Cabeçalho Futebol Internacional

Após um resultado positivo conquistado na Islândia, o Sporting de Braga partiu para este jogo com a tranquilidade de uma qualificação praticamente assegurada frente a um adversário de valor francamente inferior ao seu. Nem por isso optou Abel Silva por apostar num onze mais poupado, ou dar hipótese a mais jogadores de se mostrarem, Abel Silva apostou no onze mais forte disponível demonstrando assim um grande respeito pelos islandeses e uma desconfiança perante o resultado conquistado na primeira mão, talvez o facto de ter estado a perder durante algum tempo na Islândia tenha feito o treinador do Sporting de Braga desconfiar deste FH, razão tinha Abel Silva para temer o que este FH poderia fazer em Braga.

O Sporting de Braga, tal como havia acontecido com o AIK, entrou muito mal em jogo e deu liberdade à outra equipa de circular a bola e construir as suas jogadas, não será difícil por isso de adivinhar que repetiu-se aquilo que aconteceu frente ao AIK em Braga, um golo cedo no jogo do FH , aos 16 minutos,  por intermédio de um ressalto de livre, faltava ainda muito tempo de jogo e Bödvarsson colocava a sua equipa a um golo de passar a eliminatória .

Demorou algum tempo até o Sporting de Braga demonstrar alguma reacção ao golo dos islandeses, talvez por a eliminatória não estar ainda em risco, o Sporting de Braga não foi arriscando muito e o jogador mais inconformado era Paulinho, que ia mexendo no jogo com alguns dribles e movimentações, não será por isso novidade que tenha sido Paulinho a igualar o jogo ainda na primeira parte, aos 39 minutos. O Sporting de Braga chegava assim ao fim da primeira parte com a eliminatória controlada, mas sempre com o perigo do golo do FH empatar a eliminatória.

Paulinho foi fundamental para a passagem à Fase de Grupos Fonte: SC Braga
Paulinho foi fundamental para a passagem à Fase de Grupos
Fonte: SC Braga

Perigo esse que parece não ter assustado muito o Sporting de Braga, pela sua entrada na segunda parte que foi desastrosa, estava a colocar-se a jeito de vir a sofrer neste jogo actuando desta maneira, o que não tardou muito a acontecer, Bödvarsson, novamente, aproveitou uma recarga, desta vez de um canto, e empatou a eliminatória em Braga aos 51 minutos.

Anúncio Publicitário

Talvez fosse o que o Sporting de Braga precisasse para este jogo, porque bem depois deste “susto” que a equipa islandesa estava provocar, o Sporting de Braga renasceu para o jogo e não deixou mais os islandeses em descanso. Após alguns lances de perigo junto à baliza dos islandeses, o Braga haveria de chegar ao 2-2 por intermédio de Paulinho, outra vez ele, um grande remate de primeira depois de um passe do estreante Dyego Sousa aos 81 minutos, o Braga colocava-se novamente em vantagem na eliminatória, mas era importante não voltar a adormecer, porque um golo do FH nesta altura do jogo sentenciava a eliminatória.

O Braga não adormeceu e passou a controlar bem o jogo. Foi já no final, com o cansaço a tomar conta das duas equipas, que surge o 3-2 para o Sporting de Braga, um erro inacreditável do guarda-redes Nielsen “abre” a baliza para o golo de Dyego Sousa.

Vitória para o Sporting de Braga e consequente passagem à fase de grupos da Liga Europa, o Sporting de Braga espera amanhã para saber o seu destino na próxima fase, mas será preciso mais regularidade e qualidade para os jogos europeus que se aproximam.

Foto de Capa: SC Braga