O RC Celta de Vigo atravessa tempos complicados e a derrota no passado fim-de-semana frente ao Getafe (0-1) foi a gota de água na panela de pressão que era o Estádio Balaídos, tendo como consequência imediata a demissão do treinador Fran Escribá do comando técnico do clube. O espanhol, que chegou ao comando técnico dos Célticos em março deste ano para substituir Miguel Cardoso, não resistiu à quarta derrota consecutiva da época e deixou o clube da região da Galiza em zona de despromoção.

Neste momento, o Celta é o pior ataque da competição, a par de RCD Espanyol e CD Leganés, enquanto que a nível defensivo o registo não é tão negativo como se pode pensar, em termos comparativos, uma vez que há oito equipas que já sofreram mais golos que o Celta na La Liga 2019/20. Por isso, não se trata tanto de a equipa sofrer muitos golos, mas sim de marcar muito poucos. Se em casa o clube do norte de Espanha já triunfou por duas vezes, frente a Athletic Bilbao e Valência CF, fora de portas ainda não conseguiu qualquer vitória e apenas amealhou dois pontos em seis jogos.

Os lugares acima da linha de água estão perto e ainda só estamos no primeiro terço de campeonato mas a equipa da região da Galiza precisa de subir o nível do seu jogo, desbloquear a veia goleadora do seu ataque e começar a ganhar jogos. A expetativa era grande no início da época, principalmente com a contratação de nomes de peso como Denis Suarez, Santi Mina e Rafinha, mas neste momento maior é a desilusão com o que a equipa tem feito até agora.

O Celta marcou apenas seis golos na La Liga até ao momento
Fonte: RC Celta de Vigo

Os meios de comunicação em Espanha avançaram alguns nomes para substituir Fran Escribá, casos de Javi Gracia, técnico que começou a época no Watford de Inglaterra mas foi despedido no início de Setembro, Óscar García, descrito como um dos discípulos de Cruyff e que treinou os escalões de formação do FC Barcelona, e Santiago Solari.

No mesmo dia em que anunciou a saída de Fran Escribá, a direção do Celta de Vigo pôs fim à especulação e comunicou a contratação de Óscar García. O treinador de 46 anos é o quarto “discípulo” de Cruyff a treinar o Celta de Vigo no mandato de Carlos Mouriño, depois de Hristo Stoichkov, Eusebio Sacristán, Luis Enrique e Juan Carlos Unzué, tendo agora a difícil missão de retirar os Célticos dos lugares de despromoção e assegurar a permanência na La Liga.

Óscar García tem assim a sua primeira oportunidade no principal escalão do futebol espanhol, depois de ter treinado as camadas jovens do FC Barcelona e a Seleção da Catalunha. Fora do seu país, o técnico espanhol acumulou passagens por Maccabi Tel Aviv, Brighton & Hove Albion, Watford, Red Bull Salzburg, Saint-Etiénne e Olympiacos.

Adepto de um futebol de posse e proeminentemente atacante, o novo técnico dos Célticos irá estrear-se no sábado frente ao FC Barcelona, em Camp Nou, uma estreia que poucos desejariam mas que poderá ser um amuleto para um treinador que sabe bem o que é ganhar nesse estádio.

Foto de Capa: RC Celta de Vigo

Comentários