A CRÓNICA: “UNDERDOG” VILLARREAL CF CONQUISTA A PRIMEIRA LIGA EUROPA

Em terreno polaco, o Villarreal CF e o Manchester United FC mediram forças num dos jogos mais aguardados da temporada – a final da Liga Europa. Nos últimos 20 anos, as equipas espanholas possuem uma taxa de vitória de 100% frente a clubes de outro país em finais europeias (15 em 15). Conseguirão os Red Devils afundar o “submarino amarelo” e pôr fim a esta tendência insólita?

Anúncio Publicitário

Com uma entrada para “knockout”, o United aplicou uma pressão intensa no meio campo espanhol, o que dificultou o arranque do Villarreal CF. Em consequência, a turma de Emery construiu uma autêntica muralha intransponível que anulou quaisquer oportunidades de golo.

À passagem do minuto 29, Gerard Moreno (para variar) abre o marcador após um cruzamento de bola parada, contrariando o claro domínio do United até ao momento. Quem não marca, sofre… O conjunto de Bruno Fernandes acentuou a sua estratégia com uma pressão sufocante, porém sem qualquer efeito. Faltou-lhes critério na hora de definir.

No segundo tempo, Edison Cavani ativou o seu sentido de goleador nato e empata a partida (1-1), aos 55 minutos. À hora certa no momento certo. Os Red Devils acordaram e estavam dispostos a evocar o inferno na Polónia. O pé estava no acelerador e o caminho era a baliza de Rulli. A triste verdade é que observámos várias jogadas, lances, remates, mas mais nenhum golo. Os 90 minutos chegam ao fim e a decisão é levada para prolongamento.

A partida retoma e o Villarreal entra em campo mais  “vitaminado” com uma mentalidade totalmente distinta. Sobe as linhas e procura o golo através dos flancos. Esteve ainda em análise um possível penálti a favor do Villarreal que deu esperança, mas não se concretizou. O vencedor da Liga Europa será decidido através de grandes penalidades. Quem será o campeão?

Depois de 21 grandes penalidades, emoções ao rubro e umas quantas paragens cardíacas, o Villarreal CF desafiou as “odds” e conquistou o seu primeiro grande troféu contra todas as expetativas. A grande maioria dos seus penáltis foram convertidos com muita segurança, o que valeu mais uma Liga Europa a Unai Emery (já tinha ganho 3 pelo Sevilha FC). Parabéns ao novo campeão da Liga Europa, será um dia inesquecível para o Villarreal. Adeus Conference League, olá Liga dos Campeões!

 

A FIGURA

Bloco defensivo do Villarreal CF – É a típica história. Atacantes ganham jogos, defesas ganham troféus. Do ponto de vista defensivo, estiveram impecáveis. Chegaram à sua primeira final europeia e anularam a maior parte das oportunidades do Manchester United FC, um dos melhores clubes ingleses da atualidade. Para mim, o bloco defensivo do Villarreal CF é o principal responsável por esta grande conquista e por isso, é sem dúvida a figura de jogo.

 

O FORA DE JOGO

Falta de eficácia do Manchester United FC – Durante a maior parte do tempo regulamentar, o Manchester United FC esteve por cima do jogo com inúmeros ataques e situações de perigo. No entanto, apenas marcou um golo e adiou a decisão para as grandes penalidades. Pecaram na eficácia e para mim, foi essa a razão por detrás da derrota. Podiam ter feito mais…

 

ANÁLISE TÁTICA – VILLARREAL CF

Sem grandes novidades no conjunto espanhol, Emery manteve-se fiel ao seu estimado 4-4-2. No primeiro tempo, o Villarreal destacou-se pela sua disciplina e organização defensiva muito competente, face a forte pressão dos Red Devils. Sólida, compacta e muito equilibrada. Jogou com calma e critério, aproveitando as suas oportunidades. Um remate enquadrado à baliza, um golo. A segunda parte voltou a apostar num bloco defensivo forte. Porém, pecou no jogo ofensivo. No prolongamento, entrou em campo com uma postura mais atrevida, procurando o golo.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Gerónimo Rulli (7)

Alfonso Pedraza (6)

Pau Torres (7)

Raúl Albiol (7)

Juan Foyth (6)

Manu Trigeros (6)

Dani Parejo (7)

Étienne Capoue (6)

Yéremi Pino (6)

Carlos Bacca (6)

Gerard Moreno (8)

 SUBS UTILIZADOS

Mário Gaspar (7)

Alberto Moreno (7)

Francis Coquelin (6)

Moi Gómez (6)

Paco Alcácer (7)

Raba (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – MANCHESTER UNITED FC

No último jogo da temporada do Manchester United FC, Solskjaer conservou a sua estrutura de jogo habitual, o 4-2-3-1. Todavia, arriscou ao abandonar o seu prezado duplo pivot McTominay e Fred (substituído por Pogba). O internacional francês entrou em campo como falso médio esquerdo, no sentido de instalar mais homens do United no meio campo adversário. A estratégia inicial era claríssima: marcar golos o mais cedo possível. No segundo tempo, finalmente, conseguiu balançar as redes de Rulli num jogo praticamente de sentido único.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

David De Gea (5)

Luke Shaw (7)

Eric Bailly (6)

Victor Lindelof (7)

Aaron Wan-Bissaka (6)

Paul Pogba (7)

Scott McTominay (8)

Marcus Rashford (7)

Bruno Fernandes (6)

Mason Greenwood (6)

Edison Cavani (7)

 SUBS UTILIZADOS

Fred (7)

Axel Tuanzebe (6)

Daniel James (6)

Alex Telles (-)

Juan Mata (-)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome