Francisco Neto ao BnR: «Euro e Mundial deu tempo de trabalho a Portugal»

    Francisco Neto e Andreia Jacinto analisaram o triunfo de Portugal frente à Noruega na Liga das Nações. O Bola na Rede colocou duas questões a cada um dos intervenientes.

    Francisco Neto e Andreia Jacinto analisaram a vitória de Portugal frente à Noruega, no segundo jogo da equipa das quinas na Liga das Nações. Também o selecionador da Noruega, Leif Gunnar Smerud, respondeu a uma questão sobre o jogo.

    Eis as perguntas e respostas na Conferência de Imprensa:

    Bola na Rede: A seleção portuguesa parecia não encontrar o que pretendia em ataque posicional, perante o 4-5-1 bem coeso da Noruega, ainda que tentasse colocar três jogadoras entre as linhas defensiva e média contrárias. Começou a sair mais em transição e passou a criar mais perigo e mesmo golos. Na segunda parte, sobretudo após o 3-2, vimos menos transições e um jogo posicional mais paciente e uma gestão com bola muito grande. Esta capacidade camaleónica da seleção é um sinal de maturidade?

    Francisco Neto: Nós, os selecionadores, estamos sempre a queixar-nos que temos pouco tempo de trabalho. A grande vantagem de ir às fases finais é que nos dá tempo para trabalhar com as jogadoras. E isso permite trabalhar as nossas dinâmicas, permite-nos adaptar, permite ter esta pele mais camaleónica, como disse. O Euro 2022 e o Mundial 23 deu-nos tempo de trabalho com as jogadoras. E isso permitiu-nos aumentar e melhorar a nossa ideia de jogo, melhorar a forma como conseguimos encarar os nossos adversários. Depois, quando chegamos a estas competições é mais fácil as jogadoras irem buscar estas dinâmicas. Apesar de termos estado com alguma dificuldade quando a Noruega se ajustou para o 4-5-1, estávamos a preparar algo para mexer, mas entretanto conseguimos fazer os dois golos e já não houve essa necessidade. Mas esta equipa tem essa capacidade.

    Bola na Rede: Esta foi a terceira vez que Portugal esteve em vantagem numa partida em competições desta magnitude (vs Escócia, 2017, e vs Vietname, 2023), em 11 partidas nestes grandes palcos. E venceu os três jogos em questão, hoje perante um adversário de ainda maior peso. Este é também um sinal da maturidade que este grupo cada vez mais parece apresentar?

    Francisco Neto: Eu até vejo ao contrário, estarmos a perder e conseguirmos dar a volta. Esta equipa tem crescido imenso na forma como encara os jogos e tem crescido imenso em competição. Hoje, sofremos o golo e continuámos a querer e a fazer acontecer as coisas. Claro que os adversários do outro lado são diferentes e colocam outro tipo de problemas. Mas eu acho que o maior crescimento é a forma como as equipas hoje olham para Portugal. A França nunca tinha jogado em 4-3-3, jogou em 4-3-3 nitidamente para se encaixar no nosso losango. A Noruega é uma equipa dominadora e mesmo quando estava a perder baixou as linhas, não nos pressionou alto, deixou-nos na nossa primeira fase de construção estar mais livres.

    Bola na Rede: Foi importante para si ter feito o primeiro golo de Portugal nesta competição – e o golo que começa a reviravolta? Além disso, como sente uma jogadora este crescimento da seleção, que consegue, depois do Mundial e de perder com a França, reagir desta maneira frente à Noruega?

    Andreia Jacinto: Uma das nossas grandes fortalezas é a união. Temos isso bastante claro, somos um grupo bastante unido e nos momentos mais difíceis vamos atrás do resultado, como aconteceu hoje. Marcar o meu primeiro golo pela seleção e o primeiro golo da seleção nesta prova foi muito especial para mim, até porque, ainda por cima, foi num momento em que a equipa precisava e o sentimento de poder ajudar a nossa seleção é, sem dúvida, muito bom. Eu acho que a jogadora portuguesa tem cada vez mais confiança e acredita cada vez mais no seu valor, porque estamos ao nível ou cada vez mais perto das melhores. Creio que é muito isso, a confiança que temos em nós de que podemos fazer frente a estes adversários.

    Bola na Rede: Ao intervalo mudou a ala direita da sua equipa, mas foi a partir do lado esquerdo que a Noruega começou a criar perigo e foi mesmo pela esquerda que fez o segundo golo (o único da Noruega no segundo tempo). O que sentiu que não estava a correr bem no lado direito na primeira parte? Sente que as mudanças nesse lado funcionaram como pretendia ou continuou a faltar algo?

    Leif Gunnar Smerud: Esta equipa sempre foi mais perigosa pela esquerda, mesmo antes de ser selecionador. Queríamos criar mais perigo pela direita e foi por isso que mudámos.

    Sabe mais sobre o nosso projeto!

    Bola na Rede é um órgão de comunicação social de Desporto, vencedor do prémio CNID de 2023 para melhor jornal online do ano. Nasceu há mais de uma década, na Escola Superior de Comunicação Social e em forma de programa de rádio.

    Desde então, procura ser uma referência na área do jornalismo desportivo e de dar a melhor informação e opinião sobre desporto nacional e internacional. Queremos também fazer cobertura de jogos e eventos desportivos em Portugal continental, Açores e Madeira.

    Podes saber tudo sobre a atualidade desportiva com os nossos Última Hora e não te esqueças de subscrever as notificações! A 28 de outubro de 2019, avançámos também com introdução dos programas em direto, através do canal BOLA NA REDE TV, no Youtube.

    Além destes diretos, temos também muita informação através das nossas redes sociais e em vários modelos de podcasts.

    Se quiseres saber mais sobre o projeto, dar uma sugestão ou até enviar a tua candidatura, envia-nos um e-mail para [email protected]. Desta forma, a bola está do teu lado e nós contamos contigo!

    - Advertisement -

    Subscreve!

    PUB

    spot_img

    Artigos Populares

    Márcio Francisco Paiva
    Márcio Francisco Paivahttp://www.bolanarede.pt
    O desporto bem praticado fascina-o, o jornalismo bem feito extasia-o. É apaixonado (ou doente, se quiserem, é quase igual – um apaixonado apenas comete mais loucuras) pelo SL Benfica e por tudo o que envolve o clube: modalidades, futebol de formação, futebol sénior. Por ser fascinado por desporto bem praticado, segue com especial atenção a NBA, a Premier League, os majors de Snooker, os Grand Slams de ténis, o campeonato espanhol de futsal e diversas competições europeias e mundiais de futebol e futsal. Quando está aborrecido, vê qualquer desporto. Quando está mesmo, mesmo aborrecido, pratica desporto. Sozinho. E perde.