Até há bem pouco tempo ocupava o último lugar da tabela da Segunda Liga Portuguesa. Hoje está bem mais confortável na classificação e tem sido o grande destaque da segunda volta do segundo escalão português.

Falo-vos, claro, do Sporting Clube da Covilhã. O clube da cidade serrana teve uma primeira volta para esquecer. Muito por culpa do planeamento de época que existiu. A direção, presidida por José Mendes, escolheu Dito, para comandar a equipa, depois de não ter renovado com José Augusto. Penso que o primeiro erro foi logo este. Dito teve o ponto alto da sua carreira como treinador quando conquistou a extinta Segunda B pelo Varzim Sport Club. Seguiu-se um interregno de quatro anos para pouco acrescentar ao Futebol Clube Famalicão, acabando por ser despedido a meio da época 2017/2018. Não se percebeu por isso esta escolha.

A construção do plantel também foi muito deficitária. Vieram jogadores com pouca qualidade para os campeonatos profissionais portugueses. Esta conjugação de fatores só podia dar numa péssima segunda volta, até haver a possibilidade de corrigir as coisas no mercado de inverno.

Dito não sobreviveu aos maus resultados e foi despedido após seis jornadas em que conquistou apenas uma vitória. Seguiu-se Filipe Rocha, mais conhecido no futebol por Filó. A verdade é que não houve uma mudança muito rápida e visível. Ainda assim, o Sporting da Covilhã teve alguns jogos que perdeu por franca falta de sorte.

O capitão de equipa e um dos melhores jogadores do plantel, Gilberto Silva, jogava nesta altura a lateral-direito, uma adaptação que (muito) limitava as suas características e capacidades.

O mercado de inverno foi fundamental, não só porque permitiu trazer jogadores de qualidade e “despachar” quem não acrescentava nada à equipa, mas também porque trouxe de volta equilíbrios importantes que faltavam ao Sporting da Covilhã. A contratação de Tiago Moreira é, para mim, grande parte do sucesso atual.

A entrada do lateral-direito no Sporting da Covilhã, oriundo do Leixões Sport Club, permitiu que Gilberto regressasse à sua posição natural no meio-campo e ao mesmo tempo acrescentou muita qualidade ao corredor. Tiago Moreira já tinha estado na Covilhã anteriormente e a sua qualidade é bem conhecida pelos adeptos serranos.

Kukula, também ele oriundo do Leixões Sport Club, é outra aquisição importante feita no inverno. O Sporting da Covilhã passou praticamente a primeira volta toda com apenas um ponta-de-lança, Deivison, que possuía pouca mobilidade e uma relação não muito forte com os golos. Kukula logo no primeiro jogo com a camisola dos leões da serra bisou frente ao Clube Desportivo de Mafra.

Aliando estas aquisições à qualidade que já existia no plantel o resultado só podia ser bom. Sim, mesmo com a equipa no último lugar o Sporting da Covilhã tinha qualidade no plantel, pouca, mas tinha.

Fonte: Liga Portugal

Adriano Castanheira, jogador de 25 anos formado no Sporting da Covilhã, regressou no verão passado ao clube que o formou e tem sido uma das figuras de destaque desde o início. A diferença é que agora pode conjugar as suas boas exibições com vitórias. As boas exibições do extremo não passaram despercebidas aos treinadores da Segunda Liga que o elegeram como o melhor jogador do mês de fevereiro na Segunda Liga.

E vão já nove jogos consecutivos sem perder, nove! Uma equipa que estava praticamente condenada a desaparecer do panorama profissional, renasceu das cinzas e está cada vez mais perto de conseguir a manutenção. E destes nove jogos o Sporting da Covilhã venceu em casa equipas como o FC Paços de Ferreira e a equipa B do Sport Lisboa e Benfica, não foram uns adversários “fáceis”.

Segue-se agora uma receção em casa frente a outro candidato à subida, o FC Famalicão. As gentes de Famalicão certamente que virão à serra com vontade de inverter os maus resultados e não deixar que os adversários se aproximem na luta pela subida, mas o Sporting da Covilhã também está com a moral em alta e quer continuar a sua senda de bons resultados, garantindo a manutenção o mais rápido possível.

A Segunda Liga não para de nos mostrar que pode surpreender-nos!

Foto de capa: SC Covilhã

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro

Comentários