Cabeçalho Futebol Nacional

Se para mim era uma decisão de risco, ainda bem que estava enganado e que o Beira-Mar regressou, e de que forma, às conquistas!

No meu último texto relativo ao clube da minha terra, critiquei a decisão da troca de treinador do plantel sénior do Sport Clube Beira-Mar . A minha critica foi uma critica ponderada e hoje voltaria a escrevê-la pois casos como este, de sucesso tão imediato, são raros. Raros mas ainda bem que o Beira-Mar pertence a essa raridade.

Na terceira jornada do campeonato distrital de Aveiro o Beira-Mar anunciava a saída do técnico Carlos Miguel depois de 1 vitória e 2 derrotas consecutivas. A saída de Carlos Miguel abria portas a muito nomes ligados ao clube, muitos que conheciam o emblema, outros tantos que tinham feito história neles, tantos nomes. A verdade é que a solução estava dentro do clube e chamava-se Cajó. Com apenas 32 anos e desde 2016 no Beira-Mar, aceitou a proposta de fazer levantar o balneário e colocar os auri-negros no rumo das vitórias. Com o conhecido Cilio ao seu lado no banco, os cinco jogos que realizou até ao momento ditaram 15 pontos para o Beira-Mar e a subida de lugares na classificação.

O regresso às vitórias na quarta jornada aconteceu com uma mudança de atitude de jogadores e a colocação em campo de uma equipa bastante diferente daquela que tinha sido o último onze escolhido por Carlos Miguel. Apenas cinco jogadores mantiveram-se da derrota com o São João de Ver e seis jogadores entraram para mexer com o rumo dos jogos. No encontro número dois de Cajó na liderança do balneário, o onze repetiu-se e os três pontos voltaram a ser nossos. As alterações foram feitas com o tempo, algumas por necessidade e outras por opção mas o importante é que foram cinco encontros e cinco vitórias com a última a ser cobrada ao Alba.

O Sport Clube Beira-Mar disputa a Primeira Divisão do Campeonato Distrital de Aveiro Fonte: SC Beira-Mar
O Sport Clube Beira-Mar disputa a Primeira Divisão do Campeonato Distrital de Aveiro
Fonte: SC Beira-Mar

O Beira-Mar tem agora seis vitórias contra duas derrotas da Era Carlos Miguel e se há cinco jornadas ocupava o meio da tabela, agora está já em quarto lugar a apenas 2 pontos do líder, o União de Lamas.

Muito do sucesso atingido no último terço do terreno deve-se a um nome que trouxe muita experiência para o campo, Artur. O médio ofensivo que tem sido usado a extremo fez muito da sua carreira ao mais alto nível do futebol português e a sua chegada ao Beira-Mar acrescentou muito ao colectivo. Contudo que tem tido mais sucesso a rematar às redes adversárias é Mário Costa. O ponta de lança leva quatro remates certeiros em oito partidas na sua época de estreia com o símbolo do Beira-Mar ao peito. Aranha, segundo melhor marcador da equipa, tem sido uma das peças mais importantes se não a mais importante no meio-campo. O ex-Àgueda já marcou 3 golos e tem sido um jogador importante ao ligar as áreas mais recuadas com o ataque auri-negro. Sem sucesso e já longe do Mário Duarte está Katchana. O experiente jogador fez apenas três partidas pelo Beira-Mar e é já jogador do Pampilhosa.

E está assim a equipa do Beira-Mar neste arranque de época oficial, depois de uma tempestade veio a tranquilidade para o balneário do clube da terra e o objetivo está mais do que traçado: ser campeão e subir de divisão.

 Foto de Capa: SC Beira-Mar

Comentários

Artigo anteriorO cérebro do Benfica
Próximo artigo120s de Bola #69 – O tamanho (dos egos) conta para despedir Bilic
O João é benfiquista desde que se lembra. Nascido e criado em Aveiro, com uma experiência de cinco anos de vida em Moçambique, vive em Lisboa desde Agosto de 2015. A acompanhar os jogos do Benfica desde sempre e sem falhar a presença no Estádio da Luz pelo menos uma vez por ano, desde sempre que escreve textos pessoais acerca do Benfica e sobre o futebol em geral. Com coragem para defender e criticar o clube da Luz sempre que for preciso, tem mais interesse pela arte do futebol praticado do que pelas polémicas ou aspectos que mancham o desporto rei.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.