cab ligue 1 liga francesa

Foi mais uma jornada tranquila para o PSG, que continua a sua caminhada rumo ao tetra. Viu, novamente, alguns dos rivais mais diretos perderem pontos onde não deviam mas também assistiu ao renascimento do Olympique de Marselha, autor da proeza da jornada. Será que ainda vai a tempo?

Montpellier 0-1 Paris Saint-Germain (Matuidi 61’) – Mesmo sofrendo, o PSG não vacila.

O PSG tem tido um início de época perfeito. Quatro jogos oficiais corresponderam a quatro vitórias sem sofrer um único golo. As ausências de Ibrahimovic, Di María, Verratti e mesmo Pastore, que saiu logo aos 10 minutos de jogo com o Montpellier, têm retirado alguma criatividade ao tricampeão mas não lhe retiram consistência.

É verdade que passou por alguns momentos de aflição na primeira parte, sofrendo vários contra-ataques do Montpellier, e aí valeu Trapp, um dos grandes reforços do mercado, mas na segunda acertaram agulhas e aí voltou a aparecer Matuidi, o melhor jogador do PSG neste início de época. De facto, o internacional francês está a um nível muito elevado e foi de sua autoria o golo da vitória, aos 61 minutos, selando com chave de ouro a sua atuação. Para além de compensar a seca de golos dos avançados (Cavani à cabeça, neste que foi o seu 100.º jogo por Paris), também camuflou os erros dos parceiros de meio-campo, Rabiot e Motta, que proporcionaram os lances de perigo do Montpellier.

Anúncio Publicitário

O PSG vai com 12 vitórias consecutivas na Ligue 1, melhor série da história do clube, a duas vitórias do recorde da liga alcançado pelo Bordéus, em 2009, então orientado por… Laurent Blanc. Nesta edição do Championnat são 3 vitórias sem sofrer golos, enquanto o Montpellier ainda procura festejar o primeiro.

aa
Matuidi novamente decisivo no PSG
Fonte: Facebook do PSG

Lyon 1-2 Rennes (Nabil Fekir 12’; Pedro Henrique 8’, Mehdi Zeffane 56’ ) – Lyon volta a baquear em casa.

Aproveitando um erro de Yanga-Mbiwa, o Rennes rapidamente se colocou em vantagem, com Pedro Henrique a corresponder da melhor maneira a um passe de Zeffane, antigo jogador do Lyon. E mesmo que Nabil Fekir, com o seu primeiro golo esta época, tenha reposto logo a igualdade, cedo se percebeu que seria uma tarde negra para os vice-campeões franceses.

Desastrosos defensivamente e pouco inspirados ofensivamente (o golo de Fekir terá sido a exceção), o Lyon esteve em tarde não. E foi com naturalidade que Zeffane fez o golo decisivo, aos 56 minutos, depois de passar por Rafael… o jogador que veio substituí-lo em Lyon. Pouco depois o jogador seria substituído sob os aplausos do seu antigo público, reconhecedor da sua exibição.

Na tabela, o Rennes ultrapassou o Lyon, que continua sem vencer no Gerland nesta edição do Championnat.

Ajaccio 0-2 Angers (N’Doye 2’, 20’) – Angers confirma que faz parte da elite.

A Ligue 1 está habituada a que um dos novos primodivisionários se destaque durante as primeiras semanas do campeonato. E este ano parece que o papel coube ao sensacional Angers, que, à terceira jornada, ainda não encaixou qualquer golo e já vai com 7 pontos em três jogos. No duelo de recém promovidos foi N’Doye, contratado este verão mas já capitão de equipa, a resolver a partida. O médio senegalês foi o autor dos dois golos madrugadores que deixam o SCO num brilhante terceiro lugar. Os corsos, esses, terão de fazer muito mais para fugir aos lugares de despromoção, que já ocupam neste momento.

Nantes 1-0 Reims (Lenjani 77’) – Reims desce à terra

Carrasco de dois grandes (Marselha e Bordéus) nas duas primeiras jornadas, o Reims perdeu contra uma equipa que, à partida, parecia mais ao seu alcance. Mas o Nantes tem aparecido muito consistente neste início de Championnat e, depois de ter batido contra o muro do Reims, que pareceu apresentar-se no La Beaujoire, na primeira parte, para defender o nulo, chegou naturalmente ao golo pelo albanês Lenjani, já no quarto de hora final. Os Canaris continuam no lote dos invictos neste campeonato, enquanto o Reims perdeu os primeiros pontos e caiu para o sexto posto da classificação.

