cab la liga espanha

As primeiras 10 jornadas da Liga Espanhola têm, de facto, confirmado o estatuto de Manuel Agudo Durán, conhecido no mundo do futebol por Nolito, como um dos valores mais elevados do momento no futebol espanhol. O extremo de 29 anos tem sido peça fulcral no excelente início de época do Celta de Vigo, que ocupa o terceiro lugar da tabela classificativa, apenas a três pontos dos líderes Real Madrid e Barcelona. Com 10 partidas disputadas no campeonato, Nolito soma sete golos e quatro assistências, dados que despertam a cobiça dos “tubarões” do futebol europeu, como o Barcelona, clube pelo qual já passou, e o Chelsea, entre outros.

Como aconteceu com vários outros jogadores que atuaram na equipa B do Barcelona na esperança de um dia chegarem ao palco principal, o Camp Nou, e permanecerem ativamente no plantel principal, Nolito, ao não conseguir tornar-se regular nas principais escolhas da equipa, viu-se ”forçado” a sair dos catalães, de modo a dar um novo rumo à carreira. O seu destino passou pelo Benfica, ao qual chegou no verão de 2011 e onde cedo causou impacto nas águias: o extremo escreveu uma página na história do clube, ao marcar nos primeiros cinco jogos oficiais na época de estreia, igualando, assim, um feito outrora protagonizado pelo mítico Eusébio.

Após uma primeira temporada de elevado rendimento, deixou de ser aposta regular na equipa encarnada, o que levou a um regresso ao futebol espanhol, primeiramente a título de empréstimo, ao Granada, e depois em definitivo para o Celta de Vigo. Nolito foi, sem dúvida, um dos jogadores mais subvalorizados a pisar os relvados portugueses, pois pela qualidade e futebol que demonstrou merecia maior crédito do que aquele que lhe foi atribuído.

aa
10 jogos, sete golos e quatro assistências: é este o saldo de Nolito esta época
Fonte: Facebook do Celta

Em Vigo voltou a reencontrar o seu melhor futebol e tem protagonizado um trajeto ascendente no que concerne tanto ao nível pessoal como coletivo, facto que as suas estatísticas comprovam de forma precisa. Em 2013/14, época na qual o Celta fez o seu regresso à metade cimeira da tabela classificativa e alcançou o nono posto da Liga Espanhola, apontou 14 golos e fez duas assistências. Na temporada transata marcou 13 golos e deu outros tantos a marcar, demonstrando, assim, uma tremenda melhoria no que diz respeito ao capítulo do último passe, o que ajudou bastante a consolidar a oitava posição da equipa do Balaídos no campeonato.

Nolito é o jogador do momento no futebol espanhol e tem realizado muito para obter esse estatuto, pois tem encantado os relvados por onde passa e nesta época já teve o Barcelona, Real Madrid, Villarreal e Sevilha como vítimas da sua finalização e capacidade de levantar estádios através de jogadas de encher as medidas dos adeptos e de golos de belo efeito. O extremo espanhol faz da velocidade, do drible e da aptidão em jogadas de 1×1 as suas principais armas, a juntar a uma excelente capacidade finalizadora. Ainda assim, é um jogador de equipa, que, para além de marcar, também cria muitas oportunidades de golo e tem um papel capital no processo defensivo do esquema de Eduardo Berizzo, através de uma pressão constante sobre o portador da bola, aliada à agressividade e capacidade de resistência que já denotava aquando da sua passagem por Portugal.

Nolito já conseguiu ser internacional pela seleção espanhola, algo há muito desejado e, tendo em conta que os espanhóis estão a perder terreno para outros países em termos recentes, pode vir a afirmar-se como um dos maiores trunfos de Vicente del Bosque para o ataque ao Europeu de 2016. Se mantiver esta ascensão e continuar com os índices que tem exibido no decorrer desta época certamente marcará presença em França e num futuro próximo poderá finalmente estar a representar um dos “tubarões” do futebol europeu.

Foto de Capa: Facebook do Celta 

Comentários

Artigo anteriorUm Sporting de Todos
Próximo artigoCom a faca e o queijo na mão
O Fernando Gamito é um estudante de comunicação e apaixonado pelo futebol, seja a praticar ou a discuti-lo fora das “quatro linhas”, o que o faz apostar num futuro no jornalismo. Ler jornais desportivos e jogar Football Manager são outras das suas principais preferências. Em Portugal, o seu coração bate pelo Sport Lisboa e Benfica. Lá fora, torce por Barcelona e Chelsea.                                                                                                                                                 O Fernando escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.