logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

Alemanha x Itália

Alemanha 5-2 Itália: Lição de alemão para a Itália de Mancini

A CRÓNICA: ALEMÃES GOLEIAM AZURRI EM CASA

A Itália de Roberto Mancini despediu-se do último jogo desta primeira janela da Liga das Nações com uma derrota por 5-2 contra a Alemanha de Flick.

A superioridade tática e técnica dos caseiros foi evidente desde o início, mas a Itália foi cúmplice nesta pesada derrota, visto que entrou no jogo com uma atitude totalmente errada, sofrendo brutalmente o jogo dos adversários.

As duas equipas entraram muito afirmativas no relvado e com uma evidente vontade de desbloquear logo o marcador, mas com o passar do tempo, a Alemanha, assim como na primeira partida, assumiu logo a posse do jogo, desfrutando de lances verticais e sobretudo da lateral canhota.

A um bom remate de pé esquerdo de Sané, aos seis minutos, do limite da grande área, replicou do outro lado Raspadori, que tentou converter à boca da baliza um lance de Politano. Só a reatividade de Neuer é que conseguiu salvar a baliza caseira.

À passagem dos 10 minutos, a equipa de casa conseguiu passar para a frente no marcador. Raum pincelou uma assistência do lado esquerdo para Kimmick que, sozinho e sem oposição da defesa, teve só que concretizar na baliza. O 1-0 estava feito no Borussia Park.

A grande posse de bola da Alemanha e a rapidez das passagens entre meio-campo e ataque, fizeram com que a Itália sofresse por boa parte da partida, sobretudo no corredor central e na lateral esquerda, encontrando-se repetidamente a dever salvar a situação em cima do joelho.

No final da primeira parte, a equipa de Flick continuou a atacar insistentemente, sendo suficientes poucos toques para chegar sem pré-aviso até à área defesa de Donnarumma. Aos 39 minutos, Werner arriscou de dobrar o resultado com um grande remate de direito, mas foi só nos minutos de compensação, que a Alemanha alargou a vantagem.

Bastoni, não em perfeitas condições físicas, atirou ingenuamente para o chão da grande área Hofmann, e logo o arbitro concedeu o penalti, transformado por Gundogan.

No regresso ao relvado, a Itália tentou de reencontrar-se e de abordar a partida com uma mentalidade diferente, tanto que um bom tento de Cristante dentro da grande área, assustou o sempre atento Neuer.

Contudo, a ilusão durou pouco, porque aos 50 minutos Muller gelou novamente Donnarumma, aproveitando um ressalto favorável e marcando assim o 3-0.

A partir daí, o monólogo alemão foi imparável, tanto que os outros dois golos surgiram de pronto, e foram ambos “filhos” dos pés de Werner.

Os dois golos da bandeira italiana foram realizados pelo jovem Gnonto, aos 77 minutos, e por Bastoni, aos 94 minutos, que não salvaram, de facto, uma prova absolutamente muito abaixo das expectativas.

 

A FIGURA

Kimmich – Numa Alemanha praticamente perfeita, tanto tecnicamente como taticamente, foi impossível encontrar um jogador que não merecesse de ser a figura do jogo.

Devendo escolher, Kimmich, enquanto esteve em campo, foi sem dúvida um dos gigantes desta equipa. É sua a assinatura que inaugurou o marcador e esteve sempre presente em todas as ações ofensivas alemãs, sempre no momento e sítio certo.

 

O FORA DE JOGO

Atitude mental da Itália – Impossível negar que hoje a equipa de Mancini entrou em campo sem a atitude mental certa. Provavelmente o cansaço de jogos anteriores e as contínuas alterações entre os jogadores fizeram com que os azzurri ainda estivessem longe de encontrar uma sua própria identidade em campo.

A equipa está numa profunda fase de reestruturação, precisa de tempo e paciência, mas quando se joga contra uma armada como a Alemanha, que possui uma qualidade técnica invejável, é preciso sempre fazer um esforço a mais. Hoje não vimos esforço nenhum.

 

ANÁLISE TÁTICA – ALEMANHA

 Hans-Dieter Flick orientou a equipa para um 4-2-3-1 bem consolidado. Para o que vimos hoje, a equipa necessitou só dos dois centrais, Rudiger e Sule, para segurar a baliza de Neuer.

Klostermann, mas sobretudo Raum, literalmente um comboio na lateral esquerda, passaram o 90% do tempo em participar nas ações ofensivas, criando constantemente superioridade numérica no meio campo, e suportando Kimmick, Gundogan e Hofmann, nas iniciativas verticais a favor dos atacantes.

