Grande noite uefeira no Velódrome de Marselha! A equipa da casa, o Olympique de Marselha, recebeu e venceu por 2-0 o Red Bull Salzburg, na 1ª mão das meias-finais da Liga Europa 2017/2018.  Os dois clubes já se tinham encontrado por duas vezes nesta edição da Liga Europa (em jogos a contar para o Grupo I), tendo os austríacos vencido em Salzburgo por 1-0 e alcançado um empate a zeros em Marselha. Antes do começo da partida, houve tempo para a merecida homenagem ao ex-jogador e selecionador francês Henri Michel, que faleceu aos 70 anos na passada terça-feira.

A equipa de Rudi Garcia partiu para este encontro com o estatuto de favorita, mesmo estando perante a grande sensação da prova. O técnico francês (que deixou Rolando no banco) fez alinhar um XI constituído por Pele, Sarr, Rami, Luiz Gustavo, Amavi, Maxime Lopez, Sanson, Thauvin, Payet, Ocampos e Mitroglou. Já o treinador alemão Marco Rose optou, como é habitual, por uma equipa bastante jovem, constituída por Walke, Lainer, Ramalho, Caleta-Car, Ulmer, Samassekou, Haidara, Berisha, Wolf, Hwang e Dabbur; deste onze, só o guarda-redes Walke e o lateral esquerdo Ulmer apresentavam idades superiores a 26 anos.

Como era expetável, o jogo começou com uma entrada forte do Marselha. Aos 3 minutos, num livre estudado, Payet isolou Mitroglou, apanhando a defesa austríaca desprevenida. O ex-Benfica, para sorte dos visitantes, estava em posição irregular.

Os franceses mostravam-se mais experientes dentro de campo, privilegiando um bom jogo posicional, e partindo para a criação de desequilíbrios no momento oportuno. Payet ia sendo o principal responsável pelo comando das tropas marselhesas, evidenciando toda a sua qualidade e mostrado o porquê de ser o grande nome do Marselha. Aos 15 minutos, na sequência de um livre marcado pelo francês, o seu compatriota Thauvin cabeceou para o fundo da baliza do Salzburg. Estava feito o 1-0 para a equipa da casa, num lance em que Walke e Ulmer ficaram mal na fotografia.

Anúncio Publicitário

Nos últimos 15 minutos do primeiro tempo, após uma primeira meia hora de supremacia dos franceses, o Salzburg foi chegando com algum perigo à baliza contrária, pelo intermédio de Hwang e Dabbur. No entanto, o resultado não se alterou até ao recolher aos balneários. Nota de destaque para Maxime Lopez, um “menino” francês de 20 anos que jogava e fazia jogar o Marselha no decorrer da primeira parte.

No segundo tempo, o Salzburg entrou em campo com alguma apetência para o golo. Aos 53 minutos (após um lance em que a equipa de Marco Rose reclama penálti), Pele é protagonista, ao defender com uma mão o remate de Wolf.

Mas a noite não era, de todo, do conjunto austríaco. Aos 63 minutos, o suspeito do costume, Dimitri Payet, serviu na perfeição o recém-entrado Clinton N’Jie, que atirou a contar para o fundo das redes de Walke. 2-0 para os franceses, e grande festa nas bancadas do Velódrome.

Porém, o Salzburg parecia não querer dar o jogo como perdido. Um minuto após o golo sofrido, Berisha disparou para mais uma boa defesa de Pele. Aos 77 minutos, chegou a melhor oportunidade da equipa austríaca na partida: o norueguês Gulbrandsen (que substituiu Hwang) rematou ao poste, no seguimento de um cruzamento exímio de Ulmer.

Olympique de Marselha muito próximo de voltar a uma final europeia, 14 anos depois
Fonte: UEFA Europa League

Os últimos 10 minutos da partida foram de total domínio dos austríacos, mas não foram suficientes para que o Red Bull Salzburg pudesse marcar pelo menos um golo (que é sempre conveniente nos jogos fora de portas). Apito final do árbitro William Collum: o Marselha garantia a vitória de uma forma bastante competente, numa noite inspirada dos franceses Payet e Thauvin. A turma de Rudi Garcia parte assim com uma vantagem agradável de dois golos para a 2ª mão, marcada para o próximo dia 3 de maio, na Áustria.

Será o regresso dos marselheses a uma final europeia, 14 anos depois? Lyon é já ali.

Foto de capa: Olympique Marseille