Cabeçalho Liga Brasileira

Emocionante. A edição do Brasileirão 2016 caminha para a reta final (faltam 10 jornadas) e tudo pode acontecer. Como se previa, de seis candidatos, passaram a quatro; e destes quatro, parece agora que apenas três terão possibilidades de lutar até final.

O (ainda) campeão em título, Corinthians, começou a perder terreno e desde a derrota em casa com o líder Palmeiras – um clássico paulistano de grande magnitude, o maior da cidade, talvez – e a partir daí seria óbvio que o título voaria para outras paragens. O Grémio também começou a perder terreno e vai caindo por ai abaixo. O Santos está na quarta posição, mas já algo longe do primeiro lugar (a nove pontos). Portanto, a luta será a três: Palmeiras, Flamengo e Atlético Mineiro. Vamos por partes.

O Palmeiras está a fazer uma bela campanha, sem dúvida. Não tem errado muito e apresenta apenas cinco derrotas no campeonato e com uma média de 68% dos jogos ganhos. O que é ótimo na Séria A Brasileira.

Já a nação flamenguista exaspera pelo Hepta; mas o “cheirinho” do sétimo título, como por brincadeira lhe chamam os torcedores do Flamengo, ficou agora um pouco mais longe; com o empate dos rubro-negros cariocas a zero, em S.Paulo, o Flamengo está a três pontos do Plameiras.

Anúncio Publicitário

Quem também não desiste da corrida é o Galo Mineiro. Uma equipa interessante, com Robinho e Fred, entre outros. Está a quatro pontos do líder e tem vencido muitos jogos, procurando o segundo título nacional, depois de ter ganho aquela que foi a sua única competição, na primeira edição do Campeonato Brasileiro, em 1971.

O Palmeiras continua firme, na frente Fonte: Guia do Boleiro
O Palmeiras continua firme, na frente
Fonte: Guia do Boleiro

Porém, há uma novidade que surgiu esta semana: a partir de agora não são apenas os quatro primeiros classificados a ir à Libertadores do ano seguinte. São seis. Portanto, se o campeonato acabasse agora, a Palmeiras, Flamengo, Atlético Mineiro e Santos, juntar-se-iam, ainda, o Fluminense e o Atlético Paranaense; por ordem do primeiro colocado ao sexto. Pessoalmente, concordo com esta medida. O Brasileirão, em comparação com outros campeonatos sul-americanos, é muito mais forte. Tem de ter mais vagas, pelo que parece justo. Já outros, dizem que será uma banalização daquilo a que chamam o G-4 (os quatro primeiros), lamentando que assim muitos clubes só jogarão para se classificar para a Libertadores, esquecendo o título. Posições.

Uma palavra para o Internacional de Porto Alegre, – treinado por Argel no início da época – que terá de dar o tudo por tudo para não cair de divisão. Algo que nunca aconteceu para o colorado. Tal como o Cruzeiro, que também pode estar em perigo de queda, embora não se encontre em zona de despromoção.