão fora da competição, sendo que o Taiti, tal como a Rússia, já está apurado para a fase a eliminar. Na terça feira, vão defrontar-se para definir o primeiro classificado.

11666205_1011041625593661_6276185114429206754_n
O Taiti já está apurado para os quartos de final
Fonte: Facebook Beach Soccer Fan Page

O último jogo do dia era sem dúvida o mais esperado. Irão e Brasil defrontavam-se depois de ambas as formações terem vencido na primeira jornada (o Irão venceu a Espanha por 6-5; o Brasil bateu o México por 5-1). Tendo em conta a surpresa que havia sido a equipa iraniana na jornada inaugural, esperava-se uma excelente réplica da seleção liderada pelo brasileiro Marco Otávio. A verdade é que isso aconteceu mesmo e o Brasil sentiu muitas dificuldades para levar de vencida a partida, apesar da superioridade que demonstrou ao longo do jogo.

O Irão foi mesmo a primeira equipa a marcar, na sequência de um livre cobrado com sucesso por Akbari. A vantagem durou pouco, e o Brasil, por intermédio de Fernando Ddi, chegou ao empate logo de seguida. Ainda assim, o golo canarinho não atemorizou uma seleção iraniana que dominou boa parte do primeiro período. Isso levou a que a seleção de Marco Otávio tenha chegado a um surpreendente 3-1 no marcador, depois dos golos de Akbari (bisou na partida) e Ahmadzadeh. É caso para dizer que foi preciso soarem as campainhas para que a seleção brasileira entrasse na partida. Só depois da desvantagem de dois golos é que os comandados de Júnior Negão começaram a mostrar o porquê de serem uma das mais fortes seleções mundiais. Até ao final do primeiro período, os brasileiros por intermédio de Bruno Xavier e Bokinha conseguiram levar o jogo empatado a três golos para o segundo tempo.

A seleção asiática acusou muito os dois golos de rajada do Brasil e acabou por raramente criar perigo nos dois períodos restantes. Aliás, o segundo período foi mesmo um verdadeiro massacre brasileiro, que apenas não resultou em golos por tremenda ineficácia de Rodrigo, Bruno Xavier, Jorginho e companhia. O golo da vitória brasileira surgiu apenas no terceiro e último período, com Mauricinho a desviar da melhor forma um cruzamento de Fernando Ddi para fazer o quarto e decisivo golo do Brasil na partida. Com duas jornadas disputadas no Grupo C, o Brasil, apesar dos seis pontos, ainda não garantiu o apuramento para os quartos de final, isto porque Irão e Espanha estão igualados no segundo posto com três pontos. Na última jornada, teremos um Irão vs. México e um escaldante Brasil vs. Espanha para definir os dois apurados para os quartos de final do Campeonato do Mundo de Futebol de Praia.

 

Figura do Dia: Rússia e Brasil – Os dois maiores favoritos à conquista do Mundial de Futebol de Praia passaram incólumes nas duas jornadas iniciais da competição. Porventura o Brasil tem dado mais espetáculo, mas a capacidade cerebral que a Rússia tem demonstrado faz antever uma fase a eliminar muito interessante das duas equipas mais fortes a nível mundial.

Fora de Jogo: México – É certo que a seleção mexicana ficou posicionada no grupo mais difícil deste campeonato do Mundo, mas o facto de ser um antigo finalista do mundial (perdeu a final contra o Brasil em 2007) fazia pensar que a seleção mexicana poderia fazer algo mais na competição. Duas derrotas em dois jogos e uma eliminação precoce são um saldo muito pouco simpático para os comandados de Ramon Raya.

Comentários