O jogo grande destes oitavos de final da Liga Europa não dececionou e proporcionou um grande espetáculo, com as duas equipas em busca do golo. O Arsenal demarcou-se da serie de maus jogos e de maus resultados em que vinha e realizou uma exibição sólida, facilitada pela inconsequência atacante dos milaneses.

O jogo começou animado e ao cabo dos primeiros dez minutos já tínhamos visto uma mão cheia de oportunidades. Entrou melhor o Milan e, logo aos dois minutos, Cutrone falhou o desvio ao segundo poste. Na resposta, Mkhitaryan visou a baliza mas não conseguiu desfeitear Donnarumma. Não demorou muito até que o arménio o conseguisse fazer: aos 15 minutos, um mau passe de Calabri levou a bola até Ozil, que jogou de primeira para o número sete dos Gunners ganhar a linha, cortar para dentro e rematar para o fundo das redes, contando ainda com um desvio em Bonnuci.

Os comandados de Gattuso ressentiram o golo e não conseguiam incomodar verdadeiramente Ospina, muito por culpa da boa organização defensiva do Arsenal, que começava logo na pressão a Bonucci e Biglia na saída de jogo dos rossoneri. O meio campo inglês ia impondo o seu físico e dominando a seu bel-prazer. As oportunidades mais perigosas do Arsenal apareceram no final do primeiro tempo, primeiro num remate fortíssimo de Mkhitaryan que esbarrou na trave, depois numa bomba de Chambers para boa defesa de Gigi Donnarumma e, como não há duas sem três, num contra-ataque muito bem conduzido, Ozil encontrou Ramsey sozinho na área e este, calmamente, contornou o guardião italiano e encostou para o segundo da noite.

As investidas italianas foram sempre travadas pelos ingleses
Fonte: AC Milan

Ao intervalo o cenário não era muito animador para a equipa da casa, que se via com uma desvantagem de dois golos em casa. Porém, quando se esperava uma reação forte dos italianos no segundo tempo, tal não se verificou. O jogo caiu na mesma toada da primeira parte, com um controlo das operações por parte do Arsenal, apesar da maior posse de bola (quase inconsequente) do Milan. Gattuso ainda arriscou e fez entrar André Silva e Kalinic, passando a jogar com dois pontas-de-lança, mas estes pouco acrescentaram, apesar de se apresentarem muito esforçados. Nenhuma tentativa dos rossoneri obrigou Ospina a aplicar-se, passando quase todas fora do alvo.

Anúncio Publicitário

O jogo chegava, assim, ao fim, com o Arsenal confortável pela vantagem e pelos dois golos marcados fora. As portas dos quartos estão, assim, escancaradas para os ingleses, que podem ver nesta competição a oportunidade de conquistar o único título desta época e de chegar à Liga dos Campeões, já que por via do campeonato esse objetivo parece inalcançável (estão a treze pontos do Tottenham, quarto classificado). Já o Milan vê aqui travado o seu ‘renascimento’, denotando-se alguma inércia e diferença competitiva perante um adversário globalmente superior.