Cabeçalho Liga Alemã

Renato Sanches e Raphael Guerreiro vão jogar por terras alemãs na próxima época. Os dois jogadores vão protagonizando um percurso ascendente, que tem o próximo ponto alto depois do verão, em Munique e Dortmund. Depois de um europeu onde os dois estiveram em destaque, em 2016/2017 é altura de subir o nível e começar a evolução que, provavelmente, será crucial no futebol que a selecção nacional portuguesa jogará no futuro.

O Benfica sagrou-se campeão nacional e no meio teve uma força – física e psicológica – que moveu uma equipa inteira para a frente, mesmo que apenas 18 anos – um número que chateou muito boa gente – tivessem sido responsáveis pela maré positiva. O futebol irreverente do “Bom Rebelde” é um reflexo da sua irascibilidade, algo que, para já, é ambíguo no que toca à sua compreensão do jogo. Na Alemanha houve um interessado que não se fez rogado: 35 milhões pelo novo talento a sair da Academia do Seixal.

O Bayern Munique foi o responsável por oferecer o que o Benfica queria pelo diamante e agora é altura de Carlo Ancelotti lhe dar as armas que lhe faltam. O futebol do Benfica é – na versão de Rui Vitória – muito mais anárquico do que a máquina bem oleada por Pep Guardiola – e que, na próxima temporada, estará nas mãos de Carlo Ancelotti. O pragmatismo e o cérebro são privilegiados na manobra do técnico italiano: basta lembrar que foi ele o responsável por puxar Andrea Pirlo da posição dez para um papel de construção como médio-defensivo. Vai ser interessante perceber como é que a equipa da Baviera vai estar disposta em campo, e de que forma Renato se pode encaixar num meio-campo onde podem jogar Thiago, Alaba, Kimmich, Vidal, Javi Martinez, Gotze ou Xabi Alonso.

renato
Renato Sanches assinou contrato com o FC Bayern Munique antes do Euro’2016
Fonte: FC Bayern Munique

Desviamo-nos um bocado da nossa rota e vamos até Dortmund. Raphael Guerreiro muda-se da França para a Alemanha, de um clube pequeno para o segundo maior clube alemão. O defesa/lateral/médio esquerdo é o maior talento a brilhar a partir da parte de trás do campo desde Fábio Coentrão, e foi, no Euro 2016, um jogador bastante competente a defender e a atacar.

A inclusão numa equipa que privilegia um futebol de controlo e de ataque será uma mais-valia para o futebol de alta voltagem exercido por Guerreiro pela linha esquerda inteira. Thomas Tuchel poderá ser o treinador mais importante na carreira do lateral-esquerdo, assumindo um papel que – apesar das diferenças – tem paralelos com o de Jorge Jesus com Fábio Coentrão – jogador que, com o potencial que Raphael vem demonstrando, pode superar. A diferença entre ser mais um e ser o tal estará exactamente na forma como o ex-Lorient irá compreender aquilo que o treinador exige.

Sem saber o que o futuro reserva aos dois protótipos de craque, Bayern Munique e Dortmund são os dois maiores clubes do país campeão do mundo, e a exigência do campeonato alemão tem todos os ingredientes para que Renato Sanches e Raphael Guerreiro integrem o primeiro passo para uma viragem de paradigma no futebol da selecção nacional.

É importante notar que temos uma fornada de jogadores talentosos a soltarem o seu perfume com a camisola nacional, mesmo que o nosso seleccionador não aproveite 20% do seu potencial. A contratação de Guerreiro e Sanches vem ajudar à construção de uma equipa forte e que se pode assumir como o tubarão que é (basta olhar para os resultados neste século), e que muito deve à inclusão de um dos melhores jogadores de sempre: Cristiano Ronaldo. O futebol de pequenos guerreiros pode e deve ser largado para assumirmos um futebol revigorado e de equipa grande, focado numa equipa onde jogadores como William, João Mário, Bernardo Silva ou Renato Sanches serão pontífices.

Foto de capa: FPF

Comentários