Cabeçalho Liga Alemã

Com pouco mais de meio campeonato já disputado na Alemanha, olhando para a classificação, nota-se algo que tem sido habitual nos anos mais recentes. Com cinco pontos de avanço para o segundo classificado, segue na primeira posição da tabela aquele que parece ser o crónico vencedor da Bundesliga – o FC Bayern Munique. No entanto, a verdade é que o caminho que o clube da Baviera teve de percorrer até aqui não foi nada fácil, tendo sido até várias as previsões de que este poderia ser o ano em que se quebrava o seu ciclo de vitórias na liga alemã.

A época começou da melhor forma para os comandados de Carlo Ancelotti, que conquistaram frente ao seu maior concorrente a nível interno a Supertaça alemã, e as primeiras jornadas do campeonato viram um Bayern forte na luta pelo seu quinto título consecutivo, com muitos golos marcados e poucos sofridos, e com vitórias relativamente fáceis, até a contar para a Liga dos Campeões.

O Bayernatravessa um ciclo de 16 jogos sem derrotas Fonte: Facebook FC Bayern München
O Bayern atravessa um ciclo de 16 jogos sem derrotas
Fonte: Facebook FC Bayern München

Apesar disso, foi num jogo da liga milionária, frente ao Atlético de Madrid, que o gigante alemão teve a sua primeira derrota oficial da época, e que desencadeou uma série de três jogos sem vencer, dois deles para o campeonato, frente ao FC Köln e ao Eintracht Frankfurt. Estas derrotas permitiram que os rivais se aproximassem e mantivessem o Bayern em sentido no primeiro posto da classificação, onde nunca esteve com total “descanso”.

O momento não era o melhor para os Die Roten, que mesmo após uma nova série de vitórias, voltaram a estar três jogos sem conquistar os três pontos, frente a TSG Hoffenheim, Borussia Dortmund e FC Rostov. Estas tiveram maior peso na tabela classificativa, que viu tornar-se líder o outsider RB Leipzig, relegando o Bayern para o segundo lugar. O primeiro posto estava entregue ao clube que é propriedade da Red Bull, mas o Bayern Munique foi capaz, mesmo depois de alguns maus resultados, de iniciar uma série de 14 vitórias em 16 jogos que lhe permitiu recuperar o primeiro lugar que parece ser seu por direito.

Comentários

1
2
Artigo anteriorOs números de Mitroglou
Próximo artigoMudanças começam a dar frutos
Nascido no seio de uma família portista, o Nuno não podia deixar de seguir o legado e faz questão de ser um membro ativo na ação de apoiar o seu clube, sendo presença habitual no Estádio do Dragão, inserido na claque Super Dragões. Para ele, o futebol é quase uma terapia, visto que quando está a assistir a algum jogo se esquece de todos as preocupações. Foi futebolista federado, mas acabou por entender que o seu papel era fora das quatro linhas, e também para seguir os estudos em Novas Tecnologias da Comunicação.                                                                                                                                                 O Nuno escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.