Nice 2-1 Caen (Ben Arfa 66’, Pléa 77’; Delort 67’)Ben Arfa e Pléa, os suspeitos do costume.

Ben Arfa e Alassane Pléa têm constituído o duo dinâmico do Nice nestas primeiras jornadas de Ligue 1, mesmo tendo em conta que os homens de Puel ainda não tinham logrado uma vitória esta época. Depois de uma primeira parte repartida, com várias oportunidades de golo para cada lado, mas onde os guarda-redes se mostraram decisivos, Ben Arfa inaugurou o marcador num dos seus característicos slaloms, onde eliminou quatro defesas para bater de seguida Vercoutre, que encaixou os primeiros golos esta época. A vantagem durou poucos segundos pois, logo na saída de bola, o Caen empatou por intermédio de Delort, depois de um passe em profundidade de Bessat. Mas seria Pléa, já brilhante e decisivo na jornada anterior, a garantir a primeira vitória do Nice, com um remate cruzado aos 77 minutos sem hipóteses para o guardião do Caen.

Bastia 3-0 Guingamp (Palmieri 5’, Maxime Baca 39’ [a.g], Coulibaly 91’)O Dia e a Noite encontraram-se na Córsega.

Mesmo que no final dos 90 minutos se possa considerar que o resultado de 3-0 constitui um desfecho pesado para o Guingamp, nomeadamente por aquilo que produziu na segunda parte, dificilmente alguém contestará a justiça do vencedor. Foi um Bastia muito mais realista aquele que se apresentou diante dos seus adeptos. À imagem de Palmieri, que, depois de abrir o marcador logo no começo da partida, também foi decisivo para o autogolo de Baca à passagem do minuto 40. O Guingamp bem tentava marcar o seu primeiro golo esta época, mas as coisas raramente saíram bem e, mesmo dominando toda a segunda parte, viria mesmo a sofrer o terceiro por Coulibaly, já para lá dos noventa minutos. O Guingamp continua em último, ainda sem pontos e sem golos, enquanto o Bastia continua o seu brilhante caminho sem conhecer o sabor da derrota, estando agora nos lugares do pódio.

Toulouse 1-1 Mónaco (Doumbia 22’; Lemar 65’) – Toulouse pode arrepender-se de não sentenciar um Mónaco com a cabeça na Liga dos Campeões.

O Toulouse já tinha saído frustrado do seu jogo anterior, com a derrota em Caen. Dominadores durante todo o encontro, teriam de se inclinar devido à sua falta de eficácia. Depois do empate frente ao Mónaco, os homens de Arribagé poderão alimentar mais alguns remorsos. Sobretudo Martin Braithwaite, que ainda se deve estar a perguntar como, aos 58 minutos, falhou o golo a dois metros da baliza escancarada. E bem tentou o avançado do Toulouse, com remates aos 8’, 58’, 64’, 66’, 68’ e 91’, mas sempre travados ou por um excelente Subasic ou por inépcia própria.

Com oito mudanças em relação ao jogo com o Valência, Leonardo Jardim passou a mensagem aos seus jogadores de que a prioridade era o jogo da segunda mão do play-off da Champions, e estes tiveram muitas dificuldades para encontrar as suas marcas. Foi por isso com naturalidade que Doumbia conferiu justiça ao jogo, inaugurando o marcador correspondendo a um livre de Yedder (curiosamente os três golos do Toulouse esta época foram na marcação de livres).

O Mónaco, pelo menos, teve o mérito de não desistir, e o recém-entrado Lemare repôs a igualdade, que não convém a nenhuma das equipas. O Toulouse, em três jornadas, experimentou os três desfechos possíveis, enquanto o Mónaco já vê o PSG a quatro pontos e vai encarar o seu decisivo jogo na terça-feira com mais dúvidas do que certezas.

Lille 0-0 Bordéus – Os nulos por vezes também são grandes jogos.

Com as duas equipas a entrarem procurando, ainda, alcançar a primeira vitória nesta edição da Ligue 1, assistiu-se a um jogo muito disputado no Pierre-Mauroy. O Lille esbarrou por três vezes contra os postes da baliza à guarda de Prior e poderia ter beneficiado de um penálti a que o árbitro fez vista grossa. Mas o Bordéus, com bastantes mudanças a pensar na Liga Europa, não defraudou, com várias oportunidades claras de golo e com Crivelli, também ele, a acertar no poste da baliza de Enyeama. Lille e Bordéus continuam, surpreendentemente, na segunda metade da tabela e ainda não foi desta que conseguiram o primeiro sucesso no Championnat.

