Anterior1 de 4Próximo

Cabeçalho Futebol NacionalO Rio Ave recebeu e venceu a equipa do Marítimo por 3-0. Num jogo de sentido único, a equipa da casa chegou à vantagem de penálti, por Pelé, ampliou de livre direto, por João Novais e, no segundo tempo, ainda ampliou por Diego Lopes.

O Marítimo viajou até Vila do Conde com o objetivo de se voltar a aproximar do quinto lugar. Depois de sete jogos para o campeonato sem conhecer o sabor da vitória, o conjunto de Daniel Ramos, no oitavo lugar, atravessava o pior momento da época.

Já o Rio Ave procurava regressar aos triunfos, depois das derrotas com Portimonense e Benfica, para potenciar um eventual deslize do Chaves no difícil embate com o FC Porto.

Finalmente sem lesões no plantel, a equipa da casa apresentou-se com aquele que tem sido o onze base desde a saída de Rúben Ribeiro. Já o Marítimo, depois de uma jornada marcada pelas ausências, promoveu um total de cinco alterações em relação ao jogo com o Portimonense.

A partida começou aberta, com o Rio Ave a ter espaço para jogar e a causar perigo junto da baliza de Charles. Já depois de Barreto ter ameaçado com um remate de meia distância, Francisco Geraldes obrigou Charles a uma boa defesa depois de trabalhar bem sobre Zainadine.

A equipa da casa estava bem no encontro e o jogador emprestado pelo Sporting voltou a estar em destaque pouco depois. Cruzamento da esquerda do ataque vilacondense e Charles a ser obrigado a sair aos pés de Guedes, que não consegue desviar para golo por muito pouco.

Com os extremos Barreto e João Novais muito por dentro, a ocupar as zonas interiores, e os laterais projetados no ataque, a formação de Miguel Cardoso controlava, como esperado, a posse de bola. Já o conjunto de Daniel Ramos, no seu 4-4-2 com linhas muito próximas e bem definidas, aguentava em bloco baixo e tentava explorar sobretudo a profundidade.

O Rio Ave continuava a dominar o jogo e, numa altura em que já se adivinhava o golo dos locais, João Novais voltou a ameaçar, ao surpreender com um remate num livre lateral que obrigou Charles a mais uma boa defesa.

Depois de tantas ameaças, a equipa vilacondense chegou finalmente ao golo aos 27 minutos, na conversão de um penálti. Numa bola aérea dividida na grande área, Pablo entra sobre Guedes de forma imprudente e o Luís Godinho aponta para a marca dos onze metros.

Na conversão, Pelé remata com muita serenidade para o lado esquerdo e consegue enganar Charles, que voa para o lado contrário. Estava assim inaugurado o marcador no Estádio dos Arcos.

Mesmo após o golo, o jogo manteve a toada e o Rio Ave conseguiu ampliar ao minuto 38, novamente de bola parada. Na sequência de uma jogada de Barreto pelo corredor central, Pablo, que já tinha cometido o penálti, derruba o extremo colombiano e concede um livre frontal à equipa da casa. Na conversão, João Novais atira forte e colocado e fixa o resultado em 2-0.

Até ao intervalo não houve tempo para mais destaques e as equipas recolheram ao balneário com dois golos de diferença no marcador.

Foto de Pedro Paupério.
O Rio Ave foi sempre superior ao adversário
Fonte: Rio Ave FC

O segundo tempo começou mais equilibrado e, depois de Barreto ter testado novamente os reflexos de Charles, foi a vez do Marítimo causar finalmente perigo. Com uma pressão intensificada, a equipa de Daniel Ramos foi capaz de complicar a saída de bola do Rio Ave e, depois de aproveitar uma perda de bola de Cássio, ficou muito perto do golo, valendo aos vilacondenses uma boa resposta do guarda-redes brasileiro.

Depois de um início mais aberto, o segundo tempo acalmou e as oportunidades escassearam. Descontente com a desvantagem, Daniel Ramos, que já tinha feito entrar Joel Tagueu ao intervalo, lançou Rodrigo Pinho, por troca com Ricardo Valente.

Na resposta, Miguel Cardoso trocou Barreto por Diego Lopes e o reforço de inverno não demorou a justificar a aposta. Apenas cinco minutos depois de entrar, o médio brasileiro respondeu da melhor forma a um excelente cruzamento largo de João Novais e desviou na cara de Charles para o 3-0.

Até ao final o Rio Ave limitou-se a gerir (ainda entraram Nuno Santos e Pedro Moreira), e o Marítimo viu Fábio China, que entrou apenas aos 75 minutos, ser expulso por acumulação de amarelos.

Anterior1 de 4Próximo

Comentários