brasileirao

É complicado voltar depois de uma longa ausência. Há coisas que não se explicam. Falta de rotina não explicará tudo, com certeza. Mas a dor da recordação é do mais amargo que se pode ter. Sobretudo para quem tem de falar sobre o futebol brasileiro. Como diz o sábio ditado popular: “Hei, amigo, alguém tem de o fazer!”. E aqui estou eu. A começar uma nova etapa.

Quem deveria, igualmente, iniciar do zero era a Seleção Brasileira de futebol. É preciso uma reflexão profunda. Os treinadores brasileiros, outrora os mais atualizados e avançados, estão agora totalmente ultrapassados. O campeonato brasileiro está a entrar num marasmo. Os estádios estão às moscas (salvo raras exceções) e quando se pensava que este ia ser o ano da revolução no escrete, eis que a CBF, numa atitude infantil incrível, veio apostar no erro de voltar a contratar Dunga. Nada contra o antigo capitão e campeão do mundo, mas penso que a prestação de 2010 está bem fresca e patente na memória de todos nós.

Sem querer também entrar no campo já mais do que pisado Europa versus América do Sul, que, diga-se, leva a discussões tão disparatadas, esta seria a altura ideal para, pela primeira vez na história, o Brasil ter nos seus quadros um selecionador estrangeiro. Não viria mal ao mundo por isso. A equipa é jovem e de certeza que novos jogadores irão ser revelados nos próximos quatro anos. O fechamento do Brasil em torno de si próprio, tal como o os portugueses, um dia, também se fecharam no mare clausum, não está a resultar. A humilhante derrota para a Alemanha foi o culminar de uma série de erros crassos durante o Mundial, mas principalmente antes dele. E – aqui para nós – perder dois Mundiais em casa é duro.

Vamos ver o que o futuro reserva para a seleção com mais títulos de Campeã do mundo. O Brasil precisa urgentemente de seguir a marcha do progresso ao nível do treino e ao nível tático… ou então a insígnia de maior campeão do universo desaparecerá rapidamente; inexorável e sem deixar rasto.

Anúncio Publicitário