O Flamengo vive uma das maiores crises que já teve nesse século. Após o clube passar por anos de reformulação, o torcedor flamenguista esperava ver um Flamengo que fosse, finalmente, capaz de triunfar dentro de campo. Mas não é o que acontece.

Em 2012, o atual presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, venceu a eleição presidencial e tinha como a maior proposta organizar o clube, tanto na infraestrutura quanto na parte financeira. No primeiro triênio do seu mandato o clube foi, realmente, se estabilizando e se estruturando. No futebol, o Flamengo conquistou dois títulos no período, o Campeonato Carioca de 2014 e a Copa do Brasil de 2013.

Durante a campanha presidencial em 2015, Bandeira de Mello, que tentava a reeleição, tinha outro discurso. Uma vez que o clube já estava em melhores condições e a casa estava mais arrumada, agora a “bola da vez” seria o futebol. A torcida flamenguista ansiava por isso. Foi paciente quando precisou, mas agora estava focada nas grandes conquistas.

O presidente foi reeleito e como prometido os investimentos no futebol foram mais pesados. O goleiro Diego Alves, zagueiro Réver, o meia Diego e os atacantes Everton Ribeiro e Paolo Guerrero (esse contratado em 2015) são alguns dos grandes nomes que o Flamengo dispõe em seu plantel.

O meia Diego é uma das grandes estrelas do atual elenco do Flamengo. Porém, ainda não conseguiu levar o clube a uma grande conquista
Fonte: CR Flamengo

Além das grandes estrelas o plantel flamenguista é vasto em qualidade e praticamente todas as posições estão bem servidas. Então com o clube estruturado e com um plantel qualificado os títulos são certos, correto? Para o Flamengo, ainda, não. O futebol do Flamengo não encaixa. De 2015 até o momento a única conquista do clube carioca foi o campeonato estadual de 2017. Muito pouco para um clube da grandeza do Flamengo. O futebol apresentado pelo time é pobre. Assistir a um jogo do Flamengo hoje é ter certeza de verá um time sem brio.

E não somente na atual temporada. A eliminação na fase de grupos da Copa Libertadores da América e os vice-campeonatos da Copa do Brasil e da Copa Sul-Americana na última temporada demonstraram um time apático em decisões importantes. Jogadores sem brio, sem vontade, sem demonstrarem a qualidade técnica que tanto já usaram em suas carreiras. O Flamengo foi eliminado no Campeonato Carioca essa semana para o Botafogo e tratam isso como algo natural.

Não é natural. Flamengo e Botafogo sempre será um clássico, mas atualmente a diferença de elenco e de poderio financeiro entre os dois clubes é abissal. O Flamengo ainda jogava por um empate para chegar à final. Por sua vez o Botafogo foi sublime e mereceu a classificação, o clube da estrela solitária não tem nada a ver com o que se passa com o rival.

Para piorar a situação, além dos constantes insucessos no futebol, o clube vive uma grande crise em sua administração. Semana passada o diretor executivo Rodrigo Caetano e o treinador Paulo César Carpegiani foram demitidos. O presidente assumiu há algum tempo o futebol do Flamengo e tirou de rota o vice de futebol Ricardo Lomba que perdeu poder de gestão. Essa decisão do presidente flamenguista criou um mal-estar dentro do Flamengo e o grupo político SoFla, que apoia a atual diretoria, mas é ligada ao Ricardo Lomba, ameaçou romper com o presidente caso ele não dê autonomia ao vice de futebol para que o mesmo assuma o futebol no clube.

A crise está instalada e é preocupante. Nesse momento é necessária uma mudança de postura do atual presidente que já demonstrou em outras oportunidades não ter pulso para comandar o barco rubro negro, pelo menos o futebol. O time ainda pode mostrar resultados, pois tem qualidade. Mas é preciso que as arestas sejam aparadas o quanto antes. Caso isso não ocorra a temporada poderá ser só mais uma perdida pelo clube e o torcedor não tolerará isso.

Foto de Capa: CR Flamengo

Comentários