O último dia do Torneio Internacional Vila de Ponte de Lima 2019 iniciou com as meias-finais entre Academia Guiné-Bissau e Vitória SC e entre Sporting CP e SL Benfica. No primeiro jogo, os vimaranenses superiorizaram-se desde cedo a nível físico, mas sem criar grande perigo para a baliza guineense. O nulo ao intervalo espelhava na perfeição o equilíbrio dentro de campo, mas a eficácia dos africanos viria a revelar-se decisiva. Suleimane Bari, Ruvio Sanha e José Sanuo abriram o caminho para a final, apesar do empate de Martim Cunha ter gerado alguma indefinição no marcador (3-1).

Na outra meia-final, águias e leões pintaram novo derby em campo num nível tão elevado que parecia uma final antecipada. Os guarda-redes foram chamados a intervir diversas vezes e provaram ser as pedras indicadas para aquela posição. O golo de Eduardo Fernandes levou as águias em vantagem para o intervalo, mas os leões chegaram ao empate bem cedo na segunda parte através de um livre de Afonso Machado. A poucos minutos do fim, Geovany Quenda selou o apuramento pelo segundo ano consecutivo para o derradeiro jogo (2-1).

Antes da pausa para almoço, AD Limianos e Escuela de Fútbol Denis Suárez discutiram os lugares mais baixos da classificação final do torneio, o sétimo e oitavo. A primeira parte foi mais entretida e cativante, com alterações constantes no marcador. Unai Alonso adiantou os espanhóis, mas João Sousa restabeleceu o empate no marcador com um chapéu de belo efeito. A instantes do intervalo Anton Muñoz voltou a adiantar a escola espanhola e acabaria por ter fixado assim o resultado final (1-2). Na segunda parte viu-se a equipa da casa muito esforçada e mais destemida na procura do golo, mas com algum atrapalhamento nos processos construtivos. Apesar disso, ainda obrigaram o guardião espanhol a boas intervenções e viram a barra negar o empate perto do fim.

Sporting CP voltou a superiorizar-se ao Vitória SC e conquistou o terceiro lugar da prova
Fonte: Ricardo Brito

O primeiro jogo da tarde atribuía o quinto e sexto lugares, tendo frente a frente FC Porto e SC Braga. Os dragões dominaram no capítulo da posse de bola, mas eram os arsenalistas quem mais perigo criava de cada vez que se aproximavam da baliza contrária. Afonso Jesus adiantou os minhotos e Leonardo Santos empatou a partida através de um pontapé de canto já perto do final e adiou a decisão para as grandes penalidades. A primeira série de três penaltis foi convertida por todos os marcadores, mas na “morte súbita” Telmo Brites defendeu o remate de Alexandre Santos e o SC Braga arrecadou a quinta posição do torneio.

Numa reedição da fase de grupos, Vitória SC e Sporting CP mediram novamente forças pelo terceiro lugar. Num jogo mais equilibrado no que ao marcador diz respeito, os leões voltaram a levar a melhor, desta vez por 3-2. Estiveram sempre em vantagem graças a golos de Afonso Santos, Clodoaldo Cofite e Duarte Ferreira. À entrada para os últimos minutos, os vimaranenses assustaram ao reduziram para a margem mínima através de Afonso Vieira e do inevitável Rodrigo Monteiro.

Na grande final, Academia Guiné-Bissau e SL Benfica voltaram a encontrar-se para decidir o vencedor. Os encarnados entraram melhor na partida e dominaram o adversário por completo. Apesar de pressionadas constantemente, as jovens águias trocaram a bola com segurança, rapidez e sem surpresas chegavam à área em condições para finalizar. Eduardo Fernandes, uma das figuras da prova, adiantou o SL Benfica cedo na partida e levou assim o jogo para intervalo.

O enorme apoio das bancadas contagiou os jovens guineenses que entraram mais práticos na segunda parte e empataram por João Cande. Geovany Quenda, outra das promessas encarnadas, devolveu a vantagem aos encarnados numa jogada simples, mas executada de forma exemplar. Contudo, a Academia Guiné-Bissau não se conformava com a participação e de tudo fez pela vitória. Já perto do final da partida, um remate cruzado de Jonas Cande levou tudo para as grandes penalidades. Na sequência dos castigos máximos, ambas as equipas falharam por uma vez, mas o remate de Enzo Barros ao poste deixou via aberta para a conquista africana. Convertido o penalti decisivo, a Academia Guiné-Bissau alcançou o que à partida seria impensável, mas com toda a justiça.

Em termos coletivos, os guineenses foram uma agradável surpresa, quer a nível tático, como técnico e até humano. A nível individual ficou a certeza de que passaram pelo torneio dezenas de atletas que vão dar que falar. A organização ponderou e atribuiu o prémio de melhor guarda redes a Rodrigo, atleta leonino. O prémio de melhor marcador foi entregue a Rodrigo Monteiro do Vitória SC, com sete golos em cinco jogos. O prémio de melhor jogador parou nas mãos do benfiquista Eduardo Fernandes, mas importa também realçar os colegas de equipa Enzo Barros e Geovany Quenda. Quanto ao prémio fairplay, esse ficou em casa; a equipa da AD Limianos não sofreu qualquer admoestação das equipas de arbitragem e provou todo o seu desportivismo em campo e fora dele.

 

Foto de Capa: Ricardo Brito

Comentários