internacional cabeçalho

Foram duas equipas ainda à procura de ritmo competitivo aquelas que se apresentaram em Melbourne, na Austrália, num estádio de 100 mil lugares que se encontrava quase lotado. Para o Real Madrid foi o jogo de estreia da pré-época. Já a AS Roma fez a sua segunda partida de preparação. Foi, contudo, a estreia de espanhóis e italianos na edição 2015 da Internacional Champions Cup, onde o Benfica também participa.

O Real começou em 4-4-2, com Ronaldo e Bale na frente de ataque. Benítez começa assim a reformular a equipa pela base, já que os merengues alinhavam maioritariamente em 4-3-3, tanto sob comando de Mourinho como sob a liderança de Carlo Ancelotti, embora o treinador italiano tenha utilizado o sistema de dois avançados em alguns jogos da época passada.

Na primeira parte, sinal mais para a AS Roma. Os italianos mostraram segurança no passe, grande disponibilidade ofensiva, rapidez. Rudi Garcia tem beneficiado, ao longo dos dois anos em que comanda a equipa, de uma estabilidade no plantel, que se revela crucial a cada começo de época. A equipa vem das férias com a ideia de jogo do ano anterior, salvo um ou outro ajuste, já tem os processos interiorizados e, assim, tudo se torna mais fácil.

Já no Real, a realidade é outra. Uma mudança de treinador traz quase sempre ideias de jogo novas, métodos de treino diferentes. Benítez é o primeiro espanhol a treinar o Real desde 2009. A fornada de estrelas em ascensão que chegaram serão peças importantes mas tudo indica que o núcleo duro da equipa transite da época passada.

Depois da saída de Casillas, Keylor Navas deve assumir a baliza merengue Fonte: Facebook do Real Madrid
Depois da saída de Casillas, Keylor Navas deve assumir a baliza merengue
Fonte: Facebook do Real Madrid

As mudanças no onze merengue começam desde logo pela baliza. Com a inesperada saída de Casillas para o FC Porto, Keylor Navas deve assumir a titularidade. Fez duas grandes defesas no jogo de hoje e embora não tenha a dimensão de Casillas, é um nome que não levanta grande contestação junto dos adeptos. Deverá estar em vantagem sobre a mais recente contratação do Real para a baliza, o ex-Espanhol Kiko Casilla, que não embarcou com a equipa por ainda estar a fazer exames médicos em Espanha mas que muitos apontam ser mais um promissor jovem guarda-redes espanhol. Sendo assim, Florentino Pérez parece ter desistido de De Gea.

Na defesa, e agora que a possibilidade de Sergio Ramos se transferir para Manchester se tornou mais remota (Benítez já lhe terá dito que conta com ele), a dúvida parece estar essencialmente no outro central. Ainda não se percebe vai ser Pepe ou Varane a ocupar esse lugar. Se por um lado, com 32 anos, Pepe acumula mais experiência e ainda mantém as qualidades que o caracterizam (bom jogo aéreo, instinto goleador, vantagem no confronto físico), também é verdade que o francês é dez anos mais novo, reúne igualmente esses atributos e junta-lhe outro, essencial num central moderno, a rapidez (que já vai faltando ao português). Terá ainda uma larga margem de progressão.

No lado esquerdo, não se vislumbra ninguém capaz de competir com Marcelo. Agora que Fábio Coentrão nem sequer embarcou com a equipa (está lesionado na coxa e só deverá voltar em Agosto), a concorrência ao lugar do brasileiro fica a cargo de Nacho. É um promissor defesa espanhol, promovido à equipa principal por Mourinho, que também pode jogar no eixo defensivo. Já não é um menino, tem 25 anos e nunca saiu do Real, onde foi formado. Pela qualidade, merecia jogar com mais regularidade e, por isso, sair por empréstimo por uma época poderia ser uma boa solução.

Mais concorrido parece ser a ala direita da defesa. No jogo de hoje, a titularidade foi entregue a Carvajal mas nada garante que Benítez mantenha a escolha. O espanhol tem exibições relativamente constantes, mas arrisca demais no ataque, o que acaba por descompensar a equipa e lhe dificulta as tarefas defensivas. A contratação de Danilo por mais de 30 milhões tem de querer dizer algo. Não significa que o brasileiro tenha a passadeira estendida até ao onze inicial mas, se se adaptar depressa e bem e assimilar as ideias do treinador, tem todas as condições para ficar com o lugar. Arbeloa já dificilmente entrará na luta.

Carvajal e Danilo vão lutar pelo lugar de defesa direito Fonte: Facebook do Real Madrid
Carvajal e Danilo vão lutar pelo lugar de defesa direito
Fonte: Facebook do Real Madrid

No meio-campo, antevê-se uma disputa renhida, principalmente pelo lugar de médio defensivo. O regresso de Casimiro, que tinha sido emprestado ao FC Porto, e a contratação do também brasileiro Lucas Silva acrescentam qualidade à equipa. Casimiro é um 6 possante, com um bom sentido posicional mas que ainda não terá capacidade para competir com Illarramendi pelo lugar. O espanhol ex-Real Sociedad fez praticamente todos os jogos na Liga o ano passado e partirá em vantagem.

Mantendo-se a aposta de Benítez no 4-4-2, o lugar de extremo esquerdo deve ser de Jesé Rodriguez, como aconteceu no jogo deste sábado. O espanhol pode atuar em qualquer das alas por causa da sua polivalência, é forte no um para um e tem um remate potente e instantâneo. Vai ter a concorrência de um russo, Denis Cheryshev, resgatado ao Villareal.

Quanto à posição mais avançada do meio campo, Isco e Kroos são as opções mas não é de afastar a hipótese de jogarem em simultâneo, como aconteceu em mais de 50 jogos na última temporada.  O menino norueguês Martin Odeggard foi hoje utilizado de início mas os seus 16 anos não lhe devem permitir um lugar no plantel. Tem de ganhar volume físico, noções táticas e tudo o resto antes disso. Depois, restarão 3 lugares para 4 estrelas. Uma terá de ficar de fora ou não necessariamente. Vejamos: no jogo diante da AS Roma, Benítez não tinha James Rodriguez (está ainda de férias por ter estado ao serviço da Colômbia na Copa América). Optou por deixar Benzema no banco (um erro na minha opinião) e colocar Ronaldo e Bale na frente. Se eu estivesse no lugar do técnico espanhol, colocaria Ronaldo e Benzema como a dupla atacante. E Bale a extremo direito, por ser a posição onde o galês mais rende. James ficaria de fora. Era a estrela sacrificada. É sempre difícil fazer escolhas destas.

Por falta de espaço, fica por analisar ao pormenor a AS Roma, que, pelo que demonstrou neste jogo, tem nesta época condições para não se ficar pelo já habitual segundo lugar da Série A e lutar pelo título com a Juve até ao fim. A partida terminou empatada a 0 e foi sempre marcada pelo equilíbrio, tendo a formação romana ganho nos penáltis por 7-6. O melhor em campo foi Gervinho. O costa marfinense continua, aos 28 anos, a ser rei e senhor do drible, finta e tudo o que mais possa baralhar o adversário. Rápido, determinado, tecnicista, merecia mais troféus no currículo (tem apenas uma liga francesa). Destaque ainda para a qualidade e classe que Totti ainda sustenta, à beira dos 39 anos, e para a promessa que é o médio ofensivo belga Nainggolan.

Foto de capa: Facebook do Real Madrid

Comentários