Numa partida com três portugueses em campo (Ronaldo de um lado, João Mário e Éder do outo), a Juventus confirmou o apuramento para os “oitavos” da Liga dos Campeões, tendo derrotado o Lokomotiv Moscovo com o golo decisivo a ser obtido em tempo de descontos.

Mas que início de jogo a todo o gás! A Juventus entrou melhor e foi totalmente eficaz na primeira ocasião de que dispôs. Num livre direto cobrado por Cristiano Ronaldo, uma bola aparentemente controlada por Guilherme deu lugar a um frango por parte do guardião russo e Ramsey tratou de confirmar o inevitável, inaugurando o marcador.

Anúncio Publicitário

A formação da casa não baixou os braços e chegaria ao empate ainda dentro do primeiro quarto de hora de jogo. A passe de Rybus, Aleksey Miranchuk viu o seu cabeceamento ser travado pelo poste mas, na recarga, revelou ter a astúcia suficiente para restabelecer a igualdade.

Seguiu-se uma espécie de “bola cá, bola lá”, com um Lokomotiv mais dinâmico e perigoso junto da baliza de Szczęsny, chegando a fazer tremer a defensiva italiana, nomeadamente nos processos de transição. E se é verdade que o número 59 dos russos esteve perto de bisar, também não deixa de ser verdade que Higuaín teve duas boas oportunidades de golo para recolocar o emblema de Turim na frente do marcador.

Defesa segura de Szczęsny numa altura em que a Juventus chegou a tremer
Fonte: Juventus FC

À semelhança dos primeiros 45 minutos, também a segunda parte arrancou com um livre cobrado por Cristiano Ronaldo que, apesar da distância, ainda deu trabalho a Guilherme. Mas não ficaria por aí… Pouco depois, o português voltou a pôr o guardião adversário à prova com um potente remate à entrada da área.

O futebol espetáculo ia dando lugar a alguma indefinição nos processos ofensivos das duas equipas. Ainda assim, era a equipa de Sarri a ter a iniciativa numa tentativa de passar novamente para a frente do marcador.

Foi preciso esperar pelo último quarto de hora para ver a formação de Yuri Semin a voltar a assustar a baliza adversária. Num lance em que Szczęsny saiu entre os postes, teve de ser Bonucci a impedir que o português João Mário carimbasse a reviravolta.

Já com Cristiano Ronaldo no banco – após ter sido substituído por Dybala -, a Juventus teve a felicidade de chegar ao triunfo, com um golo apontado ao cair do pano pelo recém-entrado Douglas Costa (após boa combinação com Higuaín).

O duelo foi marcado por algum equilíbrio e pode-se dizer que a formação de Turim teve a dita “estrelinha” para conseguir sorrir no final e garantir, assim, o apuramento para a próxima fase da Liga dos Campeões.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES:

Equipa A: Guilherme, Ignatyev, Howedes, Corluka, Rybus, Zhemaletdinov, Barinov, Krychowiak, João Mário (Kolomeytsev, 85’), Aleksey Miranchuk e Éder.

Equipa B: Szczęsny, Danilo, Bonucci, Rugani, Alex Sandro, Pjanic, Khedira (Douglas Costa, 69’), Rabiot, Ramsey (Bentancur, 64’), Higuaín e Cristiano Ronaldo (Dybala, 81’).