A CRÓNICA: GOLPE DE TEATRO

26 de feveiro de 2020, Santiago Bernabéu: eis o primeiro confronto entre Zinédine Zidane e Pep Guardiola na pele de treinadores, confronto esse que sorriu ao técnico espanhol na sequência do triunfo do Manchester City FC por 1-2 diante do Real Madrid CF (e com direito a remontada!).

Num jogo entre reis da tática, os citizens entraram com um bloco mais recuado perante a pressão ofensiva do adversário e até prescindiram da posse de bola nos primeiros minutos. Ainda assim, Gabriel Jesus foi o primeiro a estar perto de marcar, ao que os blancos responderam por intermédio de Benzema. Valeram os dois guardiães!

É certo que o City foi tendo mais bola e, da mesma maneira que terminou o primeiro tempo com uma grande oportunidade, também abriu o segundo com três remates de Mahrez, contudo, tal crescimento no jogo viria a resultar… no golo de Isco.

Os ingleses não baixaram os braços e, no último quarto de hora, viraram o jogo e a eliminatória: num espaço de cinco minutos, Gabriel Jesus empatou e De Bruyne carimbou a reviravolta na conversão de um penálti. O jogo não terminaria sem antes Sergio Ramos ser expulso e, agora, segue-se tarefa dificílima para os espanhóis na segunda mão.

 

A FIGURA
Fonte: Manchester City FC

Kevin De Bruyne – Não se pode dizer que tenha sido das unidades do City mais capazes de criar ocasiões flagrantes, mas protagonizou uma excelente exibição e cumpriu tudo o que lhe competia fazer. Encheu o meio-campo dos citizens, jogou e fez jogar e ainda foi chamado a converter a ocasião que carimbou a reviravolta dos ingleses no jogo e, consequentemente, na eliminatória. Um grande jogo do belga!

O FORA DE JOGO
Fonte: Real Madrid CF

Últimos 15 minutos do Real Madrid CF – Uma autêntica nódoa. Sabendo-se de antemão da importância que tinha terminar o jogo com a baliza a zeros, o Real – que até estava em vantagem – não soube fechar os caminhos para a baliza de Courtois e, nos últimos 15 minutos de jogo, acabaria mesmo por permitir que o adversário marcasse dois golos de rajada e complicasse a tarefa dos espanhóis para a segunda mão.

ANÁLISE TÁTICA – REAL MADRID CF

Zinédine Zidane optou por fazer mudanças no corredor esquerdo, comparativamente ao que foi a jogo diante do Levante, colocando Mendy e Vinicius Junior no “onze” e substituindo ainda Kroos por Valverde no meio-campo merengue. A jogar no já habitual 4-3-3, o Real Madrid entrou pressionante, numa fação mais autoritária taticamente falando. O golo surgiu precisamente quando os merengues se encontravam por baixo no encontro, mas os espanhóis nem essa vantagem conseguiram segurar…

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Thibaut Courtois (7)

Ferland Mendy (6)

Sergio Ramos (4)

Raphael Varane (6)

Daniel Carvajal (5)

Casemiro (6)

Luka Modric (6)

Federico Valverde (6)

Isco (7)

Vinícius Júnior (7)

Karim Benzema (6)

SUBS UTILIZADOS

Gareth Bale (5)

Lucas Vázquez (-)

Luka Jovic (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – MANCHESTER CITY FC

Pep Guardiola mudou duas peças na sua equipa, tendo lançado Gabriel Jesus para o lugar de Aguero e Otamendi para a vaga deixada por Fernandinho. Também a jogar no clássico 4-3-3, a equipa de Manchester desde cedo apresentou um bloco defensivo mais recuado do que o normal, dando a bola ao adversário e apostando nas transições. Um City com bola é claramente um City com futebol e as oportunidades foram surgindo naturalmente, quer antes do golo do adversário, quer depois… e isso foi crucial na reação dos ingleses às adversidades.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Ederson (7)

Benjamin Mendy (6)

Aymeric Laporte (5)

Nicolás Otamendi (6)

Kyle Walker (5)

Ílkay Gündogan (7)

Rodri (6)

Kevin De Bruyne (8)

Bernrdo Silva (5)

Riyad Mahrez (7)

Gabriel Jesus (8)

SUBS UTILIZADOS

Fernandinho (6)

Raheem Sterling (6)

Foto de Capa: UEFA

Artigo revisto por Diogo Teixeira

Comentários