Anterior1 de 3Próximo

Já começa a tornar-se um hábito este duelo. Só nos últimos cinco anos, Juventus e Atlético defrontaram-se mais vezes do que em toda a História que está para trás. A equipa da casa venceu com algum sofrimento, graças a um fantástico golo de Dybala na cobrança de um livre direto, confirmando o primeiro lugar do grupo.

Foi uma primeira parte sem grande chama… De um lado, a posse e a construção italiana. Do outro, linhas espanholas mais baixas à procura do erro e na tentativa de jogar em contra-ataque.

A primeira ocasião de perigo apareceu fruto de uma boa combinação entre Ramsey e Dybala, com o argentino a rematar à figura de Oblak. A resposta dos colchoneros tardou, mas chegou em dose dupla, com duas tentativas de Saúl Ñíguez: primeiro num cabeceamento livre de marcação e a seguir obrigando Szczesny a uma defesa a dois tempos.

Ora, quando nada o fazia prever, eis que surge uma bola parada para a Juventus à beira do intervalo, junto à linha de fundo. E imagine-se, meus senhores, Paulo Dybala arranjou um ângulo inesperado e disparou para o primeiro e único golo da partida. Que golpe de magia a fechar o primeiro tempo!

Ramsey e Bentancur a discutir uma bola com Vitolo
Fonte: Juventus FC

No segundo tempo, a formação de Simeone entrou ligeiramente melhor que o adversário, ao ponto de Saúl Ñíguez ter voltado a dispor de uma nova oportunidade para marcar. João Félix foi a jogo e até se pode dizer que a partir daí o ritmo monótono da partida deu lugar a uma espécie de “bola cá, bola lá”. Ronaldo de um lado, Félix do outro.

Sucederam-se os contra-ataques da equipa de Madrid, graças à pressão ofensiva e à facilidade de recuperar a bola sempre que a formação de Sarri tentava construir o seu jogo. Sentia-se que podiam haver mexidas no marcador e Simeone esgotou as três substituições em dez minutos, na tentativa de aproveitar as facilidades concedidas.

É certo que o Atlético era a equipa com mais iniciativa em contrariar o rumo dos acontecimentos, mas a oportunidade mais flagrante do segundo tempo surgiu dos pés do recém-entrado Bernadeschi, com um remate à entrada da área a ser travado pelo poste.

Até ao final, o conjunto forasteiro foi tentando, na medida do possível, ameaçar a baliza de Szczesny (obrigando a Vecchia Signora a apostar no contra-ataque), mas sem qualquer resultado prático. A Juventus confirmou, assim, o primeiro lugar do grupo, ao passo que o Atlético – sem vencer fora de casa há seis jogos – necessitará de jogar a última jornada para carimbar a passagem aos oitavos da competição.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES:

Juventus FC: Szczesny, De Sciglio, Bonucci, De Ligt, Danilo, Pjanic, Bentancur (Khedira, 86’), Matuidi, Ramsey (Bernadeschi, 63’), Dybala (Higuain, 76’) e Cristiano Ronaldo.

Club Atlético de Madrid: Oblak, Lodi (Lemar, 64’), Felipe, Hermoso, Trippier, Saúl Ñíguez, Herrera (Correa, 60’), Thomas, Koke, Vitolo (João Félix, 54’) e Morata.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários