Conhecida pelo mundo todo por conta do desastre aéreo que deixou 71 vítimas na Colômbia em 2016, a Associação Chapecoense de Futebol se reconstruiu, se reinventou e se superou, mas atualmente vive um momento extremamente conturbado, tanto por conta das atuações pífias no Campeonato Brasileiro quanto pela pressão política vivida pelo Clube.

A equipe, embora com um jogo a menos, encontra-se na 18.ª posição no Campeonato, na zona de rebaixamento, com o 5.º pior ataque e a 4.ª pior defesa da competição. Foram 21 gols marcados contra 31 sofridos. A derrota em casa por 2 a 1 para o Palmeiras no último domingo (02) escancarou a fragilidade técnica presente no time da Chape, que acertou apenas três chutes ao gol em pouco mais de 95 minutos de jogo.

Mas não é somente em Campo que a Chapecoense vai mal, internamente o clube também passa por problemas sérios. O último reflexo disso foi o misterioso afastamento de um dos principais jogadores do grupo, o atacante Wellington Paulista. Questionado sobre o caso em diversas entrevistas, o treinador Guto Ferreira não explicitou o motivo da decisão.

Jogadores da Chape se reúnem durante o treino na Arena Condá
Fonte: Associação Chapecoense de Futebol

Como se já não bastassem os péssimos resultados no campeonato brasileiro e os problemas internos no clube, a torcida da Chape, conhecida por sua identificação quase incondicional pelo time, parece que perdeu a paciência com os jogadores. Durante o último jogo contra o Palmeiras muitas organizadas viraram de cabeça para baixo as faixas de incentivo ao time em forma de protesto. Alguns jogadores como o meia Marcio Araújo chegaram a ser vaiados em alguns momentos da partida. O número de torcedores no estádio também caiu. No último domingo o time de Santa Catarina teve o seu pior público no Campeonato Brasileiro, com apenas 4.546 pagantes.

Os próximos dois jogos da Chape na competição – fora de casa – serão fundamentais para a recuperação ou permanência na zona de rebaixamento. Os da próxima quarta-feira (05) a equipe visitará o Paraná, rival direto nas últimas colocações. No Sábado (08) a Chape jogará contra o Flamengo no Rio de Janeiro.

Anúncio Publicitário

Em situação difícil, a Chapecoense precisará reagir se quiser permanecer na série A do Campeonato Brasileiro. Os setores ofensivos e defensivos do time precisam de ajustes urgente e os jogadores têm que suprir com raça o que lhes falta em técnica. Somente assim o time poderá fazer as pazes com a torcida e sonhar em permanecer na elite do futebol brasileiro.

 

Foto de Capa: Associação Chapecoense de Futebol