Cabeçalho Futebol Internacional

No jogo mais esperado dos oitavos de final da Liga dos Campeões, defrontaram-se esta noite o Real Madrid e Paris Saint Germain FC. Tinha tudo para ser um espetáculo de futebol, esta noite, no Santiago Bernabéu, um duelo entre jogadores de classe mundial, autênticos “génios da bola”, eram cerca de mil milhões de euros em campo, a coisa prometia…

Promessa cumprida! Os apaixonados pelo futebol não saíram defraudados com esta prenda no Dia dos Namorados.

O jogo demorou a acelerar – tal só aconteceu quando as equipas se desencaixaram uma da outra – pelo que os primeiros 30 minutos da partida foram relativamente calmos e sem grandes motivos de história, merecendo apenas destaque um remate de Cristiano Ronaldo já dentro da área, que esbarrou com violência na cara do guardião dos parisienses, Alphonse Areola. Na resposta a este lance, e praticamente no primeiro momento de perigo, o PSG chega à vantagem por intermédio de Rabiot, que após um passe magistral de Neymar, inaugurou o marcador. Em desvantagem na eliminatória, o Real Madrid estava obrigado a remediar a situação e “assume por completo as despesas do jogo” no último quarto de hora da primeira parte, e acaba mesmo por colocar alguma justiça no resultado ao empatar a partida através da conversão de uma grande penalidade cometida por Giovani Lo Celso por Ronaldo.

No segundo tempo foi o PSG que começou mais pressionante, sendo, à hora de jogo, clara a ideia de que eram os franceses quem estava mais próximo de desfazer a igualdade fruto das oportunidades de Mbappe e Rabiot. De um momento para o outro, e favorecendo o espetáculo, a tendência inverte-se: é o Real Madrid que começa a tomar conta do jogo, a chegar mais vezes à frente (muito por força da entrada de Bale). O “assalto à liderança” já se adivinhava. A remontada veio a confirmar-se aos 83 minutos, novamente por Cristiano Ronaldo, que, num lance onde é notória a sua experiência e astúcia, consegue cheirar o golo e aproveita devidamente a bola que sobrara do guarda-redes adversário. A equipa de Paris acusou de tal forma o golo que acabou por consentir outro, desta feita por Marcelo através de um excelente remate.

Anúncio Publicitário

Não seria correto dizer, atendendo às equipas envolvidas, que a eliminatória está resolvida, mas a vida está claramente facilitada para os merengues porque com este resultado obrigará certamente, na segunda mão, a equipa do PSG a sair um pouco da sua zona de conforto, o que abrirá espaços para marcar golos, e com isso carimbar passaporte rumo aos quartos-final da Liga dos Campeões.