Cabeçalho Liga Espanhola

André Gomes é, por estes dias, um dos nomes menos consensuais no futebol europeu. Ainda que os seus treinadores da época passada – Luis Enrique e Fernando Santos – tenham confiado no médio português mesmo com as pressões exteriores para não utilizarem Gomes, os adeptos não hesitam em fazer do português a ovelha negra do Barça e da seleção das quinas. Mas o que terá acontecido para esta descredibilização?

Em primeiro lugar, importa perceber o que mudou. O médio mudou-se há um ano de Valencia para a Catalunha e, logo aí, a exigência aumentou. No Barça, o internacional português nunca se conseguiu impor verdadeiramente, apesar de ter acumulado 43 jogos e de ter marcado três golos.

Luis Enrique nunca abdicou dos seus serviços, chegando a relegar Ivan Rakitic para o banco de suplentes. Na Catalunha foram várias as vozes de protesto contra André Gomes, o que pode ter abalado a sua confiança.

André Gomes continua longe de ser um nome consensual Fonte: FC Barcelona
André Gomes continua longe de ser um nome consensual
Fonte: FC Barcelona

Na seleção nacional, a história é outra. Fernando Santos tem insistido na sua utilização nos corredores, principalmente o esquerdo, afastando-o da zona onde pode, realmente, mostrar todo o seu futebol. É notório que Gomes não se sente confortável na posição de interior esquerdo, condicionando muito o seu jogo. Aliado à falta de confiança que o internacional português pode estar a atravessar, é natural que o seu futebol não esteja a ser potencializado ao máximo.

André Gomes ainda é jovem, tem apenas 23 anos. Para já, a sua primeira temporada ao serviço dos culés não correu de feição e na seleção nacional também não tem tido um rendimento condizente com a sua qualidade.

Seja no Barcelona ou em outro clube – interessados, aparentemente, não faltam – o médio vai bem a tempo de voltar a exibir o nível que o fez ganhar notoriedade em Valencia e transferir-se para um dos melhores clubes do mundo.

Foto de Capa: FC Barcelona

Comentários