A CRÓNICA: SEGUNDO TEMPO “ENDIABRADO” CONSAGRA REVIRAVOLTA

O mítico estádio Old Trafford recebeu o embate entre Manchester United FC e AS Roma, referente à primeira mão das meias-finais da Liga Europa. O emblema inglês goleou a formação italiana, desempenhando uma segunda parte de luxo, com cinco golos marcados. Os “Red Devils” foram para o intervalo a perder por duas bolas a uma, mas consagraram uma reviravolta impressionante, tendo a eliminatória praticamente resolvida.

O técnico português Paulo Fonseca viu os seus planos de jogo condicionados, face às saídas por lesão de três atletas da equipa romana ainda na primeira parte. O médio centro Veretout contraiu um problema físico logo no início da partida, entrando Gonzalo Villar para o seu lugar. Mais tarde foram o guarda-redes Pau López e o lateral Spinazzola a saírem lesionados, para as entradas de Mirante e Peres, respetivamente.

Os “Red Devils” entraram muito bem na partida e, ao minuto nove, Bruno Fernandes inaugurou o marcador. Após um excelente trabalho de Pogba, fletindo da esquerda para o meio, o francês entregou a Cavani, para este servir o internacional português. Indo contra a superioridade inicial do Manchester United, foi assinalada uma grande penalidade a favor da equipa romana, após a bola embater no braço de Pogba. O capitão Lorenzo Pellegrini não desperdiçou da marca de penálti e empatou a partida ao minuto 15.

Anúncio Publicitário

Novamente contra a corrente do encontro, pouco depois da meia hora de jogo, a AS Roma voltou a marcar em Manchester e colocou-se em vantagem. Mkhitaryan descobriu Pellegrini solto na grande área adversária e o médio italiano assistiu Džeko, que só teve de encostar.

Já a segunda parte, começou de forma eletrizante, com um golo de Cavani a empatar o encontro, ao minuto 48, após assistência de Bruno Fernandes. Os jogadores inverteram os papéis face ao primeiro golo da turma de Manchester, após um excelente exemplo de um contra-ataque eficaz.

Ao minuto 64 deu-se nova reviravolta no marcador: Cavani aproveitou uma defesa incompleta de Mirante a um remate de Wan-Bissaka, e colocou a bola no fundo das redes adversárias com facilidade. À passagem do minuto 71, Bruno Fernandes bisou na partida, concretizando uma grande penalidade, assinalada após falta sobre Cavani. Paul Pogba consagrou os números de goleada quatro minutos depois, de cabeça, após um grande cruzamento de Bruno Fernandes. O suplente Mason Greenwood estabeleceu o resultado final ao minuto 86, a passe de Cavani.

 

A FIGURA

Bruno Fernandes – O médio internacional português realizou uma exibição magnífica, estando envolvido em quase todos os golos da sua equipa. Apontou dois golos, realizou duas assistências, e construiu a jogada do terceiro golo dos “Red Devils”. Todas as jogadas da formação inglesa passavam pelos seus pés, sendo o cérebro do ataque dos “vermelhos” de Manchester.

Demonstrou na perfeição que não sabe apenas finalizar, como também assiste os seus colegas e cria a maioria das jogadas de perigo do Manchester United FC. Menção honrosa para Edison Cavani, que também marcou por duas ocasiões, e assistiu para dois golos.

 

O FORA DE JOGO

Setor defensivo da AS Roma – Seis golos sofridos na partida consumaram uma derrota humilhante para o emblema italiano. Depois de ir para o intervalo a vencer por duas bolas a uma, a defesa romana foi incapaz de lidar com a avalanche ofensiva da equipa da casa, sofrendo cinco golos no segundo tempo.

Uma série de erros defensivos e alguma instabilidade posicional condenaram a AS Roma, sofrendo uma derrota pesadíssima. Perante este desastre, será uma missão (quase) impossível para os italianos alcançar a final da Liga Europa.

 

ANÁLISE TÁTICA- MANCHESTER UNITED FC

Os pupilos de Ole Gunnar Solskjaer apresentaram-se num sistema tático de 4-2-3-1. Maguire e Lindelöf atuaram no centro da defesa, apoiados por Wan-Bissaka e Shaw nas alas. Os médios McTominay e Fred alinharam como “duplo pivot”, no miolo do terreno. Pobga desempenhou um papel fulcral nesta abordagem tática, alinhando a partir da ala esquerda, mas realizando movimentos importantes, com e sem bola, para o corredor central.

Rashford desempenhou a posição de extremo direito, e tal como Pogba, realizava bastantes movimentos interiores, mas com uma maior vertente ofensiva. O ponta de lança foi o experiente avançado uruguaio Cavani, apoiado por Bruno Fernandes nas suas costas. O Manchester United FC, na maioria das ocasiões, esperava pacientemente pela subida do seu adversário no terreno de jogo, para tentar lançar contra-ataques venenosos.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

David de Gea (5)

Aaron Wan-Bissaka (6)

Victor Lindelöf (6)

Harry Maguire (6)

Luke Shaw (7)

Scott McTominay (6)

Fred (7)

Paul Pogba (7)

Bruno Fernandes (9)

Marcus Rashford (6)

Edison Cavani (9)

 SUBS UTILIZADOS

Mason Greenwood (7)

Nemanja Matić (-)

Juan Mata (-)

 

ANÁLISE TÁTICA- AS ROMA

A formação comandada por Paulo Fonseca apresentou-se num esquema tático de 3-4-3, como já é habitual. Cristante baixou no terreno de jogo, atuando no centro da defesa, função que tem vindo a desempenhar no decorrer da presente temporada. O central Smalling, que já representou o Manchester United FC, e Ibañez completavam a linha de três defesas.

Os laterais Karsdorp, na direita, e Spinazzola, substituído posteriormente por Bruno Peres, na lateral esquerda, faziam todo o corredor, sendo peças fundamentais neste desenho tático, quer a atacar, quer a defender. Os médios Diawara e Villar, que cedo entrou para o lugar do lesionado Veretout, formaram a dupla a meio-campo. Na frente de ataque, Pellegrini e Mkhitaryan apoiaram Džeko, a principal referência ofensiva do emblema romano.

Pode definir-se como uma reinvenção do “catenaccio”, sistema tradicional italiano, ao qual Paulo Fonseca introduziu uma maior dinâmica e trocas posicionais. A pressão intensa era exercida logo no começo da construção de jogo dos “Red Devils”, condicionando a saída do adversário com posse de bola controlada.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Pau López (5)

Chris Smalling (5)

Bryan Cristante (5)

Roger Ibañez (4)

Rick Karsdorp (4)

Amadou Diawara (5)

Jordan Veretout (-)

Leonardo Spinazzola (5)

Lorenzo Pellegrini (6)

Henrikh Mkhitaryan (6)

Edin Džeko (6)

 SUBS UTILIZADOS

Gonzalo Villar (4)

Antonio Mirante (4)

Bruno Peres (5)

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome