Cabeçalho Liga Brasileira

 

O futebol brasileiro voltou a vivenciar mais um episódio de preconceito contra algum jogador devido a orientação sexual do mesmo. Infelizmente é comum em vários lugares do mundo torcedores agirem com preconceito – e muitas vezes serem extremamente agressivos – com vários atletas. Esses preconceitos acontecem por vários motivos, porém a raça e a orientação sexual são os mais presenciados. Tanto na Espanha quanto na Polônia, por exemplo, já houveram torcedores criminosos que lançaram bananas no campo para um jogador negro. O lateral brasileiro Dani Alves quando ainda atuava no Barcelona foi vítima desse tipo de ação. Em um jogo contra o Villarreal, no El Madrigal, um torcedor atirou em sua direção uma banana. O jogador a pegou do chão e comeu. Foi uma grande resposta ao torcedor que queria menospreza-lo.

Há duas semanas o Guarani – atualmente disputando a Série B – anunciou a contratação do polivalente volante Richarlyson. Porém, antes do anúncio oficial da diretoria Burgrina dois torcedores lançaram bombas em frente ao estádio do clube em forma de protesto contra a contratação do ex-jogador do Atlético Mineiro. O motivo da revolta dos torcedores era devido não aceitarem que um jogador homoafetivo vestisse a camisa do Guarani. Na cabeça desses torcedores não importa a qualidade do profissional que o seu clube estava contratando e sim a sua orientação sexual.

Isso é assustador. O que choca ainda mais é ver que quando o Boa Esporte anunciou a contratação do goleiro Bruno – que estava preso pelo assassinato da mãe de seu filho – muitos torcedores aplaudiram e o trataram como ídolo. Agora quando um jogador como o Richarlyson que tem um currículo incrível – o volante já conquistou o Campeonato Brasileiro, a Libertadores e o Mundial de Clubes – é anunciado alguns torcedores se enchem de ódio e o agridem. Vale ressaltar que a diretoria do clube e grande parte da torcida Bugrina apoiou a contratação do volante e recriminaram a atitude dos dois torcedores. É necessário que as torcidas de todos os clubes tenham consciência das suas atitudes e utilizem as suas influências para acabar com o preconceito.

Anúncio Publicitário
Torcida do Paysandu levanta a bandeira LGBT (comunicado no fim do texto) Fonte:  César Magalhães \ esportes.uol.com.br
Torcida do Paysandu levanta a bandeira LGBT (comunicado no fim do texto)
Fonte: César Magalhães \ esporte.uol.com.br

Se me perguntassem se eu contrataria o Richarlyson eu responderia que não. O jogador há muito tempo – desde de quando estava no Galo – não rende nem de perto o que já rendeu no São Paulo. O meia campista deixou o time de Minas Gerais há quatro anos. De lá para cá atuou por alguns clubes, inclusive deixou a carreira de jogador e iniciou sua trajetória no vôlei – porém não por muito tempo – e após essa aventura pelas quadras decidiu retornar aos gramados. O seu último clube foi o Goa da Índia, onde atuou no Campeonato Indiano 2016. No Goa Richarlyson foi treinado por Zico que avaliou como positiva a sua contratação pelo time de Campinas. Não sabemos como será o rendimento do volante no Guarani. Essa contratação é uma incógnita. O que é certo é que aquele jogador rápido, versátil e de boa saída de bola ficou para trás. Mas é claro que torço pelo seu sucesso.

É esse tipo de análise que deve-se fazer sobre um jogador. É isso que a torcida, os dirigentes e a imprensa devem observar. O Brasil é um país preconceituoso e enquanto isso existir deve ser debatido e combatido. Não podemos nos calar mediante a grandes agressões que podem até colocar a vítima em estado depressivo. O futebol é a paixão nacional e os clubes devem levantar a bandeira de fazer o esporte sem preconceitos. A CBF e as Federações de Futebol de cada estado podem começar a realizar campanhas junto com os clubes para que façam um trabalho de conscientização com os torcedores que frequentam os estádios. É necessário que todos adquiram a sabedoria de que ecoar cânticos homofóbicos nas arquibancadas não fará o futebol melhor e muito menos fará a sua equipe sair vitoriosa. Atitudes desse tipo apenas apodrecem mais nossa sociedade e vai muito além das quatro linha de um jogo de futebol.

 Foto de Capa: odia.ig.com.br