Outras

BnR: Defrontou Messi e Cristiano Ronaldo, qual deles foi o mais complicado?

AC: Se tivesse de escolher um, escolhia o Ronaldo. Principalmente pelo caráter dele e por tudo o que tem feito na carreira. Daqui a uns anos penso que ainda vai ser mais valorizado, é inacreditável o que ele e o Messi têm feito. Eles, para mim, são os dois melhores jogadores da história do Futebol e vamo-nos recordar deles para sempre.

BnR: Passou duas temporadas no SC Olhanense, mas o clube agora atravessa uma situação muito complicada. Como é que vê todo este processo de declínio da equipa algarvia?

AC: É com tristeza que vejo o Olhanense passar por dificuldades. Não tenho acompanhado de perto, mas vou lendo sobre o tema. Espero que se endireitem. Não é fácil, é um clube que veio da Segunda, manteve-se alguns anos na Primeira Liga e depois surgiram confusões. Não sei o que se estará a passar, mas desejo que volte à Primeira e que sejam felizes.

Anúncio Publicitário
Castrou deu-se a conhecer no SC Olhanense Fonte: SC Olhanense
Castrou deu-se a conhecer no SC Olhanense
Fonte: SC Olhanense

BnR: Concorda com a introdução do vídeo-árbitro?

AC: Acredito que possa vir a ajudar. Para saber se é golo, ou não, ou se é fora-de-jogo, ou não. Mas vai sempre haver erros porque depende sempre da interpretação de alguém que está a ver. Acredito que possa vir a ser bom, mas a maneira como o vamos usar é que vai ser decisiva. Espero que o utilizem da melhor maneira, embora existam coisas que vamos ter de deixar sob o critério do árbitro. Um pode achar que é penálti e outro achar que não é. Mas acredito que vá ajudar.

BnR: Como é que olha para as constantes polémicas envolvendo os três grandes portugueses. Alguém tem razão no meio disto tudo ou é apenas algo que deve ser eliminado de vez em Portugal?

AC: É normal existir polémicas entre os três grandes. Não é só em Portugal, nos outros países também é assim. Mas espero que em Portugal não se fale tanto dos árbitros e de processos. É o que eu leio todos os dias. Processos para aqui, processos para ali, claro que não é o que devia ser mais discutido. Mas é normal, tem de se falar de alguma coisa e é disso que se vai falando.