Fernando Santos esteve, ontem, na Escola Superior de Comunicação Social para uma entrevista ao programa “Bola na Rede”, onde abordou vários temas em destaque relacionados com a sua carreira.

O actual selecionador grego reforçou as responsabilidades de treinar uma equipa no Mundial, dizendo mesmo que “a selecção grega leva atrás de si um país, uma bandeira e tem de ter noção dessa responsabilidade”. O objectivo será passar à fase seguinte num grupo que considera “aberto”, onde todos têm chances. A sua aposta para vencedor do Mundial é o Brasil, devido, não só à qualidade dos jogadores, mas também ao factor casa. Ainda assim, a final de sonho seria entre Portugal e a Grécia. Quanto à selecção portuguesa, Fernando Santos, quando questionado sobre a possibilidade de treinar Portugal, afirmou que “nunca diria que não à selecção”, mas que não espera pelo convite e deseja o maior dos sucessos para Paulo Bento e Portugal, selecção, que, para o técnico, está numa segunda linha de favoritos à conquista do Mundial.

Fernando Santos à conversa com o Bola na Rede
Fernando Santos à conversa com o Bola na Rede

A passagem pelos três grandes também foi recordada. Do FC Porto, guarda a memória de um clube organizado, com a melhor estrutura e relembra o fatídico jogo com o Bayern de Munique em 1999 para a Liga dos Campeões. Do Sporting, recorda o “fantástico” grupo de trabalho e o polémico jogo com o Boavista, sobre o qual afirma que “se tivesse ganho, provavelmente teria sido campeão e talvez não estivesse agora na Grécia, mas sim ainda no Sporting”. No Benfica, a grande questão foi o motivo da sua saída à primeira jornada do campeonato em 2007/2008, depois de, na época anterior, ter lutado até ao fim pelo título. Fernando Santos sente que saiu do Benfica quando afirmou “que a saída do Simão era um pesadelo”, tendo-se na altura sentindo bastante magoado com Luís Filipe Vieira.

A conversa focou-se também na sua experiência no campeonato grego, sendo que AEK e PAOK deixaram uma marca especial no seu coração. O adversário do Benfica na Liga Europa (PAOK) é, para Fernando Santos, “a única equipa que consegue fazer frente ao Olympiakos na Grécia” e tem “o pior estádio para se jogar” devido à sua grande massa adepta. O eleito treinador da década na Grécia não se considera idolatrado pelos gregos, mas sim muito respeitado por todos.

Para concluir, Fernando Santos diz que tem saudades de treinar um clube, dos treinos diários, e que tem o desejo de voltar a ser campeão. Em Portugal? “ Porque não?” respondeu.

A entrevista estará disponível hoje, na íntegra, no nosso site
A entrevista estará disponível hoje, na íntegra, no nosso site

A entrevista conduzida por Mário Cagica Oliveira e comentada por Daniel Cachola (SLB), Francisco Manuel Reis (FCP) e Rui Miguel Pereira (SCP) estará disponível ainda hoje no site do Bola na Rede.

Comentários