O técnico Tite convocou os 23 jogadores que disputarão os primeiros amistosos da Seleção Brasileira em 2019. O Brasil enfrentará o Panamá, no Porto, e a República Checa, em Praga. Os jogos servirão de preparação para a Copa América que será disputada no Brasil em junho e julho desse ano. Podemos considerar que o amistoso contra o Panamá será mais um que não acrescentará muita coisa para a seleção. A CBF arranjou mais um jogo contra uma seleção tecnicamente muito inferior e que não deverá criar resistência ou exigir muito do Brasil. Talvez o jogo valha mais pela festa em que o Estádio do Dragão se transformará, afinal muitos brasileiros vivem na Invicta e os próprios portugueses costumam prestigiar a seleção canarinha. Se analisarmos bem, nem o jogo contra a República Checa será de grande desafio para o Brasil.

Contudo os jogos estão marcados e a convocação está feita. Veja a lista dos convocados:

Goleiros: Alisson (Liverpool), Ederson (Manchester City) e Weverton (Palmeiras);

Defensores: Alex Sandro (Juventus), Daniel Alves (PSG), Danilo (Manchester City), Éder Militão (Porto); Filipe Luís (Atlético de Madrid), Marquinhos (PSG), Miranda (Inter de Milão) e Thiago Silva (PSG);

Meio-campistas: Allan (Napoli), Arthur (Barcelona), Casemiro (Real Madrid), Fabinho (Liverpool), Felipe Anderson (West Ham), Lucas Paquetá (Milan) e Philippe Coutinho (Barcelona);

Atacantes: Everton (Grêmio), Firmino (Liverpool), Gabriel Jesus (Manchester City), Richarlison (Everton) e Vinicius Junior (Real Madrid).

No gol as convocações de Alison e Ederson eram esperadas. O terceiro goleiro chamado foi Weverton que faz boa temporada no Palmeiras.

Nas laterais, se pensarmos em Copa América a convocação do Daniel Alves faz sentido, pois ainda é um jogador de qualidade. Porém, se considerarmos que o Brasil já deva começar a sua preparação para a Copa do Mundo de 2022 o jogador do PSG não deveria ser mais lembrado. Afinal, na Copa do Catar Dani Alves terá 39 anos e nem sabemos se ainda estará atuando. Ainda nas laterais faltou algo novo. O lateral do FC Porto, Alex Telles, há algum tempo pede passagem na seleção e encaixaria perfeitamente no lugar do Filipe Luís. Também não podemos ignorar a ausência do Marcelo que mesmo não vivendo a sua melhor fase, ainda é um jogador de extrema qualidade.

Na zaga a grande novidade é o excelente Éder Militão. O Portista é um zagueiro moderno e que tem uma ótima saída de bola. A princípio a zaga titular deve ser formada por Marquinhos e Thiago Silva. Mas Militão poderá virar protagonista na próxima Copa do Mundo. Para o lugar do Miranda quem deveria ter sido lembrado é o Dedé, do Cruzeiro. O cruzeirense vive melhor fase e merece uma chance na Seleção Brasileira.

Vinícius Júnior terá a sua primeira experiência na seleção principal do Brasil. A expectativa sobre o ex-jogador do Flamengo é alta.
Fonte: CBF

No meio campo a surpresa é Felipe Anderson do West Ham. O jogador faz uma bela Premier League e a convocação faz juz. Lucas Paquetá também terá a sua chance na seleção. O atleta recém-chegado ao Milan tem tudo para evoluir taticamente e isso lhe acrescentará muito. Pensando em um time titular, Paquetá pode jogar a frente do Arthur e do Casemiro. Talvez a única convocação contestável para o setor seja do Philippe Coutinho. Desde que chegou ao Barcelona o ex-atleta do Liverpool não se encontrou. O jogador foi contratado para fazer a linha de três do Barça com Suarez e Messi, mas vê o jovem francês Dembelé se sobressair e tomar o seu espaço. Não descarto o Coutinho em futuras convocações, mas nessa quem poderia ter tido uma chance é o atacante Dudu do Palmeiras. O palmeirense vem jogando muito bem e foi eleito o melhor jogador do último brasileirão. Porém, na seleção não vem tendo chances.

Mas é no ataque que vem a grande, e grata, novidade do Tite. A convocação do Vinícius Júnior é justa e pode mostrar a “nova cara” da seleção. Talvez o jogador do Real Madrid até divida as atenções com o Neymar. Vinícius Júnior vem demonstrando muita personalidade na Espanha. Com apenas 18 anos é titular da sua equipe e o jogador mais acionado em campo. De certa maneira assumiu a responsabilidade deixada pelo português Cristiano Ronaldo. Apesar que essa responsabilidade não deveria ser dele, afinal é muito jovem e acabou de chegar ao clube. Com essa idade ainda vai evoluir, essa evolução passa por decidir melhor como definir as jogadas e melhorar a sua finalização. Entretanto, o seu início de carreira é promissor e empolgante.

Agora vamos aguardar os amistosos para podermos avaliarmos como o “novo Brasil” após Copa do Mundo irá atuar. Ressalto que os adversários não darão muito parâmetro para uma análise mais profunda, mas de qualquer maneira poderemos observar algumas questões dentro de campo.

Foto de capa: CBF

 

Comentários