Anterior1 de 3Próximo

Cabeçalho Liga Espanhola

No fecho da 13ª jornada da liga espanhola os dois primeiros classificados, Valência CF e Barcelona FC, defrontaram-se no Mestalla, habitual casa dos “Los Che”, na partida grande da jornada.
Em relação aos últimos encontros, ambos os treinadores procederam a alterações. Do lado dos valencianistas, Marcelino optou por colocar no XI inicial, Gonçalo Guedes, Garay e Zaza, jogadores ausentes na partida anterior do Valência. Já no Barcelona, Ernesto Valverde teve de colmatar a ausência de Piqué, o maior destaque na equipa blaugrana, com a entrada de Thomas Vermalean.

À entrada para este jogo, sabendo que uma vitória os podia juntar mais ao Barcelona no topo da tabela, o Valência entrava com grande motivação e determinação. Nota ainda para a entrada de Lionel Messi no onze, depois de não ter jogado em Turim, frente à Juventus, jogo a contar para a Liga dos Campeões.

Uma primeira parte que ficou marcada pelo erro grasso da equipa de arbitragem ao não validar o golo ao Barcelona, quando Messi rematou à entrada de área, seguido de um autêntico frango de Neto, à passagem da meia hora de jogo. Apesar deste lance, o jogo teve um sentido único com a equipa catalã a instalar-se por completo no meio-campo ofensivo mas sem grandes ocasiões de perigo relevante.

O Barcelona que, desde o apito inicial, implementou, como nos tem habituado, uma posse de bola cautelosa, com atenção para os possíveis contra-ataques da equipa da casa, assim como uma rápida e totalmente eficaz reação á perda da bola, sendo para isto Pulinho uma peça fundamental na transição defensiva dos catalães. A melhor oportunidade do primeiro tempo surge ao minuto 41, com um remate forte de Luís Suaréz depois da desmarcação, a ser respondido com uma boa defesa de Neto.

Na vinda dos balneários, o Valência entrou com uma postura mais ofensiva e pressionante, mudando a corrente do jogo que se tinha assistido na primeira parte, e foi à procura de criar algum desconforto na equipa do Barcelona. Conseguiram com eficácia, levar a equipa visitante a entrar no seu jogo, com algumas transições ofensivas de ambos os lados, tornando a parida mais aberta e, por conseguinte, entusiasmante para os adeptos. Ao minuto 57, Gonçalo Guedes deu o ar de sua graça e num ataque rápido pôs Ter Stegen à prova que, á meia hora do segundo tempo não conseguiu evitar o golo de Rodrigo, depois de uma boa jogada coletiva do lado esquerdo do terreno.

O hispano-brasileiro abriu o marcador Fonte: Valencia CF
O hispano-brasileiro abriu o marcador
Fonte: Valencia CF

Após o golo, Ernesto Valverde no espaço de oito minutos esgotou as substituições com as entradas de Deulofeu, Denis Suaréz e Aleix Vidal como forma de impulsionar a sua equipa para a frente e tentar marcar o golo do empate que, surgiu ao minuto 82, depois de dez minutos de posse onde a equipa catalã voltou a impor a sua estratégia habitual, por Jordi Alba depois de um passe “magistral” do pequenino Messi. Um golo justo depois da polémica na primeira parte.

Até ao fim do jogo, o Barcelona carregou a equipa “Che” em busca da vitória mas que não foi possível depois de uma grande exibição defensiva do Valência. Ainda nos descontos da partida Zaza teve uma grande oportunidade para dar uma grande alegria aos seus adeptos, que acabou por não ser concretizada.

Foto de capa: La Liga

Anterior1 de 3Próximo

Comentários