A CRÓNICA: A REGULARIDADE IMPLACÁVEL

O Real Madrid CF entrou em campo para defrontar o Villarreal CF a saber que, mesmo perdendo, podia garantir os festejos do título espanhol, desde que o Barcelona não vencesse. Isso até aconteceu, mas a formação de Madrid empenhou-se em chegar à décima vitória consecutiva no pós-pandemia e, com isso, conquistar o 34.º campeonato espanhol da História.

Desde cedo se percebeu que seriam os merengues a tomar a iniciativa do jogo, perante um submarino amarelo com mais cautelas defensivas, mas sempre com o olho na baliza contrária. Numa primeira parte com oportunidades para Carvajal e Modric, seria mesmo Benzema a inaugurar o marcador à passagem da meia hora de jogo e a justificar a vantagem obtida.

O segundo tempo trouxe um ritmo de jogo mais calmo, mas nem por isso os blancos deixaram de procurar o segundo golo para dar uma maior tranquilidade à equipa de Zidane. E assim foi… Sergio Ramos fez de avançado, conquistou um penálti que se encarregou de converter, mas que seria repetido devido a um mau ensaio com Benzema. À segunda tentativa, foi o próprio Benzema a bisar. Já na reta final, e imediatamente após uma bola de Kroos à barra, apareceu o recém-entrado Iborra na área contrária a reduzir a desvantagem.

Anúncio Publicitário

O Villarreal sufocou nos últimos minutos, ameaçou a baliza de Courtois por mais duas vezes e, na resposta, ainda houve tempo para um golo anulado a Asensio nos descontos. Minutos loucos! Sem ganhar um campeonato desde 2016/17, os adeptos do Real Madrid puderam finalmente gritar “campeones.

A FIGURA


Karim Benzema – Terceiro jogo seguido a marcar do ponta de lança francês! Benzema nem dispôs de grandes oportunidades para marcar na receção ao Villarreal, mas as poucas que teve conseguiu finalizar. E a verdade é que um ponta de lança também precisa disso: sentido oportuno e eficácia. Pode-se dizer que marcou os dois golos do título do Real.

O FORA DE JOGO


Primeira parte do Villarreal CF – Estando a equipa do Villarreal a lutar por manter o 5.º lugar (e com isso uma vaga na fase de grupos da Liga Europa) esperava-se que a estratégia para abordar o jogo fosse a de uma equipa mais atrevida. O que é certo é que a formação de Javier Calleja não quis correr riscos, fechou-se lá atrás e quase nem passou para o meio-campo adversário. Coletivamente, não funcionou. As mudanças ao intervalo foram a prova disso.

 ANÁLISE TÁTICA – REAL MADRID CF

Zidane mudou duas peças em relação ao onze que tinha derrotado o Granada. Sem mexer no setor defensivo, optou apenas por recuar Modric para a posição de Valverde e lançar Hazard e Rodrygo no apoio a Benzema, deixando Isco no banco. Num 4-3-3 mais vertical, a formação de Madrid fez questão de controlar o jogo a seu bel-prazer, nomeadamente no primeiro tempo em que não permitiu uma única aproximação perigosa do adversário. Tudo isso graças à excelente organização defensiva, ao envolvimento dos médios entre setores e à velocidade dos laterais patente em ambos os corredores. E assim se constrói uma equipa campeã…

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Thibaut Courtois (7)

Ferland Mendy (6)

Sergio Ramos (7)

Raphaël Varane (7)

Daniel Carvajal (8)

Toni Kroos (7)

Casemiro (6)

Luka Modric (8)

Eden Hazard (6)

Rodrygo (6)

Karim Benzema (9)

SUBS UTILIZADOS

 Marco Asensio (7)

Vinícius Júnior (6)

Federico Valverde (-)

Lucas Vázquez (-)

Isco (-)

 ANÁLISE TÁTICA – VILLARREAL CF

Já Javier Calleja acabou por mudar mais de metade da equipa que tinha jogado na jornada anterior, revolucionando todos os setores e fazendo a equipa alinhar num 4-2-3-1 – Morlanes e Zambo Anguissa atuaram como trincos numa tentativa de travar as investidas dos blancos pelo corredor central. Certo é que a equipa do leste de Espanha sentiu muitas dificuldades em ter bola para sair em transição, mesmo depois do golo de Benzema. Com as mexidas ao intervalo, o Villarreal até melhorou na circulação de bola e na saída para o ataque, mas apenas conseguiu reduzir a desvantagem.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Sergio Asenjo (7)

Xavier Quintilla (5)

Pau Torres (6)

Soufiane Chakla (4)

Mario Gaspar (6)

André Zambo Anguissa (6)

Moi Gómez (6)

Manuel Morlanes (6)

Rubén Peña (5)

Samuel Chukwueze (4)

Gerard Moreno (5)

SUBS UTILIZADOS

Bruno Soriano (6)

Javier Ontiveros (7)

Vicente Iborra (7)

Santi Cazorla (5)

Manu Trigueros (-)

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão