Anterior1 de 2Próximo

entrevistas bola na rede

Nos últimos anos, tem-se assistido, no futebol português, a uma bipolarização. A maioria dos clubes centra-se ou no Norte ou no Centro, com o sul do país a não ter grande representação na primeira liga portuguesa. O último clube do sul a participar na liga, foi a Olhanense em 2013/2014. Em Portimão, os responsáveis do Portimonense tentam remar contra a maré e chegar à primeira divisão nacional. O Bola na Rede foi assim, conversar com um dos responsáveis pela subida de rendimento do Portimonense: José Augusto, treinador do clube na temporada passada e atual diretor desportivo dos alvinegros.

Bola na Rede: José, como começou o bichinho pelo futebol?

José Augusto: O bichinho começou desde muito novo, lembro-me de varias vezes ficar de castigo, pela minha Mãe e pela minha professora primaria, por causa do futebol. Esperei até aos 10 anos de Idade (na altura não havia escolas de futebol antes dos 10 anos) para entrar no Portimonense com infantil. Fazendo no portimonense toda a minha formação. Por motivos pessoais abandonei, que optar pelos estudos e por trabalhar.

BnR: Recordo que está há mais de dez anos no Portimonense. Sendo que desempenhou várias funções.Porque razão deixou de ser treinador do clube?

JA: Cheguei ao Portimonense como treinador em 2003/2004 como adjunto da equipa de juniores. Passei por varias etapas e varias funções. Após ter sentido que a época passada seria o final de um ciclo no Portimonense, o Investidor do clube não o permitiu e propôs um novo cargo no SAD do clube, ao qual depois de uma profunda reflexão eu aceitei. Neste momento exerço a função de Diretor Geral para o futebol.

BnR: Ficou com alguma mágoa por ter deixado o cargo de treinador?

JA: Não fiquei nem tenho nenhuma mágoa, pois o Portimonense é e será sempre o meu clube do Coração. Apenas sei que irei regressar ao treino e a competição , pois é essa área que gosto e a qual investi nos muitos anos.

BnR: O ano passado, o Portimonense, esteve muito próxima da subida, mas no final, acabou por não conseguir. O que faltou?

JA: No início do projecto o grande objetivo era a permanência e deixar o Portimonense com a melhor classificação possível, a verdade é que superamos todas as expectativas. Falhamos por 2 pontos pois objectivo inicial traçado por mim era os 80 pontos. Houve outros fatores nos quais fugiram ao meu controlo, a meu afastamento do banco por 55 dias, o desempenho de terceiros ao qual não poderia controlar e que nos custaram alguns pontos. Ainda outras situações algo estranhas que se passaram nas ultimas jornadas do campeonato.

Depois de treinador, José Augusto Ferreira é agora diretor do Portimonense SC Fonte: Ana Borralho
Depois de treinador, José Augusto Ferreira é agora diretor do Portimonense SC
Fonte: Ana Borralho

BnR: Considera que aquela vitória frente ao Sporting, para a Taça da Liga, foi um dos momentos mais altos da carreira?

JA: Sim, sem dúvida. Não só a vitória frente ao Sporting, mas a passagem a ½ final da taça da liga, num grupo com equipas só da 1.ª Divisão no qual ficamos em primeiro lugar. Também o jogo com o Belenenses em casa para a Taça de Portugal marcou-me bastante.

Anterior1 de 2Próximo

Comentários