Anterior1 de 3Próximo

Grande festa na bancada do Chaves num jogo muito importante para a disputa dos lugares da Europa. O calor que se fez sentir no final de tarde, durante o jogo, fez-se também sentir nas bancadas com um grande apoio protagonizado pelos adeptos do Chaves naquela que foi uma vitória suada da sua equipa. Quer por circunstâncias do jogo, quer por circunstâncias climatéricas.

O Marítimo entra melhor no início do jogo, a tentar impor o seu jogo, ganhando o duelo a meio-campo. A equipa da madeira tenta aproveitar vários espaços do lado esquerdo. Logo aos 2 minutos, Fábio China avança pela esquerda e cruza para dentro da área. Joel, no disparo, tenta concluir, mas valeu a linha de força do Chaves que conseguiu perturbar o Marítimo no seu ataque.

Por sua vez, a equipa do Chaves adota uma atitude mais pragmática, tentando resolver as poucas oportunidades que tem através de contra-ataques rápidos, grande parte deles protagonizados por aquele que é um dos grandes desiquilibradores da equipa de Luís Castro – Matheus Pereira. Aos 12 minutos, o Chaves vira o flanco e avança pela direita através de uma combinação entre o extremo e o seu colega, Paulinho. Uma boa cobertura do central Pablo, que faz o corte, salva a equipa visitante de um lance de maior perigo.

Numa fase inicial, é evidente a incapacidade do Chaves conseguir furar a defesa do seu adversário. O Marítimo mostra-se uma equipa com uma excelente organização defensiva, com todos os seus jogadores mais recuados muito compactos. O Chaves não consegue organizar os seus contra-ataques rápidos de maneira mais precisa de forma a conseguir criar mais perigo.

A partir dos 20 minutos, o jogo torna-se mais equilibrado. As duas equipas conseguem ter bola mas, ainda assim, sem conseguir progredir muito no terreno. Desportivo de Chaves e Marítimo com claras dificuldades em chegar à área dos seus adversários. Numa hora de muito calor, o jogo torna-se mais lento e as equipas começam a jogar no erro do seu adversário.

Aos 25 minutos, o Marítimo adianta-se no marcador com um golo de Bebeto. Falhanço de Rui Pinto numa fase inicial da jogada, depois, alívio deficiente de Rodrigo Pinho que resulta num ressalto que vai parar aos pés do defesa direito que aproveita o lance da melhor maneira e marca golo pela sua equipa.

De seguida, o Chaves vai à procura do golo e da respetiva igualdade. A equipa da casa sobe o seu rendimento, aumenta a posse de bola e chega mesmo ao empate, aos 37 minutos, com um golo de Tiba. O capitão da equipa transmontana finta Zainadine de maneira a ficar com o caminho livre para a baliza e remata cruzado para a esquerda sem qualquer hipótese para o guarda-redes.

Depois de imposta a igualdade, o Chaves fica por cima do jogo e é protagonista de várias ocasiões de perigo. No final da primeira parte, Artur Soares Dias assinala mão de Zainadine. A bola vai na direção da baliza e o árbitro entende que o jogador coloca propositadamente o braço, desviando assim a trajetória da bola para lá da baliza. Tudo começa num corte disparatado que direciona a bola para uma área perigosa para a equipa do Marítimo. Cobrança da grande penalidade por parte de Bressan: está feita a reviravolta por parte da equipa da casa.

A segunda parte foi espelho daquilo que foi o final do primeiro tempo de jogo. O Desportivo de Chaves foi claramente superior e conseguiu materializar essa mesma superioridade em dois golos. As individualidades começaram a fazer-se notar e um dos protagonistas do jogo – Matheus Pereira – marcou a diferença, tendo estado envolvido na maioria dos ataques da sua equipa. Já a equipa do Marítimo parecia algo perdida dentro de campo, com muitas perdas de bola, e a mostrar uma evidente falta de entendimento nos corredores.

Aos 52 minutos, Matheus Pereira dilata a vantagem no marcador com um remate do meio da rua, aumentando assim a vantagem para dois golos. Soberbo pormenor do extremo de 22 anos que está atualmente emprestado pelo Sporting ao Desportivo de Chaves.

O Marítimo ainda marca o 3-2 por Joel, mas o lance é anulado pelo VAR por fora-de-jogo. O Desportivo de chaves acaba por cima, geriu o resultado com posse de bola e ainda teve algumas oportunidades no flanco direito. Ainda assim, os jogadores do Marítimo não deitaram a toalha ao chão e procuram sempre encurtar a vantagem, mas foi a equipa da casa que protagonizou os lances de maior perigo.

Aos 58 minutos, o Chaves tem uma enorme oportunidade de golo, mas esta é negada por Charles que faz uma autêntica defesa, típica até de um guarda-redes de andebol, com o seu pé direito. Aos 77 minutos, é marcada outra grande penalidade a favor da equipa transmontana. Bebeto derruba Stephen dentro da área. Pontapé de grande penalidade concretizado por Matheus Pereira: está feito o 4-1.

O jogo acaba mesmo assim. Os Chaves coloca-se, então, com o mesmo número de pontos que Marítimo e Boavista e deixa a hipótese de ir à Liga Europa em aberto com um possível deslize do Rio Ave que é detentor do 5º lugar.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

GD Chaves: Ricardo, Paulinho, N. Maras, D. Duarte, Stephen Eustáquio, M. Pereira, Pedro Tiba, Davidson, William (Subst. Jorginho), R. Furlan (Subst. P. Queirós), Bressan (Subst. Patrão)

SC Marítimo: Charles, Joel, Baiano, J. Correa, Fábio China, Pablo, Z. Júnior, Bebeto, Gamboa (Subst. Edgar Costa), Rodrigo Pinho (subst.Ghazaryan), R. Valente (subst. F.S. Oliveira)

 

Anterior1 de 3Próximo

Comentários