Anterior1 de 2Próximo

O Bola na Rede teve a oportunidade de entrevistar André Ramos, um jovem atleta de alto rendimento na modalidade de Boccia e que celebrou recentemente os vinte e três anos de idade. O rapaz, natural de Almada, é um dos exemplos de que a Paralisia Cerebral (PC) não é impedimento para ambicionar e concretizar sonhos de vida. Este atleta paralímpico e técnico de informática na Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal (APCAS) mostrou-nos a importância do Boccia na sua vida – modalidade paralímpica criada para atletas com PC – mas que pode ser praticado por todas as pessoas, com e sem deficiência.

Bola na Rede (BnR): Antes de nos direcionarmos para o Boccia, que outras modalidades desportivas já vivenciou?

André Ramos (AR): Quando era muito pequeno fiz natação e mais tarde pratiquei equitação adaptada.

BnR: Como descobriu o Boccia? Quando e onde iniciou a prática da modalidade?

AR: A minha médica falou-me da Associação de Paralisia Cerebral Almada Seixal (APCAS) como uma forma de encontrar possíveis respostas aos problemas e desafios que um jovem como eu poderia necessitar. Nessa sequência, passei a frequentar a associação e as atividades nela realizadas. Foi nesse âmbito que fiquei a conhecer o boccia, tendo ingressado na escola de boccia da associação aos 13 anos.

BnR: Foi difícil encontrar um clube que respondesse às suas necessidades? Qual a importância do desporto na sua vida?

AR: Acho que foi o boccia que me encontrou a mim e não o inverso. Desde essa altura que jogo e represento a APCAS, e tenho feito um percurso natural e crescente com o apoio da instituição. O boccia tem-me permitido concorrer ao mais alto nível e com os melhores, e representa uma grande fatia de todos os meus sonhos e objectivos pessoais.

Fonte: Ricardo Vaz/Bola na Rede

BnR: Depois de experimentar várias modalidades desportivas, porquê o Boccia? Tendo em conta as suas características, foi necessário algum tipo de adaptações?

AR: Para um jovem com deficiência motora nem todas as modalidades, mesmo que adaptadas, são praticáveis. No meu caso em concreto, não existem muitos desportos que possa fazer. O boccia permite-me praticar desporto, ser ativo e concorrer com os melhores a nível nacional e internacional, coisa que não encontrei noutras modalidades. O boccia está subdividido em cinco classes, iniciei-me como jogador na classe bc2 e atualmente, devido a perdas de motricidade fina nos membros superiores, fui reavaliado e concorro na classe bc1, sendo dos poucos jogadores que joga com o pé, com o auxilio de um sapato fabricado especialmente para mim.

BnR: Nos últimos anos conseguiu ganhar algum destaque na modalidade. Fale-nos sobre o seu percurso até ao momento.

AR: Fundamentalmente atribuo o meu crescendo desportivo ao meu trabalho diário (treinos). Luto diariamente para me tornar num melhor jogador, intensificando os treinos e a qualidade dos mesmos. Claro que sem o apoio da minha família e do meu clube nada disto seria possível. Foi esse árduo trabalho que me permitiu, desde há dois anos para cá, representar as cores do nosso país na Seleção Nacional de Boccia e que me fez alcançar o primeiro lugar no campeonato regional de Boccia e o terceiro lugar na fase final do campeonato nacional.

BnR: Representar a Seleção Nacional é certamente um motivo de orgulho para qualquer atleta, seja em que modalidade for, concorda? Como tem sido essa experiência? Como é ser atleta paralímpico?

AR: Sim. Como todos os desportistas quero ganhar e jogar com e contra os melhores. Tive sempre este objetivo e estou orgulhoso do que alcancei até aqui. Tem sido uma experiência enriquecedora mas ainda tenho muito para aprender e melhorar enquanto atleta. Não posso baixar os braços, tenho que continuar a trabalhar diariamente para mostrar o meu valor e a mais valia que posso trazer para a Seleção de Boccia.

Ser atleta paralímpico/de alto rendimento, significa também fazer alguns sacrifícios a nível pessoal. Por vezes temos de nos privar de certas coisas, com vista a alcançar aquilo que pretendemos. Por exemplo, alguns dos estágios da selecção, competições nacionais e internacionais, decorrem em datas marcantes para mim. No entanto, o esforço acaba por ser sempre recompensado.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários