O Real Betis Balompié foi treinado por Quique Sétien entre 2017 e 2019. Sob a sua orientação técnica, a equipa andaluz conseguiu um sexto lugar na Liga em 17/18, a melhor classificação do clube em 13 anos. Na temporada seguinte, a equipa viria a ter uma grande quebra na recta final do campeonato, conseguindo apenas três vitórias nas últimas 11 jornadas, deixando o clube sevilhana no décimo lugar.

Esta sequência de maus resultados fez com que a contestação dos adeptos com Quique Sétien aumentasse significativamente, fazendo com que este saísse do clube pela porta pequena no final da época.

Apesar deste final, a marca que que o actual treinador do Barcelona deixou no Bétis foi bem vincada. O técnico de 61 anos fez com que a equipa andaluz aumentasse a qualidade de jogo para níveis que há muito não se via no Benito Villamarín, valorizando vários jogadores que viriam a ser vendidos por bons preços, tais como Fabián Ruiz, Pau López e Junior Firpo.

Para a sucessão de Sétien, seria escolhido Rubi, um dos treinadores em maior ascensão no futebol espanhol na época. O treinador de 50 anos tinha levado o SD Huesca a primeira divisão pela primeira vez na sua história e na época anterior, tinha levado o Espanyol ao sétimo lugar do campeonato, qualificando o clube para as competições europeias.

Anúncio Publicitário

Para além do mais, tinha potenciado jogadores como Borja Iglesias, Mario Hermoso, Marc Roca e Óscar Melendo, e lançou ainda alguns jovens da cantera, tais como Adrià Pedrosa, Lluis López, Alex López e Javi Purado.

Rubi era visto como um treinador que possuía uma filosofia de jogo assente na posse de bola, mas menos radical que a filosofia imposta por Sétien. De maneira que esta seria aposta que tinha todas as condições para dar continuidade ao bom trabalho que vinha a ser realizado.

No entanto, não foi esse o cenário que se verificou. Apesar de ter sido feita uma boa abordagem ao mercado de transferências, Rubi nunca foi capaz de implementar as suas ideias no Betis, somando mais resultados que viriam a culminar no seu despedimento após a 30ª jornada, no terceiro jogo após a retomada do campeonato.

A defesa foi o sector com mais falhas, com a equipa andaluz a somar actualmente 56 golos sofridos, sendo a terceira pior defesa do campeonato. Para além dos resultados, o desempenho doe alguns jogadores também tem deixado a desejar.

O avançado Borja Iglesias, que acompanhou Rubi na mudança para Sevilha, tem sido um dos maiores flops da temporada com apenas três golos marcados, depois de ter sido uma das revelações da época passada ao serviço do clube catalão. Jogadores que transitaram da época anterior como William Carvalho, Andrés Guardado e Cristian Tello também tiveram quebras no rendimento.

Mas nem tudo é mau para o Betis. Com 38 anos, Joaquín é o capitão e a principal figura da equipa dentro de campo. Sergio Canales é o principal elo de ligação entre o meio campo e o ataque e tem sido dos melhores jogadores da equipa. E o lateral-direito Emerson tem sido uma das revelações do campeonato, tendo uma participação activa na manobra ofensiva da equipa.


Apesar de tudo, um clube que tem no seu plantel jogadores como Marc Bartra, William Carvalho, Sergio Canales, Diego Lainez, Carles Aleñà e Nabil Fékir, tem a obrigação de obter uma melhor classificação do que o 13º lugar que ocupa actualmente, com duas jornadas por disputar.

No que resta da época, o clube é interinamente orientado por Aleis Trujillo, tendo já anunciado Manuel Pellegrini como o treinador para a próxima temporada. Apesar das mais recentes experiências não terem corrido bem ao treinador chileno, o treinador de 66 tem um vasto conhecimento do futebol espanhol, tendo já feito trabalhos notáveis em clubes com a mesma dimensão como o Villarreal e o Málaga.

Num clube que atravessa neste momento uma crise de identidade, um treinador experiente e conhecedor do campeonato pode muito bem demonstrar a capacidade necessária para arrumar a casa colocar a equipa num lugar mais realista face à qualidade individual que o plantel apresenta. De maneira que esta, me parece ser uma aposta acertada para reerguer o clube.