Menção honrosa para Muller que continua a ser um jogador sublime. Foi uma mina vagante na parte de frente do ataque alemão, criando perigos com e sem a esférica, mas sobretudo conseguindo orientar de forma eficaz os seus companheiros nos últimos 30 metros de campo italiano. Um verdadeiro diretor de orquestra, que até se alternou várias vezes no meio campo com o Hofmann, mas a música nunca mudou de registo, só melhorou.

 11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Neuer (7)

Klostermann (6)

Sule (6)

Rudiger (7)

Raum (8)

Kimmich (8)

Gundogan (7)

Hofmann (7)

Muller (8)

Sanè (7)

Werner (7)

SUBS UTILIZADOS

Gnabry (7)

Tah (-)

Stach (-)

Musiala (-)

Nmecha (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – ITÁLIA

Roberto Mancini voltou a dispor a equipa num 4-3-3, escolhendo como tridente inicial de ataque Gnonto-Raspadori-Politano, mudando novamente 9 peças do plantel italiano em comparação ao jogo anterior contra a Inglaterra.

O treinador tentou diferentes soluções ao longo do jogo, concedendo a estreia a mais três jogadores, Luis Filipe, Scalvini e Caprari, mas nenhuma carta ressoltou.

No final do primeiro tempo Mancini passou ao 3-5-2, inserindo próprio Luis Filipe no lugar de Politano, e fazendo assim baixar para o meio campo Calabria e Spinazzola.

Nenhuma das duas asas sobre mencionadas, conseguiram realizar uma assistência de relevo, e nem conseguiram, como é habitual sobretudo para o Spinazzola, penetrar no jogo alemão desfrutando a lateral esquerda, tendo hoje um cliente implacável: Raum.

A superioridade técnica e tática dos adversários exigiu um grande sacrifico de contenção defensiva que a Itália, visto o resultado, falhou grandemente. Neste falhanço, mencionamos também o erro de Donnarumma que causou o primeiro golo de Werner.

No meio campo, tanto Barella como Frattesi, foram ultrapassados literalmente por dois gigantes como Gundogan e Kimmich, que com poucos toques conseguiram dar início aos contra-ataques da equipa caseira. Uma Itália hoje absolutamente perdida, que não encontrou as chaves do jogo, e que deverá aprender com esta grande lição de futebol que os alemães deram-lhe.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Donnarumma (5)

Calabria (5)

Mancini (5)

Bastoni (5)

Spinazzola (6)

Frattesi (5)

Cristante (5)

Barella (5)

Politano (5)

Raspadori (5)

Gnonto (6)

SUBS UTILIZADOS

Luis Filipe Ramos (5)

Scalvini (6)

Caprari (6)

Di Marco (-)

Scamacca (-)

A Paola nasceu e cresceu na Itália, mas há seis anos foi “adotada” por Lisboa, onde atualmente reside. Formou-se em Comunicação e Jornalismo na Sapienza - Universitá degli Studi di Roma, e atualmente está a tirar uma Pós-Graduação na Universidade Católica Portuguesa em Comunicação e Marketing de Conteúdos. Viu a sua primeira partida de futebol com seis anos e nunca mais parou, decidindo que um dia ia tornar jornalista de desporto, sonho que concretizou aos 21 anos, quando adquiri a sua carteira profissional. Adora ouvir os jogos de futebol no rádio, sobretudo Liga Serie A e Liga Portugal, e adora visceralmente o Alessandro Del Piero. É mais fácil encontrá-la em qualquer estádio ou pavilhão - porque também gosta de vólei e futsal – que não na sua casa!

A Paola nasceu e cresceu na Itália, mas há seis anos foi “adotada” por Lisboa, onde atualmente reside. Formou-se em Comunicação e Jornalismo na Sapienza - Universitá degli Studi di Roma, e atualmente está a tirar uma Pós-Graduação na Universidade Católica Portuguesa em Comunicação e Marketing de Conteúdos. Viu a sua primeira partida de futebol com seis anos e nunca mais parou, decidindo que um dia ia tornar jornalista de desporto, sonho que concretizou aos 21 anos, quando adquiri a sua carteira profissional. Adora ouvir os jogos de futebol no rádio, sobretudo Liga Serie A e Liga Portugal, e adora visceralmente o Alessandro Del Piero. É mais fácil encontrá-la em qualquer estádio ou pavilhão - porque também gosta de vólei e futsal – que não na sua casa!

[my_elementor_post_nav_output]

FC PORTO vs CD TONDELA