la liga espanha

Poucos poderiam prever o início de loucos que o jogo entre o Valência e o Atlético de Madrid nos proporcionou. Ambas as equipas chegavam a este encontro sem qualquer derrota e em igualdade pontual. Em apenas 13 minutos os comandados de Nuno Espirito Santo já venciam por 3-0. A equipa do Atlético entrou totalmente desconcentrada e a cometer erros defensivos infantis. No meio de tudo isto, André Gomes teve mais um momento de magia, ao marcar um grande golo. O Atlético ainda reduziu através de Mandzukic, após um grande remate de Tiago. De realçar ainda que ficou por assinalar uma grande penalidade a favor da equipa de Simeone e que Siqueira falhou uma grande penalidade. Na segunda parte assistimos a um jogo muito físico, marcado por picardias entre os jogadores e sem grandes ocasiões de golo.

Em alta competição não são permitidos momentos de desconcentração. O Atlético que o diga. De resto, se tirarmos os primeiros 13 minutos do encontro, a equipa madrilena até foi superior ao Valência, como as estatísticas demonstram (mais posse de bola, mais remates, mais cantos). Não estou com isto a tirar mérito à equipa che, que se apresentou bastante organizada e eficaz – Nuno Espírito Santo soube entender os momentos do jogo na perfeição.

Os portugueses André Gomes e Tiago estiveram em destaque no duelo de hoje  Fonte: libero.pe
Os portugueses André Gomes e Tiago estiveram em destaque no duelo de hoje
Fonte: libero.pe

A nível individual, quero destacar elementos de ambas as equipas, positivamente e negativamente. No Valência impressionaram-me bastante Gaya e André Gomes: o jovem lateral-esquerdo vindo da cantera já apresenta uma qualidade e uma maturidade bastante acima da média; André Gomes saiu aos 70 minutos ovacionado pelo Mestalla e realizou mais uma excelente partida, marcando novamente golo de grande classe. Do lado do Atlético gostava de realçar Tiago e Mandzukic: apesar dos 33 anos, o internacional português continua a demonstrar uma disponibilidade física incrível e ainda uma serenidade em campo invejável; Mandzukic, apesar do golo, não realizou uma partida ao seu nível habitual – não conseguiu esticar o jogo do Atlético como tão bem fazia Diego Costa e ainda está muito longe de fazer esquecer o luso-espanhol.

Em suma, os primeiros 13 minutos foram decisivos para o resto da partida. Um Valência mais concentrado contrastou com um Atlético apático. Os campeões espanhóis ainda tentaram reagir, mas era uma missão muito difícil, se não impossível. O penalty falhado pelo ex-Benfica Siqueira em nada veio ajudar; talvez com o 3-2 antes do intervalo a história tivesse sido outra. Com esta vitória o Valência assume o comando provisório do campeonato espanhol, ficando agora à espera do que o Barcelona possa fazer frente ao Rayo Vallecano. Nuno Espirito Santo continua a realizar um excelente trabalho, respondendo aos críticos que o apontavam como um dos treinadores que mais rapidamente iria ser despedido.

Comentários