Anterior1 de 3Próximo

Um jogo para cumprir calendário. Não é literalmente assim, mas bem que podia ser. Depois da derrota do SC Braga nos Barreiros, o Sporting já tem o terceiro lugar garantido. Quanto a aspirações mais ambiciosas, o clube de Alvalade ainda pode alcançar a Liga Milionária, mas este cenário não é propriamente o mais realista visto que do outro lado está um FC Porto que continua a pressionar o líder SL Benfica.

Do outro lado também, está um Belenenses SAD que, ao não se ter inscrito para as competições europeias, já não tem propriamente um objetivo a que se agarrar.

A equipa da casa, como até já é habitual, começou com mais posse de bola. Passe para ali, passe para acolá, mas as situações de perigo aconteciam esporadicamente. A equipa de Silas entrou a querer controlar o jogo com posse de bola, mas uma grande desatenção por parte do guarda-redes custou caro aos pastéis. Logo aos 11 minutos, depois de um passe muito mal colocado por parte de Muriel, a bola vai parar aos pés de um jogador do Sporting. O guarda-redes ainda tenta remediar o seu clamoroso erro, mas não tem qualquer hipótese quando Raphinha faz o remate para dentro da baliza. Desta vez não houve a salvação de Cleylton em cima de golo como havia acontecido logo aos dois minutos depois de um ataque rápido dos “leões”.

A equipa da casa sentiu muito o golo prematuro na partida e permitiu muitos espaços ao emblema verde e branco. Aos 21 minutos, Bruno Fernandes encontra Raphinha muito bem colocado e faz o passe para o extremo. O número 21 dos “leões” estava isolado e lançado em velocidade até ao momento em que Muriel trava o jogador em falta mesmo antes do mesmo chegar à sua grande área. A falta custou ao guardião do Belenenses um cartão vermelho, o que condicionou todo o jogo da sua equipa a partir dos 21 minutos de jogo.

Depois disso, o ascendente verde e branco manteve-se e várias foram as oportunidades criados pela equipa de Keizer, principalmente do lado esquerdo da equipa do Belém que esteve especialmente desatento naquela que foi uma primeira parte muito apagada por parte da equipa do Belenenses.

O emblema azul e branco manteve a sua típica posse de bola, mas as ideias faltaram à equipa da casa e a expulsão do guarda-redes também não facilitou nada as coisas. Tanto que, no final da primeira parte, Luiz Phellype marca o segundo golo, num lance em que, mais uma vez, o guarda-redes do Belém (desta vez Guilherme) não fica muito bem na figura.

O Belenenses foi então para intervalo a perder 2-0 numa primeira parte em que Renan, sem pagar bilhete, assistiu ao jogo do relvado e onde apenas se viu obrigado a intervir muito poucas vezes.

O Belém fez nos primeiros minutos da segunda parte tudo aquilo que não tinha feito na primeira: ser uma equipa atrevida, a criar perigo e a dar trabalho ao guarda-redes da equipa adversária. Aos 56 minutos, Eduardo Henrique remata forte do corredor central à entrada da área, mas Renan, atento, defende o remate.

Depois de um mau passe de Mathieu, onde Borja não receciona da melhor forma, Ljujic aproveita a desatenção da equipa de Alvalade, rouba a bola ao lateral do Sporting e arranca para o ataque. O número onze do Belém ganha no frente a frente com Coates e faz o cruzamento para Licá que marca o primeiro do Belém.

Esta partida marcou o regresso à competição e aos golos para Bas Dost
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

A resposta ao golo sofrido não podia ter sido melhor, o Sporting continuou a pressionar e chegou mesmo a voltar à vantagem de dois golos depois de um remate no meio da rua de Gudelj. A bola toca em André Santos, o que baralha completamente o guarda-redes Guilherme. Estava imposta então novamente a vantagem de dois golos perante o seu adversário.

Apesar da tentativa de resposta por parte do Belém, o Sporting estava na frente do marcador e a praticar um futebol imponente. A superioridade dentro das quatro linhas evidenciava-se cada vez mais no resultado. Aos 69 minutos, o ponta-de-lança brasileiro Luiz Phellype é derrubado dentro área e João Capela assinala grande penalidade. Bruno Fernandes marca aos 70 minutos: estava feito o 4-1 para a equipa do Sporting.

E uma chuva de golos começou a surgir no Estádio Nacional por parte da equipa dos “leões”.  O 5-1 não tardou a chegar. Seis minutos depois, uma combinação entre Doumbia e Luiz Phellype, onde o ponta-de-lança tira o guarda-redes da frente e oferece o golo ao capitão do Sporting que marca mais um tento ao serviço da sua equipa.

O jogo contou também com o regresso de Bas Dost depois de dois meses parado devido a lesão. O jogador foi muito aplaudido assim que saiu do banco para aquecer e conseguiu mesmo matar a sede de golos. O primeiro remate do holandês é defendido por Guilherme, mas na recarga Bas Dost não perdoa e marca o sexto desta tarde. Mas as contas não ficaram por aqui, o jogo estava mesmo com um ritmo alucinante e só com um sentido: o da baliza do Belenenses.

Ainda houve tempo para mais dois golos, um por intermédio de Bruno Fernandes de primeira para o poste mais próximo, depois de cruzamento de Acunã. O oitavo e último golo da partida, surge de uma bola que sobra para Doumbia depois de uma jogada entre Bruno Fernandes, Diaby e Bas Dost, onde o costa-marfinense, depois de simulação de Bas Dost, remata para o fundo das redes e dita assim o resultado expressivo de 8-1.

Foi mesmo uma tarde para esquecer por parte da equipa do Belém onde perdeu por um resultado atípico em sua própria casa e numa fase em que já soma quatro derrotas nos últimos seis jogos.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

Belenenses SAD – Muriel, Diogo Viana (Ljujic, 45’), G. Silva, Cleylton (Guilherme, 24’), P. Sagna, V. Sasso, A. Santos, E. Henrique, Z. Bergdich, Lica (Kikas, 72’), Jonathan

Sporting CP – R. Ribeiro, Ristovski, S. Coates, Mathieu, Acuña, B. Fernandes, Gudelj, Borja, Raphinha (Diaby, 76′), L. Phellype (Bas Dost, 75′), Wendel (Doumbia, 67’)

Anterior1 de 3Próximo

Comentários