Lorient 0-1 S.Étienne (Hamouma 87’) – Justiça chegou ao cair do pano.

Uma partida de muito sofrimento para o Lorient, que se viu reduzido a dez elementos… logo aos 39 segundos! Lecomte entrou com o pé muito alto sobre Hamouma, à entrada da grande área, e viu, naturalmente, a cartolina vermelha. Curiosamente seria o seu substituto, Chaigneau, a adiar o inevitável até quase ao final da partida, com diversas paradas heroicas, nomeadamente na primeira parte. Na segunda, o Lorient tentou equilibrar, mas Hamouma, que esteve envolvido em todos os golos dos Verts neste campeonato, conferiu justiça ao marcador, aos 87 minutos. O Saint-Étienne alcança a sua primeira vitória, enquanto o Lorient continua sem vencer.

Marseille 6-0 Troyes (Barrada 19’, Diarra 47’, Batshuayi 56’ 90’, Ocampos 63’, Alessandrini 88’) Atenção: Marseille chegou ao Championnat.

Finalmente o Marselha lançou o seu campeonato. E com estrondo. Na estreia de Michel nos comandos do Olympique, e com três novidades (Diarra, Cabella e Manquillo), o Marselha entrou transfigurado no Vélodrome.

Dispostos num 4-3-3, o Marselha beneficiou e muito do apoio proporcionado pelos laterais. Nomeadamente Mendy, omnipresente no lado esquerdo. A abertura do marcador, por Barrada, logo aos 19 minutos, validou o domínio caseiro mas foi sobretudo na entrada para o segundo tempo que os marselheses elevaram o ritmo. Lassana Diarra, primeiro, assinalou o seu regresso à competição com um portentoso remate depois de um canto. Seguiu-se Basthuayi, assistido por Cabella, antes de Ocampos, que substituíra um excelente Barrada, fazer o golo da noite num fantástico pontapé de bicicleta. Alessandrini e Batshuayi, com dois golos em dois minutos, acabaram de embalar o Vélodrome, que esqueceu por completo os fantasmas das primeiras jornadas.

O mínimo que se pode dizer é que Michel entra com o pé direito e a sua estreia auspiciosa entusiasma. Contudo, o Marseille já vai com 6 pontos de atraso sobre o PSG e muito trabalho terá de ser feito para recuperar essa desvantagem. O Troyes acabou o jogo a tentar perceber que comboio o atropelou e procura, ainda, a primeira vitória esta época.

Batshuayi
Batshuayi marcou dois na goleada do Marselha
Fonte: Facebook do Marselha

A Figura da Jornada:

Mehdi Zeffane (Rennes) – Como acontece muitas vezes no futebol, foi um ex-jogador do Lyon a brilhar frente à sua anterior equipa. O habitualmente lateral-direito foi colocado como médio-esquerdo por Montanier. Uma aposta ganha, já que o jovem argelino foi o autor do passe decisivo no primeiro golo do Rennes e marcou mais tarde o golo da vitória na surpresa em casa do Lyon.

O Momento da Jornada:

Ocampos a fazer magia – Entrado há apenas quatro minutos na partida frente ao Troyes, Ocampos recebe um cruzamento vindo da direita, por parte de Alessandrini, e, sem pensar, executa um movimento perfeito em pontapé de bicicleta que deixa Petric, guardião adversário, colado ao chão. Um golo sublime, a colocar a cereja no topo do bolo que foi a goleada do Marselha. Para ver e rever.

Foto de Capa: Site oficial do Marselha

Artigo anteriorGP da Bélgica: depois das férias, Hamilton volta igual a si mesmo
Próximo artigoLiga Inglesa: O génio da lâmpada dos elogios
No Verão, passa tardes na esplanada a comer caracóis, a beber finos e a discutir futebol. No Inverno troca a esplanada pela sua sala de estar, os caracóis pelos tremoços e os finos pelas minis, mas nunca troca o futebol por nada. Adepto do Benfica e seguidor da Liga Francesa, Ludo é um eterno apaixonado pelo desporto-rei.                                                                                                                                                 O Ludo não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.