A CRÓNICA: PRESSÃO DOS ÚLTIMOS MINUTOS BASTOU PARA VIRAR RESULTADO 

O Real Madrid estava obrigado a ganhar ao Villarreal para acalentar esperanças na conquista do campeonato. No entanto, a pressão pareceu apoderar-se dos jogadores madrilenos na primeira parte.

Nos primeiros minutos, o jogo esteve muito apagado e apenas animou com o golo do Villarreal. A partir daí, a equipa treinada por Zinedine Zidane conseguiu ficar mais próxima da baliza adversária, mas sem criar situações de perigo.

Anúncio Publicitário

Na segunda parte, o Real Madrid veio com uma atitude diferente. Os madrilenos construíram mais lances de perigo, em especial na última meia hora, com algumas substituições efetuadas. Apesar dos anfitriões terem um golo anulado pelo VAR, a pontaria à baliza de Rulli é que não era a melhor.

Só aos 87 minutos, Benzema, oportuno no centro da grande área conseguiu empatar a partida. Rodrygo fez a assistência. Já nos descontos, o internacional francês esteve do outro lado, ao fazer o passe para Modric fuzilar a baliza do Villarreal.

A vitória acabou por não chegar para ganhar o campeonato (o Atlético também venceu), mas o Real cumpriu. Contudo, a equipa de Modric só fez por merecer o resultado no segundo tempo.

 

A FIGURA

Karim Benzema – Na maior parte do jogo, pode ter estado bastante apagado. No entanto, o francês conseguiu nos minutos finais da partida ser decisivo nos dois golos do conjunto blanco. Fez o que se pede a um avançado e mostrou o que pode fazer no Euro 2020, no seu regresso à Seleção Francesa

O FORA DE JOGO

Primeira parte do Real Madrid – Bastante apagada no primeiro tempo, a equipa madrilena não parecia que ainda tinha hipóteses para alcançar o título. Sem oportunidades de perigo, os blancos saíram para o intervalo a perder. Zidane deve ter dado um puxão de orelhas aos jogadores ao intervalo.

 

ANÁLISE TÁTICA – REAL MADRID CF

O Real Madrid CF de Zidane manteve o esquema habitual, 4-3-3. Com o trio ofensivo composto por Vinícius Júnior, Fede Valverde e Benzema, o treinador francês procurou ter mobilidade e versatilidade no ataque. Rodrygo foi chamado para a última meia hora, para o lugar do seu compatriota, e conseguiu ressuscitar o dinamismo na criação de oportunidades. Na defesa, Varane voltou para o onze ao lado de Éder Militão.

Com a equipa a precisar desesperadamente de marcar, Zidane arriscou e apostou numa defesa a três, com Nacho Fernández a juntar-se à dupla de centrais titulares. Nos corredores, os laterais passaram a funcionar como alas, com Marcelo a entrar já perto dos últimos 20 minutos da partida.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Thibaut Courtois (6)

Odriozola (6)

Varane (6)

Éder Militão (6)

Miguel Gutiérrez (6)

Casemiro (6)

Luka Modric (7)

Fede Valverde (7)

Marco Asensio (6)

Vinícius Júnior (6)

Karim Benzema (8)

SUBS UTILIZADOS

Rodrygo (7)

Isco (6)

Mariano Díaz (6)

Nacho Fernández (6)

Marcelo (6)

 

ANÁLISE TÁTICA – VILLARREAL CF

Unai Emery apostou num 4-4-2, com Bacca e Moreno na frente de ataque. Trigueros e especialmente Pino tentaram dar largura ao ataque dos forasteiros. Capoue era o elemento mais recuado do meio campo, dando espaço para Dani Parejo ajudar no movimento ofensivo, quando a equipa tinha a posse de bola.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Rulli (6)

Mario Gaspar (6)

Albiol (6)

Pau Torres (6)

Alfonso Pedraza (6)

Capoue (6)

Parejo (7)

Manu Trigueros (7)

Bacca (6)

Yéremy Pino (8)

Gerard Moreno (6)

SUBS UTILIZADOS

Ruben Peña (6)

 Coquelin (6)

 Dani Raba (-)

 Paco Alcácer (-)

Moi Gómez (-)

Artigo revisto por Joana Mendes

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome