internacional cabeçalho

“Me voy habiendo hecho grandes amigos” – foi assim que Quique Setién se despediu do Club Deportivo Lugo, equipa que representou e transformou por completo nos últimos seis anos.

Por detrás das muralhas romanas da cidade de Lugo, respira uma equipa que desde 2009 a esta parte conheceu as mais profundas mudanças pela mão de Quique Setién, um dos mais enigmáticos e talentosos treinadores do futebol espanhol na actualidade. Natural de Santander, na Cantábria, Quique viveu uma carreira recheada de altos e baixos, enquanto jogador profissional, mas ainda assim bastante prolífica. Foi ao serviço do histórico Racing de Santander, em duas ocasiões distintas, que o talentoso médio espanhol mostrou todos os seus atributos. A sua qualidade como organizador de jogo não só lhe valeu a alcunha de El Maestro entre os fervorosos adeptos Racinguistas, como também lhe valeu um bom contrato com o Atlético Madrid e uma presença no Mundial do México de 1986 ao serviço da selecção espanhola, ainda que não tenha jogado um único minuto.

A sua passagem pelos Colchoneros também não foi pacifica, dada a mais que previsível incompatibilidade com o presidente da equipa, o sempre polémico Jesús Gil y Gil. O histórico presidente madrileno acusou Quique de levar uma vida boémia fora do terreno de jogo e tratou de lhe fazer a vida difícil durante a estadia do talentoso médio no Vicente Calderón. Em 1988, Quique Setién abandonou, sem surpresa, o Atlético Madrid para primeiro se juntar ao Logroñés (onde conseguiu quatro épocas de bom nível) e para mais tarde voltar ao seu querido Racing de Santander. Esta segunda passagem de Quique pela Cantábria coincidiu com o momento de ouro da história dos racinguistas, durante a qual, ao lado de jogadores como Dmitri Radchenko, o seu amigo Dmitri Popov e Pablo Alfaro, derrotou de forma contundente o Barcelona (5-0) e o Real Madrid (3-1) no emblemático El Sardinero.
Depois de quase 600 jogos oficiais e de uma carreira repleta de histórias para contar, o eloquente Quique Setién decidiu pendurar as botas em 1996, após uma breve passagem pelo Levante UD.

Quique Setién – El Maestro da Cantábria  Fonte: Todo Colecion
Quique Setién – El Maestro da Cantábria
Fonte: Todo Colecion

Quique sentia a necessidade de continuar ligado ao futebol e começar uma carreira como treinador foi a melhor forma que encontrou para continuar com esta paixão. Em 2001, Quique estreou-se como treinador da sua equipa de sempre, o Racing de Santander, mas, durante oito anos consecutivos, este pensador do futebol nascido na Cantábria não encontrou em nenhuma das equipas que representou (e foram várias) a estabilidade necessária e o apoio, por parte das respectivas direções, às suas ideias e à sua forma de estar no futebol.

Em 2009, no entanto, tudo mudou para Quique Setién. Após uma breve passagem pelo Logroñés, Quique assumiu o comando do CD Lugo e mudou a história deste clube galego para sempre. No seu terceiro ano ao serviço dos Albivermellos, Quique conseguiu trazer a equipa de volta aos campeonatos profissionais (Liga Adelante) e aí a manteve até ao momento da sua partida no início deste mês.

“El Flaco”, como era também conhecido nos seus tempos de jogador, criou um novo paradigma futebolístico no Anxo Carro, o pequeno estádio onde o CD Lugo joga em casa. Quique Setién abriu as portas ao futebol romântico (aquele que, por vezes, achamos só existir nos grandes clubes onde coabitam as super estrelas da modalidade) num clube modesto, mas com as contas em dia, mostrando assim a uma nação inteira que é possível jogar bom futebol com parcos recursos. Quique é um adepto confesso do futebol de passe curto, da posse de bola efectiva e, acima de tudo é um apologista do jogar bem, jogar sempre bem e nunca do ganhar a qualquer custo. Com Quique, não existe o pontapé para o ar, o jogar à toa aguardando que um alívio da defesa se converta numa jogada perigosa de contra-ataque. Para Quique Setíen, o futebol não é isso, como ele próprio já fez questão de mencionar em diversas entrevistas: “Tenemos un compromiso real con eso que todo el mundo entiende como fútbol vistoso y capacidad para someter al rival en su campo. Siempre jugaré así. No estoy de acuerdo con que el entrenador se tenga que adaptar a los jugadores. Hubo una época en que lo pensaba, pero porque no entendía el fútbol. Me gusta el orden, es fundamental. Desde niño juego al ajedrez y la conexión es similar, las piezas se protegen y se conectan para atacar y defender. Y es vital dominar el centro del tablero.”

Quique “El Flaco” Setién – O homem que mudou o CD Lugo para sempre Fonte: Página Lugo
Quique “El Flaco” Setién – O homem que mudou o CD Lugo para sempre
Fonte: Página Lugo

O CD Lugo foi a equipa que mais passes completou durante esta temporada na Liga Adelante. 21017 passes em 42 jogos é um número absolutamente impressionante e é, ao mesmo tempo, a prova de em como quer o técnico, quer a sua equipa não abandonaram, em momento algum, a sua forma de abordar os jogos, fosse qual fosse o adversário. Os médios do CD Lugo, Fernando Seoane e Carlos Pita, foram os jogadores que mais passes completeram na Liga Adelante esta temporada, tendo cada um deles uma média de 65 passes por jogo.

De acordo com aqueles que com ele trabalham de forma mais directa, Quique Setíen é muito mais que um mero treinador. “El Flaco” é um líder, um ombro amigo para os jogadores e um verdadeiro ídolo entre os adeptos, que chegaram, não poucas vezes, a compará-lo a Sir Alex Ferguson. Quique tem uma filosofia de vida onde não há muito espaço para o superficial e supérfluo (…”Ya tengo un coche que me trae y me lleva y una casa donde vivir…”) e encontra no futebol a forma de desfrutar da vida de uma forma cada vez menos usual nos dias de hoje (“…Aspiro a estar a gusto. Para eso necesito sentirme muy amigo de mis futbolistas y del club que defiendo, percibir el cariño y ofrecerlo. Soy muy emocional y de convicciones y por eso estoy tan bien en Lugo. ¿Que me critican? Porque digo lo que no se espera de un entrenador o de un rival…”).

É justo dizer-se que Quique Setién não inventou nada que Victor Maslov, Konstantin Beskov, Rinus Michels e até mesmo Pep Guardiola não tivessem já posto em prática no passado mais ou menos recente, mas não podemos deixar  de salientar a coragem de um homem que ama e acredita naquilo que faz e, com uma intensidade tal, que fez do Anxo Carro o teatro dos sonhos da Liga Adelante.

Comentários