A CRÓNICA: CLUB ATLÉTICO DE MADRID DERROTADO POR UM CHELSEA FC DOMINADOR

O jogo que se disputou em Bucareste, devido às restrições impostas nas ligações aéreas, terminou com a vitória do Chelsea FC por uma bola a zero, na primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões.

Desde o apito inicial, pudemos assistir a uma partida de intensidade extrema, marcada pelo domínio do Chelsea FC. Enquanto os “Blues” tentavam instalar-se no meio-campo adversário, impondo o seu ritmo de jogo, o Club Atlético de Madrid procurava aproveitar desatenções dos oponentes para lançar contra-ataques rápidos. O domínio da posse de bola pertenceu ao Chelsea, assim como o número de remates, mas a partida manteve-se empatada até o intervalo.

As duas equipas encaixaram-se taticamente no primeiro tempo, e consequentemente, proporcionaram poucas ocasiões de golo. O lance mais perigoso na primeira parte pertenceu a Werner, valendo ao Club Atlético de Madrid a atenção do guarda-redes Oblak.

Anúncio Publicitário

Nos segundos 45 minutos a intensidade manteve-se, proporcionado uma partida interessante e apelativa ao nível tático, apesar da escassez de golos. O Chelsea FC entrou com uma mentalidade bastante ofensiva, demonstrando vontade de vencer a partida. A formação londrina dominou o segundo tempo, e acabou por chegar à vantagem.

Ao minuto 68’ fez-se justiça no marcador, com o avançado francês Giroud a colocar a bola na baliza defendida por Oblak. Um belo momento de futebol, com o ponta de lança do Chelsea FC a executar um remate acrobático excecional, colocando os “Blues” na frente da eliminatória.

O Chelsea FC venceu de forma merecida, após um grande desempenho da equipa londrina em Bucareste, na “casa emprestada” ao Club Atlético de Madrid para esta partida. A segunda mão dos oitavos de final da competição irá disputar-se a 17 de março.

 

A FIGURA

Olivier Giroud – O ponta de lança internacional francês apontou o único golo da partida, colocando o Chelsea FC em vantagem para o segundo jogo da eliminatória. Giroud realizou uma partida esforçada, batalhando com a defensiva dos “Colchoneros”, e acabou por ser recompensado.

Para além da importância tática que teve neste encontro, marcou um dos melhores golos da prova até ao momento. Um pontapé de bicicleta espontâneo e exemplar, que não deu qualquer hipótese de defesa a Jan Oblak.

 

O FORA DE JOGO

Diego Simeone – A abordagem tática extremamente defensiva gerou um resultado negativo, tendo o efeito contrário ao pretendido inicialmente pelo técnico argentino. O objetivo seria obrigar o adversário a subir no terreno, expondo os “Blues” às rápidas e venenosas transições ofensivas do Club Atlético de Madrid.

O Chelsea FC conseguiu encontrar um antídoto para o estilo de jogo dos “Colchoneros”, e acabou por limitar o emblema espanhol, quer em termos ofensivos, como também defensivos.

 

ANÁLISE TÁTICA – CLUB ATLÉTICO DE MADRID

Os “Colchoneros” alinharam num dispositivo tático de 3-4-3. O Club Atlético de Madrid demonstrou-se muito consistente a impedir o jogo pelo corredor central na parte inicial da partida, defendendo com um bloco defensivo sólido. A formação de Madrid exerceu uma pressão intensa sobre o portador da bola do Chelsea FC, obrigando o adversário a subir rapidamente no terreno de jogo.

No processo ofensivo, procurava sair a jogar através de rápidas transições ofensivas, aproveitando a rapidez dos homens de ataque. Marcos Llorente ocupou a faixa direita, enquanto Lemar atuou pela ala esquerda, ambos responsáveis por defender as laterais, e também partir rapidamente no contra-ataque. O trio de ataque foi composto por Suárez, como principal referência ofensiva, e também Félix e Correa, com a missão de apoiar o jogo interior e abrir espaços nos corredores laterais para as incursões ofensivas de Llorente e Lemar.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Jan Oblak (7)

Stefan Savic (6)

Felipe (5)

Hermoso (5)

Marcos Llorente (5)

Koke (6)

Saúl Ñíguez (6)

Thomas Lemar (6)

Ángel Correa (6)

João Félix (5)

Luis Suárez (6)

SUBS UTILIZADOS

Moussa Dembelé (5)

Lucas Torreira (-)

Renan Lodi (5)

Vitolo (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – CHELSEA FC

A formação comandada por Thomas Tuchel apresentou-se num esquema tático de 3-4-2-1, procurando construir através dos três defesas centrais, apoiados pelos centro campistas Kovacic e Jorginho, que atuavam à sua frente no corredor central. Contrastando com o seu adversário, a equipa londrina privilegiou os passes curtos e a construção de jogo equilibrada.

Os alas Hudson-Odoi e Marcos Alonso garantiam largura nas laterais, permitindo a Mount e Werner atuarem mais perto do ponta de lança, Olivier Giroud. O Chelsea FC apostou no jogo interior e no domínio da posse de bola, de forma a controlar a partida.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Édouard Mendy (6)

César Azpilicueta (7)

Andreas Christensen (6)

Antonio Rudiger (6)

Callum Hudson-Odoi (6)

Jorginho (7)

Mateo Kovacic (6)

Marcos Alonso (6)

Mason Mount (7)

Timo Werner (6)

Olivier Giroud (7)

SUBS UTILIZADOS

N’Golo Kanté (5)

Hakim Ziyech (6)

Reece James (5)

Christian Pulisic (-)

Kai Havertz (-)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome