BnR: Terminamos então esta parte da entrevista com o Gonçalo Brandeiro CEO dos Apogee Gaming e vamos entrevistar a estrela o “Troppez”. (risos)
Muito obrigado pela sua disponibilidade e vontade em realizar esta entrevista, espero que possa voltar a acontecer novamente num futuro próximo. Resta-me desejar as maiores felicidades para os Apogee Gaming e viva aos eSports!

GB: Obrigado eu pela vossa vontade e atenção. Voltará a acontecer em breve certamente com mais triunfos! Quero deixar também um grande obrigado a todos os que nos apoiam continuamente. Temos apoiantes incríveis. Obrigado!

Bola na Rede: Olá Gonçalo. Muito obrigado por ter chegado até nós para a realização desta entrevista. Antes de mais, perguntar em que momento jogar FIFA começou a ser mais um eSports do que apenas jogar?

Troppez: Olá! Obrigado eu pela disponibilidade. Desde muito cedo comecei a jogar FIFA a partir do momento em que me foi oferecida a minha primeira Playstation. Sempre fui jogando por diversão, mas cheguei a um certo ponto em que evoluí de tal forma que comecei a pensar levar isto mais a sério e inscrevi-me em torneios. Nos últimos dois anos, comecei a ver isto como um eSport, mas sendo parte ativa sobretudo neste último ano.

BnR: Fala-nos um pouco da tua paixão por jogar FIFA e em que FIFA começaste a jogar?

T: Comecei por jogar Playstation com os meus 7 anos, e logo com o FIFA. Futebol sempre foi algo que me apaixonou e me tem acompanhado com o passar dos anos, logo a minha vocação para este jogo é natural, assim como acontece com milhares de crianças hoje em dia. Comecei a jogar desde o FIFA07, e já aí brincava às fintinhas com o Ronaldinho no Barcelona. (risos)

Anúncio Publicitário

BnR: Para além, do modo Ultimate Team e do 1vs1 também joga Pro Clubs segundo as informações que recolhi. De que maneira esse modo de jogo, o ajudou competitivamente? Ou não teve influência de todo?

T: Sim, é verdade. Já jogo Pro Clubs há cerca de 2 anos e considero-o um modo de jogo fundamental no meu desenvolvimento uma vez que incute melhor o futebol real e o jogo em equipa, e sendo eu um jogador que parte mais para a finta, agora tenho-me controlado mais um pouco. (risos)

Fonte: Apogee Gaming

BnR: No início do ano, os Apogee Gaming anunciam a sua contratação. Como se realizaram estas “negociações” e de que maneira o Troppez viu esta oportunidade?

T: Tudo decorreu no Christmas Challenge, competição na qual cheguei aos oitavos de final. Já tinha sido previamente abordado pelo Gonçalo, mas desta vez a proposta foi concreta. Desde esse momento meti na cabeça que o meu futuro passaria pela Apogee e parece que tomei a decisão acertada.

BnR: Constantemente melhora a sua forma no chamado FUT Champions e chega a vários Top 100 na PS4. De que maneira chegou a esta boa forma e o seu treino era diário?

T: A boa forma, naturalmente, atinge-se com o treino. Desde cedo neste FIFA me dediquei a ser melhor de dia para dia e os resultados não tardaram em surgir. Sinto que consegui atingir a consistência que me faltava noutros FIFA’s e chegar assim a outro patamar. Pode-se dizer que o meu treino era diário, apesar de depender muito da minha vontade no momento.