A CRÓNICA: EXIBIÇÃO DE GALA DOS CASTORES E COYS EM MODO “TURISTA”

Tarde/noite de gala na mítica “Mata Real”, agora Estádio Capital do Móvel. Jorge Simão vestiu-se a rigor, e bem, para receber o Tottenham Hotspur FC, de Nuno Espírito Santo, com um look mais descontraído, ao bom estilo de turista inglês.

A partida até arrancou com o Paços a baixar linhas, esperar pelo erro e a dar a iniciativa de jogo ao adversário, que não parecia muito para aí virado. Com o tempo, rapidamente se começou a sentir que podia ter mais bola na partida. Era desnecessária toda aquela abordagem defensiva. Os Coys desapareceram do jogo depois ímpeto inicial e a partir daí… só deu Paços. Com assistência de Nuno Santos, Lucas Silva abriu o placar e partiu-se para o intervalo com a vantagem dos castores.

No segundo tempo os ingleses correram atrás do prejuízo, mas pouco. O Paços manteve-se sólido e consistente em todos os momentos de jogo e raramente sofreu calafrios por parte da ofensiva adversária, incapaz de criar perigo. As equipas foram a antítese uma da outra. Enquanto o Paços de Ferreira mostrou-se combativo, agressivo e unido, o Tottenham Hotspur FC revelou-se um conjunto de jogadores pouco entrosados e sem vontade. Nem a suposta qualidade individual salvou os Spurs.

Anúncio Publicitário

 

A FIGURA
Fonte: Carlos Silva/ Bola na Rede

Stephen Eustáquio – É surreal como ainda não vemos Stephen Eustáquio a jogar num nível mais alto. É superlativo e tem um toque claramente diferenciado dos seus colegas. Hoje, além de qualidade técnica, revelou capacidades de líder, pautando o jogo, mesmo que sem a bola nos pés. Craque.

O FORA DE JOGO

Nuno Espírito Santo – É verdade que a eliminatória se joga a duas mãos. É verdade que o segundo jogo no Tottenham Hotspur Stadium pode cravar grandes diferenças entre as equipas. Ainda assim, é incompreensível a abordagem ao jogo por parte de um treinador tão experiente, que ainda por cima acrescia ao facto de conhecer o clube que iria defrontar. Facilitou, rodou demasiado e quando se viu em apuros não tinha nomes sonantes para tirar do banco. Para a história fica uma grande exibição pacense e uma imagem muito pálida dos Spurs.

 

 ANÁLISE TÁTICA – FC PAÇOS DE FERREIRA

O Paços de Ferreira FC de Jorge Simão apresentou-se igual a si próprio, no seu já rotinado 4-3-3. Ainda que bastante diferente da ideia de jogo de Pepa, este Paços assume-se claramente numa base mais direta, onde a bola não demora tanto tempo a chegar a zonas mais avançadas. Defensivamente a equipa foi sempre muito compacta e solidária na pressão ao portador da bola.

O jogo passou muito pelos pés de Stephen Eustáquio, que pautou o jogo a partir do meio-campo, mas também pelos laterais, que colocaram várias bolas diretamente na frente, para os três avançados. Denílson era o avançado que desgastava os defesas, enquanto os extremos Hélder Ferreira e Lucas Silva procuravam o espaço nas costas dos laterais contrários, que disparavam na frente.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

André Ferreira (6)

Fernando Fonseca (6)

Flávio Ramos (7)

Marco Baixinho (6)

Vitorino Antunes (6)

Luíz Carlos (6)

Stephen Eustáquio (8)

Nuno Santos (7)

Lucas Silva (7)

Hélder Ferreira (6)

Denílson (7)

SUBS UTILIZADOS

Matchoi Djaló (5)

Zé Uilton (5)

Juan Delgado (4)

João Pedro Silva (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – TOTTENHAM HOTSPUR FC

Nuno Espírito Santo não apresentou novidades quanto ao esquema desenhado, mas sim quanto aos onze titulares e jogadores convocados. Equipa totalmente nova em relação ao jogo inaugural da Primeira Liga Inglesa e acima de tudo pouco preparada para reagir a partir do banco.  Certamente já se esperaria o 3-4-3 com os laterais bem soltos na frente. A falta de ligação e entrosamento entre os jogadores ingleses foi característica dominante e acabou por ser decisiva no desenrolar da partida. Valia-lhes a superior qualidade individual, onde se destacam essencialmente três jogadores:

Bryan Gil, ainda que com uma exibição apagada, parecia dos mais inconformados, procurando movimentos circulares entre os defesas da casa. Pelo meio, Giovani Lo Celos tentava guiar as tropas, ainda que visivelmente desconectadas. E Ryan Sessegnon, pela esquerda tentava rasgar e encontrar espaço para servir os colegas, sem grande sucesso.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Pierluigi Gollini (5)

Matt Doherty (5)

Cristian Romero (5)

Cameron Carter-Vickers (4)

Ben Davies (4)

Harry Winks (4)

Giovani Lo Celso (6)

Ryan Sessegnon (6)

Nile John (3)

Bryan Gil (6)

Dane Scarllet (4)

SUBS UTILIZADOS

Jack Clarke (5)

Lloyd Bennet (4)

Maksim Pastovski (-)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome