Sérgio Conceição: «Ter contrato com o FC Porto não basta, é preciso jogar à Porto»

    Sérgio Conceição analisou o próximo adversário, Casa Pia AC. O técnico do FC Porto falou das dificuldades perante o GD Estoril-Praia.

    Sérgio Conceição esteve presente na conferência de imprensa de antevisão ao duelo entre o FC Porto e o Casa Pia AC, que decorre este sábado às 20h30 O técnico dos dragões começou por analisar a equipa do Casa Pia:

    «Esperamos o que o Casa Pia tem sido esta época: uma equipa com poucos golos sofridos que sabe o que faz defensivamente com uma linha de cinco, um setor intermédio composto por quatro com os alas a baixarem na linha do duplo pivot e um avançado poderoso na frente. É verdade que o Pedro Moreira privilegiava o 4-2-3-1 e 4-4-2 no Torreense. Agora pegou na equipa dentro da dinâmica que tinha. É também uma equipa vertical e incisa ofensivamente. É um jogo difícil».

    Sérgio Conceição foi questionado sobre uma sessão dupla de treino após a derrota e o castigo aos jogadores, porém não gostou da pergunta:

    «Vocês não querem saber porque é que o FC Porto perdeu com o Estoril (estratégia definida, o que foi pedido aos jogadores). Estou saturado disto, castigos, sessão bidiária. É tudo muito básico. Amanhã é o jogo 500 na Liga que faço. Não falam de futebol. Tem a ver com o pouco tempo de preparação que temos e com a dissecação do último jogo».

    O técnico do FC Porto falou sobre as dificuldades contra o Estoril:

    «Temos de olhar para os jogos com o Estoril e para aquilo que fizemos de bom e de menos bom. Temos de juntar algumas coisas que fizemos no primeiro jogo, no Dragão, no processo ofensivo, em que criámos situações para chegar ao intervalo com o jogo resolvido, e da falta de competência nalguns momentos em organização defensiva, com a preparação do próximo jogo com o Estoril, da Taça. Tenho convicção plena de que não era preciso perder este jogo para perceber o que não fizemos e devemos fazer para ganhar de uma forma tranquila ao Estoril. Se fizermos o que planeamos a nível de qualidade, no plano individual que somos superiores, temos tudo para ganhar o jogo. Esse trabalho foi feito».

    Sérgio Conceição abordou o jogar à FC Porto e o que é necessário para triunfar:

    «Estou a atacar-me a mim. Ter contrato com o FC Porto não basta. É preciso sentir o clube, como disse muitas vezes. Falando dos jogadores, ter contrato com o FC Porto não basta. É preciso jogar à FC Porto. E o que é jogar à FC Porto? É essa mentalidade, uma ambição muito grande, super focados nas tarefas individuais ao serviço do coletivo. Isto é ser jogador à FC Porto. Para todos os outros que compõem os vários departamentos, incluindo a equipa técnica e o treinador em primeiro lugar, não basta ter contrato, é preciso sentir o clube. É isto».

    Sérgio Conceição falou também sobre os poucos minutos de Iván Jaime e Fran Navarro:

    «Iván Jaime esteve dois meses parado, não posso treiná-lo no departamento médico. Quando temos sessões de vídeo e análise do adversário eles estão presentes e isso é aprendizagem e treino também. No campo fica mais difícil. Temos cinco avançados, e dentro do que são os nossos processos é normal que jogadores com o Fran não tenham tantos minutos. Se os vamos buscar é porque achamos que têm qualidade e que nos podem ajudar».

    Além de Sérgio Conceição dizer que João Mário está fora e Alan Varela fez treino condicionado, o técnico dos dragões foi questionado sobre o que falta para transferir os treinos para os jogos:

    «O facto de ter gente jovem… Não me quero justificar com isso, porque temos uma equipa B competente, o Folha está a fazer um trabalho espetacular. Temos jogadores da equipa principal que vieram da B, e entro em contradição. Mas a nossa equipa, no último jogo, essa solidez consegue-se se os microciclos derem tempo para recuperar os jogadores que têm mais minutos. Meter um outro jogador, momentaneamente, numa equipa rotinada, com os processos bem oleados é diferente do que meter três ou quatro e pedir que façam o mesmo que aqueles que têm mais minutos. Essa evolução, por vezes, é difícil, e tropeça-se aqui e acolá. Não é que queiramos, a azia é grande, como devem compreender, mas acontece. Temos de olhar para isso de forma direta, sem camuflar nada».

    Sabe mais sobre o nosso projeto!

    Bola na Rede é um órgão de comunicação social de Desporto, vencedor do prémio CNID de 2023 para melhor jornal online do ano. Nasceu há mais de uma década, na Escola Superior de Comunicação Social e em forma de programa de rádio.

    Desde então, procura ser uma referência na área do jornalismo desportivo e de dar a melhor informação e opinião sobre desporto nacional e internacional. Queremos também fazer cobertura de jogos e eventos desportivos em Portugal continental, Açores e Madeira.

    Podes saber tudo sobre a atualidade desportiva com os nossos Última Hora e não te esqueças de subscrever as notificações! A 28 de outubro de 2019, avançámos também com introdução dos programas em direto, através do canal BOLA NA REDE TV, no Youtube.

    Além destes diretos, temos também muita informação através das nossas redes sociais e em vários modelos de podcasts.

    Se quiseres saber mais sobre o projeto, dar uma sugestão ou até enviar a tua candidatura, envia-nos um e-mail para [email protected]. Desta forma, a bola está do teu lado e nós contamos contigo!

    - Advertisement -

    Subscreve!

    Artigos Populares

    Diogo Lagos Reis
    Diogo Lagos Reishttp://www.bolanarede.pt
    Desde pequeno que o desporto lhe corre nas veias. Foi jogador de futsal, futebol e mais tarde tornou-se um dos poucos atletas de Futebol Freestyle, alcançando oficialmente o Top 16 de Portugal. Atualmente, o Diogo está na Universidade Católica a estudar Comunicação Social com o objetivo de seguir uma carreira na área do jornalismo desportivo, sendo o futebol a sua verdadeira paixão.